Resenha: Rihanna – Talk That Talk

Lançamento: 18/11/2011
Gênero: Pop, R&B, Dance
Gravadora: Def Jam Recordings
Produtores: Robyn Fenty, Carl Sturken, Evan Rogers, Alex da Kid, Mr. Bangladesh, Calvin Harris, Chase & Status, Cirkut, Da Internz, Dr. Luke, Ester Dean, Gareth McGrillen, Hit-Boy, No I.D., Priscilla Renea, Rob Swire, StarGate e The-Dream.

Lançado em 18 de novembro de 2011, “Talk That Talk” foi o sexto álbum de estúdio da caribenha Rihanna. Como produtora executiva, Rihanna recorreu a um vasto leque de colaboradores, que inclui Calvin Harris, Chase & Status, Cirkut, Dr. Luke, Mr. Bangladesh, Alex da Kid, Hit-Boy, Stargate, Ester Dean e The-Dream. Musicalmente, “Talk That Talk” segue a mesma linha do seu antecessor, “Loud” (2010), com maior predominância do pop e R&B. Também podemos considerá-lo um álbum crossover, pois incorpora elementos de outros gêneros como o hip hop, EDM e house. Enquanto isso, o conteúdo lírico gira em torno, principalmente, de temas como amor e sexo. Nos Estados Unidos, o disco estreou em #3 lugar na parada de álbuns da Billboard 200, com vendas estimadas de 198 mil cópias na primeira semana. Seis singles oficiais foram lançados no decorrer de sua divulgação, incluindo “We Found Love”, canção que tornou-se o seu décimo primeiro hit número #1 nos Estados Unidos ao permanecer no topo por 10 semanas não-consecutivas.

“Talk That Talk” foi lançado um ano após o disco anterior e tornou-se o seu sexto álbum de estúdio num período de sete anos. É o seu trabalho mais efervescente, com batidas eletrônicas, movimentos rápidos, sintetizadores temíveis e provocações líricas. Está equipado com várias canções sólidas, algumas baladas introspectivas e faixas super radiofônicas. A cantora co-escreveu somente três canções entre as onze da versão padrão do álbum, entretanto, ela conseguiu colocar em cada faixa a sua personalidade de forma bem autêntica. Como todo mundo sabe, Rihanna possui uma coleção de grandes hits no mundo todo, ela é certamente a maior hitmaker dos últimos anos ao lado de Katy Perry. E, com o “Talk That Talk”, o seu extenso currículo só aumentou. É provavelmente o trabalho mais obsceno da cantora, mas sem deixar de ser eficaz. Aqui, Rihanna nos presenteou com melodias irresistíveis, enquanto os produtores forneceram uma sonoridade aventureira. Seu vocal não é particularmente extraordinário ou potente, mas, em contrapartida, o seu timbre é agradável, único e muito grudento. Rihanna é um talento raro, ela realmente sabe como entregar boas músicas pop.

O hino “We Found Love” está aqui como prova dessa afirmação, pois é com certeza a melhor faixa do álbum e uma das melhores de toda a sua carreira. Produzida por Calvin Harris, é um número eletropop e house com fortes elementos de europop, trance e música techno. Aqui, encontramos grudentos sinos de alarme, um teclado potente, batidas house, arranjos pop e sintetizadores pulsantes que bombeiam repetidamente por toda a pista. Em boa parte, Rihanna canta a música com um falsete refrescante e em seu registro vocal superior.“Diamantes amarelos iluminados / E nós estamos lado a lado / Quando sua sombra cruza a minha / É o que basta para que eu ganhe vida”, ela canta melancolicamente ao representar um amor inocente. Seu conteúdo lírico é simples, mas oferece algo suficiente para destacar-se. A atmosfera de “We Found Love” é quase divina, assim como também parece ter sido feita para tocar em qualquer boate ao redor do mundo. A faixa de abertura, “You Da One”, foi produzida por Dr. Luke e lançada como segundo single. Uma canção pop e reggae mais otimista e com alguns versos infecciosos. Embora seja uma boa canção, não é tão forte ou memorável a ponto de ter sido lançada como single.

