Resenha: Pentatonix – A Pentatonix Christmas

Lançamento: 21/10/2016
Gênero: Acapela, Christmas
Gravadora: RCA Records
Produtores: Alex Green, Andrew Kesler, Ben Bran e PTX.

Álbuns de Natal estão provando ser um território seguro para o grupo americano Pentatonix. Após o sucesso do seu disco natalino anterior, “That’s Christmas to Me” (2014), faz sentido eles voltaram a querer experimentar essa fórmula. Seu mais novo álbum, “A Pentatonix Christmas”, foi lançado recentemente em 21 de outubro de 2016. O disco apresenta duas novas canções originais, “The Christmas Sing-Along” e “Good to Be Bad”, e mais nove covers. Pentatonix criou uma fã base no YouTube depois de ter saído de uma gravadora de Los Angeles. Mitch Grassi, Scott Hoying, Avi Kaplan, Kirstin Maldonado e Kevin Olusola são os cinco membros que formam o grupo. Desde o lançamento de “That’s Christmas to Me”, o Pentatonix apresentou-se com Stevie Wonder, gravou uma música com Dolly Parton, fez shows pela América do Norte, Europa e Ásia, lançou um álbum original auto-intitulado e ganhou dois Grammy Awards. “A Pentatonix Christmas” é um festivo álbum natalino acapela, com uma boa mistura de baladas religiosas, covers e duas músicas originais. As coisas que o quinteto pode fazer usando apenas suas vozes é simplesmente incrível. Cada membro é tão talentoso e suas vozes se misturam perfeitamente bem. Seu som é realmente único e cativante. O fato deles conseguirem criar belas canções, usando apenas a voz, é surpreendente. Suas harmonias vocais e os arranjos clássicos e pop orientado, são igualmente elegantes. A faixa de abertura, “O Come, All Ye Faithful”, é uma canção tradicional refrescada por um forte bassline e refrão soulful. O cover de “White Christmas”, com a presença do grupo de jazz The Manhattan Transfer, começa fora do tom clássico e é mais pop e up-tempo que a original.

Da mesma forma, foi arriscado alterar o som original de “God Rest Ye Merry, Gentlemen”. Felizmente, Pentatonix se sai muito bem ao praticamente imitar uma orquestra nessa canção. “Up on the Housetop”, por sua vez, assume uma inclinação R&B e acaba criando uma pausa necessária no ritmo tradicional dos covers clássicos. As duas canções originais escritas pelo próprio grupo, “The Christmas Sing-Along” e “Good to Be Bad”, são altamente agradáveis. Ambas são cativantes e têm a mesma vibração de boa parte do repertório. “Coventry Carol” é a música mais coral do disco e é um tanto quanto despojada. Além disso, há um cover mais sombrio e muito bem executado de “Coldest Winter” do rapper Kanye West. Entre outros covers natalinos que o álbum possui, com as qualidades naturais e de assinatura do grupo, temos “I’ll Be Home for Christmas” e a alegre “Merry Christmas, Happy Holidays”. Meu número favorito do álbum é o belo e assustador cover de “Hallelujah” de Leonard Cohen. O vídeo da canção apresenta o quinteto cantando no deserto e já acumula quase 50 milhões de visualizações no YouTube. “Hallelujah” é muito despojada e surpreendentemente poderosa. Cada integrante possui sua parte solo e proporcionam um arranjo vocal incrível. Embora seja apenas um álbum natalino em sua essência, “A Pentatonix Christmas” é bom o suficiente para despertar sua atenção e interesse. No momento que você ouve um álbum do Pentatonix, você acaba se perguntando se você está realmente ouvindo músicas sem qualquer instrumento. Em suma, ressalto que esse álbum é uma continuação muito sólida e decente para o “That’s Christmas to Me”, seu primeiro disco natalino.

68

Favorite Tracks: “O Come, All Ye Faithful”, “Hallelujah” e “Merry Christmas, Happy Holidays”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.