Resenha: SILVA – Vista Pro Mar

Lançamento: 17/03/2014
Gênero: Indie Pop, Synthpop
Gravadora: Som Livre
Produtores: Lúcio Silva de Souza.

Lúcio Silva de Souza, mais conhecido pelo nome artístico SILVA, é um cantor capixaba e multi-instrumentista. Ficou conhecido após o lançamento do seu primeiro trabalho, “Claridão”, lançado em 2012. Em 2014, lançou o seu segundo álbum pela Som Livre, intitulado “Vista Pro Mar”, que traz 11 faixas com ainda mais identidade que o antecessor. Silva é uma nova aposta para a música pop brasileira, é talentoso e com esse novo trabalho mostrou um bom crescimento musical. A mistura de música brasileira e sons eletrônicos mostram a sua busca por algo mais abrangente, ainda que intimista e naturalmente particular. “Vista Por Mar” apresenta ao público um álbum repleto de sensações litorâneas, samples de ondas e sons praianos. Não é um disco desconectado do seu trabalho anterior, mas feito de um outro ângulo e com ainda mais criatividade. Gravado em Portugal, o disco não esconde a sensação de férias, ainda que entristecido em diversos aspectos instrumentais e líricos.

Dominado por uma sensação de crescimento, “Vista Pro Mar” é um projeto que aponta para novos públicos e horizontes, mas sem extinguir tudo que foi conquistado com o “Claridão”. Um álbum íntimo, repleto de conceitos, complexidades e uma comunicação direta com o ouvinte. Cada canção do álbum é única e possui algo marcante que chama a atenção do ouvinte, seja no instrumental, na letra ou no lindo vocal de Silva. O título já estabelece uma perspectiva de que realmente estamos na beira do mar olhando para o azul do horizonte. “Vista Pro Mar” soa mais maduro que o “Claridão” e, de certa forma, totalmente natural. É um registro cativante, vindo de um artista que soube mostrar como tornar a sua música em algo caprichado e feito com muita dedicação. Segundo o próprio Silva, este álbum foi criado em um momento diferente do primeiro, sob outras circunstâncias e com outras intenções.

SILVA

A faixa título, “Vista Pro Mar”, logo de cara, já fornece um ótimo synthpop com um refrão otimista, e abre muito bem o repertório. Em meio à batidas de ondas e som de gaivotas, Silva fala sobre o amor com bastante sinceridade. Uma canção animada, com o agradável timbre do cantor junto de teclados e uma percussão eletrônica. É um ritmo praiano para se dançar de olhos fechados. Em um trabalho tão bonito e adorável, não poderia faltar esse clima litorâneo e com um sentimento único. Ainda na mesma vibe, temos a faixa “É Preciso Dizer”, que fornece influências dos anos 1980, possui uma boa letra e um clipe conceitual em preto e branco. Foi o primeiro single do álbum e começa com uma sonoridade eletrônica em fusão com sons marítimos.

É um ótimo e delicado eletropop, que ainda possui um refrão viciante. As duas primeiras faixas são as melhores e, particularmente, minhas favoritas do disco. “Janeiro” foi a primeira canção liberada pelo cantor, possui uma atmosfera alegre e uma letra confessional. O seu tom descontraído, sua carga repleta de positividade e a ótima energia, são um show à parte. A melodia e a letra romântica combinaram perfeitamente com a atmosfera da canção, que ainda fecha com um arrepiante saxofone. “Eu vi o sol fazer a curva / Riscou / Tingiu de rosa o entardecer”, essa é a introdução de “Entardecer”, canção que segue otimista e com um ar mais lento que o habitual. O seu ritmo parece de outra dimensão, introduzida por um ótimo dedilhado e uma boa dose de sintetizadores no refrão.

“Okinawa”, com vocais de Fernanda Takai, também foi apresentada antes do lançamento oficial do disco. “Já deu a hora / Não me conformo / O mar não é de calma / A calma é um naufrágio / E é tudo um desencontro”, sua letra é mais escura, porém, possui o mesmo clima predominante das outras faixas, uma música leve, simplista e com um maravilhoso refrão. “Disco Novo” possui uma bateria fixa, uma melodia dançante e uma clima bem oitentista. É brilhante instrumentalmente, desde a introdução, passando pelo incrível piano, as palmas marcando a percussão e o refrão super dançante. “Universo”, por sua vez, é cheia de positivismo e um outro convite para dançar, graças ao refrão: “Chega perto / Essa casa é fria / Mas não é vazia mais / O que eu quero / É sua companhia / O restante a noite faz”.

SILVA

“Volta” é mais uma faixa levemente dançante, com toques de violão e programações misturadas. A letra pede a volta de uma pessoa, com argumentos simples e incríveis assobios acompanhados por sintetizadores. “Ainda”, nona faixa, é uma linda balada com arranjos acústicos em um tom bem diferente do restante do álbum. Aqui, somente a voz e violão foram responsáveis por mostrar um lado diferente do cantor. Essa música consegue captar um lado mais sensível e sincero de Silva, e foi escrita pelo cantor quando ainda estava morando na Irlanda. “Capuba” é encantadora e deve ser uma das mais cotadas para se tornar favorita entre os seus fãs. Os anos 1980 também marcam influências nesta faixa, fixada por sua gostosa e dançante sonoridade. A letra faz referência ao nome de uma praia do Espírito Santo, estado onde o cantor nasceu, por isso o seu tom nostálgico.

Para finalizar, a última faixa é “Maré”, que volta ao ritmo otimista que Silva performa ao longo do álbum. É outra música bonita, cantada rapidamente e com palmas exaltando o seu compasso. Ainda há sintetizadores marcando presença, mas sua melodia é tranquila e traz uma calmaria ótima para encerrar o álbum. “Vista Pro Mar” foi feito com muito criatividade, a sua produção nos transmite aquela felicidade típica de quem está sentindo a brisa do mar em um dia ensolarado. Com certeza, ao ouvir esse disco, você sentirá como se estivesse olhando para o horizonte. O único problema é que apesar de todas canções presentes serem cativantes, as letras e a sonoridade são muito parecidas entre si. Mas de qualquer maneira, é um bom projeto, tranquilo e que oferece ao longo de sua execução boas melodias, lindas palavras e um som fácil de digerir.

66

Favorite Tracks: “Vista Pro Mar”, “É Preciso Dizer” e “Janeiro”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.