Resenha: Run the Jewels – Run the Jewels 3

Lançamento: 24/12/2016
Gênero: Hip-Hop
Gravadora: Run the Jewels, Inc / RED Distribution
Produtores: Boots, EI-P, Little Shalimar e Wilder Zoby.

“Run the Jewels 3” é o terceiro álbum de estúdio da dupla de hip-hop americano Run the Jewels, que é composto pelo rappers El-P e Killer Mike. Eles sacudiram as mesas de jantar na véspera do Natal de 2016, ao liberar o álbum para download gratuito, sem o conhecimento dos fãs. Em 2013, EI-P e Killer Mike formaram o Run the Jewels e lançaram o seu debut álbum. Somente um ano mais tarde, produziram o disco “Run the Jewels 2”, uma obra colaborativa implacável. “Run the Jewels 3” é o seu esforço mais resiliente e bem realizado até hoje. A tolice contagiosa, alegria em excesso e senso de diversão infundidos por “Run the Jewels 2” estão um pouco ausentes dessa vez. “Run the Jewels 3” é irritado, soulful e vigilante, mas não é tão alegre e energizante quanto “Run the Jewels 2”. Aparentemente, Run the Jewels não quer superar a si mesmo, mas sim consolidar ainda mais seu legado. Refletindo uma realidade escura e opressiva, “Run the Jewels 3” é um registro mais sombrio e dolorido. Esse álbum mostra uma dupla dinâmica que fornece linhas brilhantes e letras apoiadas por incríveis instrumentais. O carisma da dupla aparece a todo momento. As rápidas rajadas de EI-P e a mistura técnica das rimas reflexivas e viscerais de Killer Mike, elevam o nível de qualidade do álbum. O som de Run the Jewels é uma mistura de batidas duras e raps intricados que alternam para frente e para trás entre dois rappers entrelaçados.

A faixa de abertura, intitulada “Down”, floresce em uma jóia atmosférica com um refrão que captura qualquer ouvido. Apesar de falar sobre o atual clima dos Estados Unidos, “Run the Jewels 3” não pode ser chamado de um álbum político. Lançado na véspera de Natal, é exatamente aquilo que seus dois predecessores teriam prometido. “Run the Jewels 3” é, sem dúvida, uma forte adição a um catálogo incrivelmente consistente. Ele está cheio de escuridão e desesperança, um reflexo da direção que a dupla tomou. No estrondoso primeiro single, “Talk to Me”, eles já mostram o quão talentosos e criativos são. Da mesma forma, “Legend Has It” possui tudo o que uma canção da dupla deve ter. Ou seja, é pesada, implacável, engraçada, feroz e muito divertida. EI-P mostra suas habilidades de rimas em “Call Ticketron”, ao mesmo tempo que Killer Mike mostra toda a sua versatilidade. É uma nova façanha para Killer Mike, pois acrescenta algo diferente ao seu rap habitual. Em seguida, “Don’t Get Captured” mostra algumas das melhores produções de rap industrial sintetizado de EI-P, enquanto “Thieves! (Screamed the Ghost)” possui a presença de Tunde Adebimpe da banda TV on the Radio. “Quanto tempo antes que o ódio que nos prendem nos conduza a um outro Holocausto?”, Killer Mike pergunta na oportuna e magnífica “2100”.

Aqui, ao lado de uma batida crescente e vocais de Boots, eles examinam toda a sociedade. As coisas permanecem sombrias, no entanto, “Panther Like a Panther”, com Trina, reflete aquela alegria que foi encontrada ao longo de seu último álbum. É um verdadeiro hino feroz com um refrão nada sutil. Uma aparição mais forte é a de Kamasi Washington, cujo saxofone dá um toque sinistro à faixa “Thursday in the Danger Room”. Em conjunto com os versos de El-P e Killer Mike, o lamentável e saudoso saxofone produz uma das melhores faixas do álbum. No mesmo sentido revolucionário de “Fight the Power” do Public Enemy, a faixa “A Report to the Shareholders / Kill Your Masters” termina o álbum de forma bem frenética. “Run the Jewels 3” é um passeio emocionante de 51 minutos de duração, onde a dupla cria uma narrativa polêmica e crua sore os Estados Unidos. A narrativa radical de EI-P e Killer Mike é interpretada com raiva e um olhar sem remorso sobre a sociedade norte-americana. “Run the Jewels 2” pode ter sido o álbum que solidificou o Run the Jewels, mas seu terceiro álbum é a mais pura demonstração do talento artístico da dupla. O caos e reflexão de suas letras, que estavam presentes nos discos anteriores, sentem-se mais legítimos do que nunca. “Run the Jewels 3” é uma conquista impactante que elevou ainda mais o status cultural da dupla.

Favorite Tracks: “Talk to Me”, “2100” e “Thursday in the Danger Room (feat. Kamasi Washington)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.