Resenha: Tamar Braxton – Bluebird of Happiness

Lançamento: 29/09/2017
Gênero: R&B
Gravadora: Logan Land Records
Produtores: Tamar Braxton, Vincent Herbert e Rodney Jerkins.

A mais jovem irmã Braxton lançou recentemente o seu quinto álbum de estúdio. Intitulado “Bluebird of Happiness”, esse é o seu primeiro álbum como artista independente. Mesmo em um ano cheio de projetos incríveis no mainstream, “Bluebird of Happiness” consegue se destacar. Tamar Braxton continua oferecendo um poderoso vocal e explorando um som tradicional de R&B. No decorrer da década de 90, a família Braxton tinha uma estrela óbvia: Toni Braxton. Apenas “Un-Break My Heart” foi suficiente para consolidar a carreira de Toni durante os anos 90. Entretanto, a partir da década de 2010, Tamar provou que há outra cantora imensamente talentosa dentro da família Braxton. No ano passado, ela teve alguns altos e baixos, porém, olhando pelo lado feliz das coisas, Tamar está cantando de forma confiante e otimista sobre suas lutas dentro de relacionamentos. “Bluebird of Happiness” possui um total de onze faixas, sendo a primeira delas a bela “My Forever”. Mantendo uma identidade contemporânea, Tamar Braxton pega emprestado alguns elementos de soul do passado. A partir das primeiras notas, com um tilintar suave da harpa, ela expressa gratidão pelo amor que está em sua vida. “Seu amor não se sente como espaço ou tempo / Sente-se como um sonho tornado realidade”, ela canta.

Com um som de meados dos anos 2000, Braxton apresenta a faixa “Wanna Love You Boy”. Esta canção possui amostras de “Wanna Love You Girl” de Robin Thicke e Pharrell Williams, portanto, não é coincidência o título quase igual. Dado a exuberante amostra, a produção acaba por ser um destaque a parte. O sample adiciona luxúria e sensualidade aos vocais de Tamar, principalmente durante o repetitivo refrão. As próximas faixas, “Run Run” e “Hol’ Up”, são números divertidos e mais contemporâneos. A primeira possui uma atmosfera tropical, elementos de reggae e amostras de “Bam Bam” de Sister Nancy. “Hol’ Up”, por sua vez, contém participação do rapper Yo Gotti e interpolação de “Shout” do grupo The Isley Brothers. Assim como “My Forever”, um tom old-school dá um impulso extra para Braxton durante “The Makings of You”. Desta vez, a cantora optou por uma interpolação do cover que Gladys Knight & The Pips fez do cantor Curtis Mayfield. Dado o auxílio dos vocais de apoio e cordas abundantes, Tamar entrega alguns dos melhores trabalhos vocais do álbum. Enquanto a balada “Heart in My Hands” não possui percussão e foca no instrumento vocal de Braxton, “Blind” olha para o passado a fim de inspirar-se em Etta James.

Uma balada de piano conduzida por uma produção escassa, harmonias e letras inspiradas em “I’d Rather Go Blind” (Etta James, Billy Foster & Ellington Jordan). O primeiro single, “My Man”, é outra balada apaixonada que mostra as habilidades de Braxton como vocalista e compositora. Liricamente, é inspirada pelo divórcio dos pais da cantora. Escrita a partir da perspectiva de sua mãe, é um momento bastante emotivo e catártico para a própria Tamar Braxton. A nona faixa, “Pick Me Up”, possui a mesma vibração divertida e despreocupada de “The One”, segundo single do álbum “Love and War” (2013). O seu som é uma reminiscência do R&B dos anos 80 e 90, dado a interpolação com “Love Come Down” de Evelyn King. O registro conclui com mais duas baladas, “How I Feel” e “Empty Boxes”. Ambas são bem executadas e mostram com propriedade a proeza vocal de Tamar Braxton. “Empty Boxes”, em particular, é um momento de autoconsciência sobre apreciar o que se tem, sem esperar por algo que provavelmente nunca virá. “Bluebird of Happiness” não abre novos caminhos artísticos para Braxton, mas é um disco sólido e digno de pertencer ao seu catálogo. É um álbum bem produzido, agradável e gracioso que flexiona o seu melhor atributo, ou seja, a poderosa voz.

Favorite Tracks: “The Makings of You”, “Blind” e “My Man”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.