Resenha: Shakira – Shakira.

Lançamento: 21/03/2014
Gênero: Pop, Pop Rock, Pop Latino
Gravadora: RCA Records
Produtores: Roy “Battleroy” Battle, Billboard, Busbee, Cirkut, Dr. Luke, John Hill, J2, Kid Harpoon, Kosakovsky, Greg Kurstin, Steve Mac, Adam Messinger, Nasri, Luis Fernando Ochoa e Shakira.

A cantora colombiana Shakira lançou, em março de 2014, o seu décimo álbum de estúdio. Foi um projeto inicialmente previsto para ser lançado em 2012, no entanto, por conta de sua gravidez, foi adiado. Shakira assinou um novo contrato de gestão em 2012 com a Roc Nation e, posteriormente, também assinou com a gravadora irmã da Epic, a RCA Records. Esse auto-intitulado álbum conta com 12 faixas na sua versão padrão e estreou em #2 na Billboard 200 com 84 mil cópias vendidas. É um álbum pop com um estilo musical bem diversificado, que incorpora outros gêneros como reggae e rock, bem como elementos de dance e country. Sua produção é caracterizada por refrões em êxtase e letras que exploram a maternidade, as complexidades das relações amorosas, fases do amor e busca pela felicidade pessoal. A maior parte do registro foi escrita por Shakira, Nasri (vocalista da banda MAGIC!) e Adam Messinger. “No fim das contas, o que eu percebi é que durante o processo de criação deste trabalho, aprendi muito sobre mim mesma. Embora eu não percebi isso na época, comecei a explorar as fases iniciais de gravação, que foram ajudando a pavimentar um caminho para minha redescoberta.

(…) Ás vezes sou extremamente sensível, às vezes alegre, outras sonhadora e romântica, e às vezes até mesmo um pouco melodramática. Mas sempre autêntica e sincera”, disse Shakira à respeito do processo de produção do disco. O conteúdo lírico do álbum é realmente bom e, embora algumas canções tenha deixado a impressão de que Shakira tentou “americanizar o seu som”, esse novo trabalho tem bastante qualidade. O primeiro single foi a canção “Can’t Remember to Forget You”, que conta com a participação da hitmaker Rihanna. Além de um videoclipe extremamente sensual, a sua sonoridade lembra um pouco o som do No Doubt. É uma boa música up-tempo de new wave e reggae-rock que incorpora elementos de ska. Liricamente, a canção fala sobre um homem que Shakira não consegue tirar de sua mente. É uma faixa que cresce em você a cada play, impulsionada por uma boa batida, o belo timbre de Shakira e os vocais onipresentes de Rihanna. “Empire” é a segunda faixa na versão padrão e também o segundo single. Uma linda balada rock interpretada sob o solo de um piano, onde Shakira faz questão de ir para os seus maiores alcances vocais. Aqui, seus vocais, inclusive, foram comparados pela crítica com os de Tori Amos, Jewel, Joni Mitchell e Alanis Morissette.

A música começa com uma introdução acústica meio escassa, no entanto, acumula-se e transforma-se em uma balada com aspecto de um verdadeiro hino. É realmente uma canção muito boa e um dos destaques de todo o álbum. “You Don’t Care About Me”, terceira faixa, foi produzida por Shakira, Nasri e Messinger, e é uma indireta para o seu ex-namorado Antonio de la Rua. É uma canção pop latino mid-tempo, temperamental, com batidas sincopadas e uma vibe ligeiramente nostálgica. “Dare (La La La)”, quarta faixa, é uma canção up-tempo com batidas tipicamente brasileiras e com grande influência de música eletrônica. Musicalmente, é descrita como uma canção electro-house e dance-pop construída ao longo de vários tambores e cânticos. Foi produzida por Dr. Luke,  Shakira, Cirkut e Billboard, e parece ter sido feita especialmente para a Copa do Mundo. “Dare (La La La)” é super dançante e catchy, porém, uma flagrante tentativa de repetir o enorme sucesso de “Waka Waka (This Time for Africa)”. “Spotlight” é o ponto alto do álbum e possui todos os ingredientes de um grande hit, sendo inclusive comparada a trabalhos de Katy Perry e Carly Rae Jepsen.

