Resenha: Snoop Dogg – Neva Left

Lançamento: 19/05/2017
Gênero: West Coast Hip-Hop, Gangsta Rap
Gravadora: Doggystyle Records / Empire Distribution
Produtores: Snoop Dogg, Dr. Evo, DJ Battlecat, Musik MajorX, League of Starz e Rick Rock.

Mesmo depois de tanto tempo, Snoop Dogg ainda é capaz de lançar um álbum interessante. O seu mais novo LP, intitulado “Neva Left”, é muito mais forte em qualidade do que certos álbuns de rap da atualidade. Com 16 faixas e cerca de uma hora de duração, o álbum está cheio de uma produção de qualidade, manipulada principalmente por DJ Battlecat e Rick Rock. Este projeto é a volta de Snoop Doog para o seu som clássico. Tudo aqui é construído sobre a magia do West Coast hip-hop. A produção é realmente incrível e com muito espaço para o seu conteúdo. Cada batida é individual e com um grande sabor da Costa Oeste, a fim de retomar aos velhos tempos. Com o objetivo de mostrar que Snoop Dogg nunca deixou as suas raízes, “Neva Left” concretizou o seu lançamento. O lirismo é ainda mais clássico e com um fluxo facilmente reconhecível. As rimas de Snoop podem não ser as mais complexas, mas ainda exalam uma paixão e entrega única. É gratificante ver um artista com uma longa carreira mantendo a sua sonoridade e talento. Snoop Dogg é um dos poucos artistas que nunca deixou a fama e fortuna subir à sua cabeça. Ao longo de sua carreira, a única coisa que permaneceu constante foi o seu amor pela Califórnia. O seu som evoluiu ao longo dos anos, desde que ele lançou o inovador “Doggystyle” (1993). “Neva Left” é um álbum típico da Costa Oeste americana, com sons cheios de elementos funk e linhas de baixo.  É um álbum que vê Snoop Dogg voltando para o som que fez dele um rapper famoso.

É refrescante ouvir Snoop voltar a este som de forma tão natural. Grande parte dos créditos devem ser direcionados para a produção de DJ Battlecat e Rick Rock, dois dos principais produtores de hip-hop da Costa Oeste. Logo à primeira vista, o álbum exala muita nostalgia, desde a foto vintage da capa com Snoop em frente a um sinal de Los Angeles. Mas “Neva Left” não é apenas uma homenagem ao som old-school de Snoop, dado a participação de produtores novatos como Kaytranada e o grupo BadBadNotGood. Com 25 anos na indústria do hip-hop, Snoop Dogg sempre conseguiu manter-se fiel às suas raízes. E isto é ainda mais evidente nesse novo LP, dado a sua produção tradicional. Entre os melhores momentos do registro, temos os súbitos sintetizadores analógicos, as caixas rítmicas, cortes vocais clássicos e a natureza funk. Esses elementos, muitas vezes, trazem para fora os mais divertidos vocais de Snoop Dogg, mais notadamente na faixa “Moment I Feared”, com Rick Rock. Entre as características do álbum, temos a presença de Big Tray Deee, K Camp, Stresmatic, Too $hort, Redman, Charlie Wilson e KRS-One. Cada um deles soa esforçado e mostra as suas próprias habilidades, além de ter uma ótima química com Snoop. No geral, esse LP é uma mistura agradável e divertida do grande talento do rapper com um som old-school. Certamente, Snoop Dogg deve ter ficado feliz e orgulhoso com o resultado final desse álbum. Com pouco mais de 5 minutos de duração, a faixa-título, “Neva Left”, serve de introdução para o repertório.

Enquanto isso, “Trash Bags”, que apresenta K Camp, possui um dos fluxos mais interessantes do registro. Os fãs de sua colaboração com Justin Timberlake e Charlie Wilson em “Signs”, terão o prazer de ouvir mais vibrações disco-funk na faixa “Go On”. Dessa vez, o responsável pelo refrão é October London, que fornece vocais deslumbrantes que parecem ter sido gravados nos anos 70. Essa canção é incrivelmente cativante! Mesmo quando Snoop afasta-se do seu estilo tradicional da Costa Oeste, como em “Lavender (Nightfall Remix)”, ele soa interessante. “Mount Kushmore”, por sua vez, destaca-se por mergulhar numa épica de ouro do hip-hop. B-Real do grupo Cypress Hill, Method Man do Wu-Tang Clan e Redman ainda adicionam um sabor único a essa canção funk. “Love Around the World”, outra oferta musicalmente interessante, aparece no final do álbum. Uma música que envolve todo o registro, graças a performance vocal do talentoso Big Bub. Com tantas faixas de destaque, não há dúvida de que Snoop Dogg criou outro ótimo álbum. Para um projeto com 16 faixas, ter poucas falhas é bastante raro, mesmo que haja momentos mais fortes. Snoop Dogg já está no seu décimo quinto álbum, uma façanha que poucos artistas experimentam. Ao longo dos anos, ele criou um nome, som e imagem para si, e ainda permaneceu fiel às suas raízes californianas. “Neva Left” pode não ser o seu melhor álbum, mas quanto mais você o escuta, mais viciado você fica.

Favorite Tracks: “Go On (feat. October London)”, “Big Mouth” e “Mount Kushmore (feat. Redman, Method Man & B-Real)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.