Resenha: The Naked and Famous – Simple Forms

Lançamento: 14/10/2016
Gênero: Indie Eletrônico, Post-Punk Revival, Indie Rock, Synthpop, Rock Eletrônico
Gravadora: Somewhat Damaged
Produtores: The Nake and Famous, Thomas Powers e Sombear.

The Naked and Famous é uma banda de Auckland, Nova Zelândia, formada em 2007. Atualmente, o grupo é composto por Alisa Xayalith, Thom Powers, Aaron Short, David Beadle e Jesse Wood. “Passive Me Aggressive You” (2010), o disco de estreia da banda, foi composto por sons muitos distintos. Eles trabalharam em cima de um som brilhante, não muito diferente do que CHVRCHES e Tegan and Sara fazem. Seu segundo álbum, “In Rolling Waves” (2013), foi mais focado em letras emotivas e instrumentação minimalista. Em outubro de 2016, The Naked and Famous estava pronto para lançar seu mais novo álbum, intitulado “Simple Forms”. Com base no primeiro single, “Higher”, poderíamos esperar algo mais voltado para seu disco de estreia. “Simple Forms” foi escrito logo após ao término de namoro da vocalista Alisa Xayalith e o guitarrista Thom Powers. Nesse novo registro, a banda mantém-se fiel às suas origens synthpop. Por todo o álbum, temos grandes e pulsantes ganchos de sintetizadores e batidas em primeiro plano.

Durante dez canções, o resultado consegue ser igualmente estrondoso e pouco variado. Para quem não conhece o The Naked and Famous, posso dizer que eles parecem uma mistura de CHVRCHES com uma essência pop-punk dos anos 2000. “Higher” inicia os trabalhos do álbum, com um som limpo, bem produzido e altos vocais de Alisa carregando o momento. Com seu pulso techno, a faixa mostra Alisa e Thom falando sobre suas experiências. Eles cantam sobre sintetizadores pulsantes e linhas de baixo formidáveis, que ajudam a transmitir os sentimentos das letras. “Mas podemos nos separar / Para formar esses corações em pedra / Reescrever essa dor que nós possuímos”, Xayalith canta de forma genuína. A próxima música, “The Water Beneath You”, demonstra ainda mais o poder dos vocais de Alisa Xayalith. Essa canção tem uma sinfonia synthpop muito agradável, além de divertidas e belas harmonias. A urgência do eletro-rock de “My Energy”, que surge na sequência, é conduzida por Thom Powers que faz jus ao seu título.

the-naked-and-famous

Uma sensação ardente é demonstrada em músicas como “Last Forever”, que desvanece em tons mais sombrios, cativantes e sentimentais. Uma suavidade elétrica é explorada em “Losing Our Control”, canção que mostra uma boa interação lírica entre Xayalith e Powers. Da mesma forma, isso é demonstrado em “Falling”, outra faixa refletida pelo recente fim de seu relacionamento de oito anos. A presença da voz de Powers nessas canções empresta e cria um contexto extra para as letras. A primeira metade do “Simple Forms” é mais energética, enquanto a segunda metade serve como um lado mais escuro e emocional. A parte final é certamente mais palatável, com um maior número de faixas lentas, após a intensidade das cinco primeiras músicas. A segunda metade inicia com o sombrio piano e fantástica percussão de “Backslide”. A sétima faixa, “Laid Low”, é um rock eletrônico encantador com letras dolorosamente tristes.

Da mesma forma que “Laid Low”, a faixa “The Runners” soa brilhante ao trazer aspectos de rock para a escrita pessoal e emocional do The Naked and Famous. Enquanto “Higher” possui a melhor melodia do álbum, essa duas faixas mostram a boa versatilidade da banda. A faixa de encerramento, “Rotten”, é construída lentamente por um dos vocais mais doces de Alisa Xayalith. Essa música tem uma daquelas encantadoras e temperamentais texturas de assinatura da banda. No decorrer da canção, ainda temos vocais em camadas, efeitos elétricos, violões, uma paisagem sonora suave e escassos tambores. Em seu terceiro álbum, The Nake and Famous lançou uma coleção de músicas muito pessoais, emocionais e sensíveis. Lutar para manter vivo um amor desvanecido é o principal tema encontrado por aqui. Quase tudo em “Simple Forms” é interessante, por isso a banda merece muitos créditos pelo som apresentado, mesmo que dessa vez tenha focado em uma audiência mais mainstream.

70

Favorite Tracks: “Higher”, “Last Forever” e “Laid Low”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.