Resenha: Romeo Santos – Golden

Lançamento: 21/07/2017
Gênero: Bachata, Música Tropical
Gravadora: Sony Music Latin
Produtores: Romeo Santos, Allen Ritter, Andrew Cedar, Boi-1da, Frank Dukes, Illangelo, Illmind, Matetraxx, Nely, Saga WhiteBlack, Swizz Beatz, Tainy e Vinylz.

Lançado em meados de 2017, “Golden” é o terceiro álbum solo do cantor Romeo Santos. O registro possui diversos convidados, entre eles Swizz Beatz, Juan Luis Guerra, Nicky Jam, Daddy Yankee e Julio Iglesias. Ademais, Romeo Santos colaborou com diversos produtores conhecidos da indústria, como Boi-1da, Illagelo e Vinylz. Santos começou sua carreira como vocalista da banda americana Aventura. Em 2002, a música “Obsesión” chegou a permanecer por 16 semanas consecutivas no primeiro lugar da Itália. Aventura quebrou os moldes ao incluir a música bachata no mainstream e fundi-la com outros gêneros como o hip-hop, pop e R&B. O grupo se separou em 2011 por causa de projetos individuais dos membros. Depois de lançar alguns discos com o Aventura, Romeo Santos embarcou em carreira solo e, em apenas seis anos, já possui sete singles número #1 no chart Hot Latin Songs da Billboard. Se o “Fórmula, Vol. 1” (2011) e “Formula, Vol. 2” (2014) foram materiais de experimentação, “Golden” vê Romeo Santos redobrando os elementos que o tornaram num sucesso. Em vez de lançar um álbum em inglês, da mesma forma que Shakira e Ricky Martin, Santos continua focando no mercado espanhol.

Ele já colaborou com Usher, Drake e Nicki Minaj, mas nunca perdeu a sua essência latina. Ele continua fornecendo contínuas canções românticas de bachata. Em “Golden” ele ocasionalmente desvia-se da bachata em favor de explorar outros gêneros latinos, como o reggaeton de “Bella y Sensual” (com Nicky Jam e Daddy Yankee) e a bossa-nova de “El Papel, Pt. 1 (Versión Amante)”. Em vez de aderir ao hip-hop e pop americano, Romeo continua focando na bachata e fazendo inúmeras colaborações com artistas latinos. A maioria das canções do álbum foram escritas por ele e co-produzidas com Matetraxx. Na maior parte, as músicas apresentam batidas de bachata, sintetizadores, percussão e guitarras rítmicas. Como de costume, raramente suas músicas oferecem alguma diferença significativa. Uma vez ou outra, ele combina alguns estilos, como a bossa nova, doo-wop, reggaeton, bolero e merengue. Mas, para todos os efeitos, “Golden” mantém suas raízes firmemente plantadas na bachata. As letras, por sua vez, possuem um tom bastante sensual e são impulsionadas, principalmente, por sua voz aguda.

A primeira faixa, “Golden Intro”, e a faixa de encerramento, “Sin Filtro”, são dois exemplos de músicas que contém elementos de hip-hop e R&B. Mesmo assim, Romeo Santos conduz a maioria do repertório dentro do seu típico território sonoro. Há alguns acenos para a velha escola da bachata, como por exemplo nas faixas “Carmín”, com Juan Luis Guerra, e “El Amigo”, com Julio Iglesias. Infundida pelo jazz, “Héroe Favorito” é uma música amorosa carregada por sentimentos emocionais e declarações melodramáticas. “Imitadora”, produzida por Vinylz e Frank Dukes, balança através de seus sintetizadores, enquanto “Premio” recebe a cortesia eletrônica de Swizz Beatz. Romeo Santos sempre manteve-se firme e forte na bachata, língua espanhola e identidade latina. Ele poderia facilmente explorar outros gêneros mais comuns e obter um maior reconhecimento no mercado americano. Entretanto, ele não fez isso. Santos pode não se empenhar em novos desafios, mas continua deixando uma impressão duradoura na bachata. Como um álbum, “Golden” usa uma fórmula segura e confortável para ele. O único e principal problema é que essa fórmula fica degastada e rapidamente cansativa dentro do álbum.

Favorite Tracks: “Bella y Sensual (feat. Nicky Jam & Daddy Yankee)”, “Imitadora” e “Un Vuelo A La” (feat. Jessie Reyez).

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.