Resenha: Pitbull – Globalization

Lançamento: 21/11/2014
Gênero: Hip-Hop, EDM, Pop
Gravadora: RCA Records
Produtores: Armando Christian Pérez, Charles Chavez, Alexander Castillo Vasquez, Andrew Cedar, Axident, Cirkut, Dr. Luke, DJ Frank E, Jason Evigan, JMIKE, Joe London, John Ryan, Lifted, Max Martin, The Monsterz and the Strangerz, One Love, Ricky Reed e Thomas Troelsen.

O rapper Pitbull, nome artístico de Armando Pérez, é sem dúvida um dos maiores hitmakers da atualidade, todo ano o cara consegue emplacar alguma música nas paradas musicais. Ano passado ele lançou o seu oitavo álbum de estúdio, sob o título “Globalization”, através da gravadora RCA Records. O disco conta com uma vasta lista de produtores e colaboradores, entre eles Dr. Luke, Cirkut, DJ Frank E, Max Martin, Sean Paul, Chris Brown, Ne-Yo, Jennifer Lopez, Jason Derulo, Juicy J e Claudia Leitte. As músicas continuam com a mesma fórmula de sucesso do rapper, uma mistura de hip-hop com outros gêneros musicais. Seus álbuns como um todo podem não despertar tanto atenção, mas seus singles costumam ser potentes. “Globalization” já teve 5 singles, incluindo o tema oficial da Copa do Mundo do Brasil e em sua primeira semana de lançamento estreou em #18 lugar na Billbord 200 vendendo 38 mil cópias nos Estados Unidos.

O auto-proclamado Mr. Worldwide trouxe para o “Globalization” um repertório muito variado, que contém desde ritmos latinos até dancepop e eurodance. Ás vezes o que parece é que Pitbull nunca ouviu falar de um estilo musical que não goste ou que não possa ser apropriado para seus álbuns. Sua fanfarronice lírica também aparece por toda parte, bem como as várias citações à cidades e países. Suas letras possuem rimas fáceis e sua abordagem para escrever costuma ser muito homogênea. Pitbull já entregou músicas muito boas, como “I Know You Want Me (Calle Ocho)”, “Give Me Everything” e “Timber”, e ainda consegue atrair a atenção tanto do mercado norte-americano, como também dos países latinos. O problema é que nem sempre popularidade é sinônimo de qualidade. Logo, por mais que suas músicas sejam divertidas, cada vez que ele ganha popularidade, vê sua reputação indo por outro caminho. “Globalization” é mais uma tentativa do rapper em atrair as pessoas para as pistas de dança, com ritmos cativantes e boas batidas.

Logo na primeira faixa já somos surpreendidos com a música “Ah Leke”, que possui nada menos que sample de “Passinho do Volante (Ah, Lelek Lek Lek)”, funk carioca de MC Federado & Os Leleks que virou meme em 2013 aqui no Brasil. A música começa com o refrão dos Leleks e usa o funk como base, mas também adiciona um novo refrão cantado por Sean Paul e um rap interpretado por Pitbull sobre um pseudo-dubstep. Em seguida, temos a faixa “Fun” com Chris Brown, um dancepop alimentado por ritmos latinos em sua instrumentação. A música faz jus ao seu título, pois é realmente muito divertida. É fortemente estruturada de uma forma que constrói uma energia que fará qualquer ouvinte dançar junto. “Fireball”, lançada como terceiro single, foi um sucesso principalmente na Holanda e Espanha, e apresenta o cantor John Ryan nos vocais. É uma das maiores canções do disco, super cativante e talvez a mais viciante. Musicalmente possui elementos de ritmos latinos, como o samba, mesclado com o euro-dance.

Pitbull

A quarta faixa é “Time of Our Lives”, em colaboração com o cantor Ne-Yo, que também aparece no disco “Non Fiction” do mesmo. Foi lançada dia 17 de novembro de 2014 como quarto single e é o maior sucesso do “Globalization” nos Estados Unidos, onde atingiu a nona posição. Produzida por Dr. Luke e Cirkut, “Time of Our Lives” é a segunda vez que Pitbull e Ne-Yo colaboram, pois anteriormente foram parceiros no hit “Give Me Everything” de 2011. É outra canção dancepop/eletrohouse muito agradável e nostálgica, especialmente por conta do ótimo refrão cantado por Ne-Yo. Na letra ele até tenta adicionar um pouco de profundidade, abordando lutas comuns das pessoas, como ouvimos nos versos: “I knew my rent was gon’ be late about a week ago / I worked my ass off, but I still can’t pay it though”. “Celebrate”, faixa cinco, é produção de DJ Frank E e foi incluída na trilha sonora do filme “Pinguins de Madagascar”. É um euro-disco divertido, mas que não chega a ser um destaque.

“Sexy Beaches”, com Chloe Angelides, e o reggae inspirado de “Day Drinking”, com Heymous Molly, são as faixas mais fracas do álbum. A primeira oferece um refrão universal, mas não empolga, enquanto a última é uma música bem preguiçosa e sem graça. Felizmente, “Drive You Crazy” com Jason Derulo e o rapper Juicy J surge e entrega uma boa música house com potencial de hit. O fluxo relaxado de Pitbull raramente apresenta algum momento notável, mas aqui ele conseguiu mandar bem. A nona faixa, “Wild Wild Love”, produzida por Dr. Luke e Max Martin, é um hip-hop/synthpop em parceria com a girlband G.R.L., que está entre as mais cativantes do álbum. Enquanto Pitbull injeta humor suficiente na música, as garotas da G.R.L. conduzem o ótimo refrão. “This Is Not a Drill”, com a cantora Bebe Rexha é a penúltima faixa do registro, que antecede o hino da Copa do Mundo. É outro número que mistura o rap energético de Pitbull com EDM e um forte tambor, soando agradável somente no melódico refrão cantado por Rexha.

O álbum fecha com a canção “We Are One (Ole Ola)”, com Jennifer Lopez e Claudia Leitte, que foi tema oficial da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Foi escrita por oito pessoas, incluindo os três vocalistas, enquanto a produção ficou a cargo, novamente, de Dr. Luke e Cirkut. A energia da música é boa, embalada por um ritmo dance-pop. O problema é que não forneceu substâncias suficientes para homenagear a rica herança musical do Brasil. O refrão não consegue entusiasmar e só é empurrado por assobios melódicos. A contribuição de Claudia Leitte foi rápida, mas eu achei que ela foi bem, pois mesmo em poucos segundos conseguiu mostrar a força da sua voz. No geral, este registro é mais um conjunto de potenciais hits, misturados com um par de faixas sem brilho. Não há como negar que algumas de suas músicas são agradáveis, porém, seria ainda mais legal o Pitbull trabalhar com outras pessoas e fornecer algo mais substancial da próxima vez.

Favorite Tracks: “Fun (feat. Chris Brown)”, “Fireball (feat. John Ryan)”, “Time of Our Lives (feat. Ne-Yo)” e “Drive You Crazy (feat. Jason Derulo & Juicy J)”.

61

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.