Por outro lado, a faixa “Where Have You Been”, outra produção de Dr. Luke, está entre os melhores singles lançados por Rihanna até à presente data. Uma música dance-pop feita sob medida para agradar a massa. Ela é embalada por vocais sensuais, uma forte batida e, posteriormente, um ritmo eletrônico distorcido e pulsante. Outra faixa extremamente cativante é a faixa-título, “Talk That Talk”, com o rapper Jay-Z. Juntos novamente, após o smash hit “Umbrella”, os dois nos proporcionaram mais uma pista elegante construída sob uma ótima batida e fluxo grudento. Aqui, Rihanna deixa o tema amoroso de lado, a fim de falar sobre luxúria. Os versos da dancehall “Cockiness (Love It)” são um tanto quanto provocativos e picantes: Chupe minha ousadia / Lamba minha persuasão. É facilmente uma das músicas mais explícitas de todo o álbum. As batidas escassas e dubstep foram fornecidos pelo produtor Bangladesh. As palmas de “Birthday Cake”, co-produzida por The-Dream, é bastante curta, mas é, inegavelmente, uma faixa muito sensual e divertida.

É pesada nos seus trocadilhos e possui apenas 78 segundos de duração. Após os primeiros 60 segundos, Rihanna canta – “Oh, eu quero transar com você agora mesmo” – e, em seguida, a música desaparece inexplicavelmente. A balada de amor universal “We All Want Love” é outra faixa muito agradável. Uma canção simples, porém, extremamente eficaz. Aqui, o vocal de Rihanna está sedutor e o estridente riff de guitarra ficou muito bem colocado. Em “Drunk On Love”, canção co-escrita por Ester Dean, Rihanna refere-se a si mesmo como uma mulher romântica sem cura. Sonoramente, essa faixa captura uma energia nervosa com uma batida sampleada da banda The xx. Outra ótima canção é “Roc Me Out”, um synthpop nervoso com um ritmo que lembra músicas como “Rude Boy” e “S&M”. A letra é um pouco desajeitada, com Rihanna tentando seduzir sexualmente o seu amante, enquanto revela alguns segredos desagradáveis. Felizmente, o bom instrumental e o refrão compensam esse contra-tempo. A exuberante “Watch n’ Learn”, penúltima faixa do repertório, é um suave e sensual dancehall que consegue manter um equilíbrio envolvente entre os sintetizadores e percussão.

Em termos líricos, é sobre Rihanna ensinando o seu parceiro como amá-la corretamente, ao longo do qual também usa referências sexuais. “Farewell”, escrita por Ester Dean e produzida por Alex da Kid, fornece uma boa instrumentação no piano. É uma balada melancólica e dramática, com destaque para a performance vocal de Rihanna, que só pecou pela falta de originalidade. Longe de ser uma faixa ruim, mas nos remete facilmente a outras canções, como “Halo” de Beyoncé e “Firebomb” da própria Rihanna. O sexto álbum da caribenha é mais um disco pop infeccioso e dançante, com contribuições de primeira linha de grandes compositores e produtores. Durante a sua performances no “Talk That Talk” ela, obviamente, acena para o seu lado mais sexy e mantém as coisas atraentes. Ao longo de sua marcante carreira, a cantora nunca se esquivou completamente de quem ela realmente é. Como um todo, o álbum só aumentou a sua coleção de músicas divertidas e cativantes. Não foi um material inovador, até porque a intenção não foi essa, mas, por qualquer meio, o registro conseguiu atingir os seus objetivos.

Favorite Tracks: “Where Have You Been”, “We Found Love (feat. Calvin Harris)” e “Talk That Talk (feat. Jay-Z)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.