Shakira

Uma faixa pop-rock com adequadas guitarras elétricas e um refrão muito cativante. A faixa “Broken Record”, por sua vez, é uma bela balada que exibe a voz de Shakira ao longo de delicadas cordas. É uma canção de amor que segue, liricamente, na mesma veia de “Empire”. A batida reggae e a participação da banda MAGIC! em “Cut Me Deep”, só comprova que Shakira consegue flertar estilos musicais como poucas. Essa canção é uma mistura atraente de ska e rock, construída sobre uma batida reggae, tambores de aço e bons riffs. Em “Medicine”, Shakira junta-se ao seu colega de The Voice, o cantor Blake Shelton, para apresentar uma balada country-pop. Essa mistura poderia ter funcionado bem, no entanto, ficou bem dispensável e banal, por conta do dueto com o enfadonho Blake Shelton. Embora Shakira já tenha utilizado elementos semelhantes em suas canções em espanhol, aqui ela não parece confortável. Esse deslize pode ser perdoado, afinal, ainda temos outras baladas de extrema qualidade no álbum. O melhor exemplo é a belíssima “23”, faixa escrita e fortemente inspirada por seu marido, o jogador espanhol Gerard Piqué.

Uma canção pop-rock melódica, com letras como: “Eu sabia que tínhamos alguma coisa / No momento em que te conheci eu sabia que tínhamos / Ninguém achou que poderia ser verdade / Hey você acredita / Você acredita em destino? / Porque eu passei a acreditar / Quando você tinha apenas 23 anos”. Aqui é apenas a voz de Shakira com a guitarra e, eventualmente, o baixo e a percussão misturando-se lindamente. “The One Thing” foi escrita para o seu filho, Milan, uma canção pop e mid-tempo extremamente encantadora. Ela é fortemente apoiada por uma guitarra, hand-claps, foot-stomps e ainda possui uma melodia muito cativante. “Toda manhã , quando você acorda / Eu quero te abraçar / Eu só preciso me enrolar em você / É engraçado quando penso que você acabou de chegar / Agora eu sei que eu não posso viver sem você”, Shakira canta em um dos versos. É, particularmente, uma das minha favoritas do álbum. Como de costume nos trabalhos da colombiana, aqui também temos canções em espanhóis. Intitulada “Nunca Me Acuerdo de Olvidarte”, a décima primeira faixa é uma versão em espanhol de “Can’t Remember to Forget You” performada apenas por Shakira. 

Mas finalizando o álbum temos a faixa “Loca Por Ti”, uma balada notável que demonstra um momento altamente honesto e reflexivo de Shakira. É uma canção catalã, performada originalmente pelo grupo Sau, que prega uma homenagem de Shakira à Gerard Piqué. A versão totalmente em catalão, nomeada de “Boig por Tu”, está disponível somente na edição de luxo do álbum em espanhol. No geral, com este registro, Shakira conseguiu mostrar a sua versatilidade como cantora e confirmar seu status de grande força pop mundialmente reconhecida. Ela tornou-se a primeira cantora a ultrapassar a marca de 100 milhões de curtidas no Facebook, a maior rede social do mundo, isso só confirma o quanto ela é amada e agrada a massa. É uma alegria ouvir Shakira fazer um disco tão pessoal e orgânico, com a cota perfeita de emoção e diversão. Em todas as faixas ela soa como se realmente colocasse o seu coração nas canções, gerando um resultado satisfatoriamente emocionante e gratificante. Portanto, esse disco homônimo ficou muito melhor, mais doce e com maior qualidade, se comparado ao seu último disco em inglês, o “She Wolf”, lançado há cinco anos.

72

Favorite Tracks: “Can’t Remember to Forget You (feat. Rihanna)”, “Empire”, “23”, “Spotlight” e “The One Thing”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.