Resenha: Onze:20 – Vida Loka

Lançamento: 20/10/2014
Gênero: Reggae, Rock, Pop Rock
Gravadora: Radar Records.
Produtores: Marlos Vinicius, Alexandre Russo, Guto Campos, João Gonçalves e Dudu Vianna.

A banda brasileira de reggae Onze:20 foi formado em 2006, em Juiz Fora, Minas Gerais. O seu nome se refere a hora exata em que eles se perguntavam qual seria o nome da banda. É formada por Victor Hugo (vocal), Marlos Vinicius (baixo/vocal de apoio), Chris Baumgratz (guitarra), Fabio Barroso (guitarra), Fábio Mendes (bateria) e Athos (teclado). “Vida Loka” já é o terceiro álbum de estúdio deles, lançado em outubro de 2014, logo após eles voltarem de uma turnê no Japão, sob distribuição da Radar Records. O disco traz um total de 10 faixas inéditas e uma versão acústica do primeiro single “Sem Medo de Amar”. “Vida Loka” surpreende pela boa mistura de rock, reggae, pop rock e alguns outros ritmos brasileiros. Outra novidade é a chegada de Fabio Barroso (ex-Strike) ao grupo, que completou o time de seis integrantes.

Eles já estão presentes no cenário musical há quase 8 anos, porém, só conseguiram grande notoriedade nacional em 2012, com a música “Meu Lugar”, que rendeu muitos shows e uma boa visibilidade para eles, enquanto em 2013 fizeram sucesso com o lançamento de “Pra Você”, que está presente no álbum de mesmo nome. “Pra Você”, a propósito, já é o maior hit deles nas rádios brasileiras, chegando a atingir a posição #9 da Billboard Brasil. No YouTube o videoclipe da mesma também fez muito sucesso e já ultrapassou a marca de 20 milhões de visualizações. Esse novo trabalho deles está encantador, quase todas as músicas são bonitas e adoráveis. A boa combinação de vários instrumentos com o vocal arrepiante do Victor consegue transmitir um mix de calmaria, tranquilidade e positividade.

Liricamente, a banda fala sobre vários temas relacionáveis com o grande público, com foco principalmente no amor e situações do dia a dia. Intitulado, estranhamente, “Vida Loka” já inicia com a faixa-título, que apesar do nome traz a mesma sonoridade de costume do grupo. Ou seja, um bom reggae-rock, que em alguns momentos me trouxe O Rappa à mente. A segunda faixa, “Sem Medo de Amar”, possui uma versão acústica colocada no final da tracklist e foi lançada como primeiro single. É com certeza uma das melhores músicas do álbum, uma balada grudenta no melhor estilo da banda. Com uma batida reggae e a guitarra acústica, a música mostra o quanto é bom amar. O refrão é cativante ao extremo: “Quero mergulhar no azul desse olhar / Poder navegar / Quero te dizer sem medo de amar / Eu quero você”.

Onze20

A banda muitas vezes fornece rimas simples e previsíveis, mas mesmo não sendo tão forte quanto a música anterior, “Saudade” é uma das mais bens escritas. A inclusão do piano ao fundo, juntamente com o ritmo mais calmo e sereno combinou muito com a letra. Outra canção maravilhosa é “Meu Amor”, que inicia com um riff muito agradável e vocais harmoniosos. Sua letra é incrivelmente simples e curta, mas é uma música que não precisa, necessariamente, de um lirismo bem elaborado para pode encantar. Em seguida, temos outra balada muito linda conduzida pelo violão, intitulada “Querendo Te Encontrar”.

Essa foi lançada como segundo single e é mais pop do que as outras faixas, ao passo que sua letra é basicamente uma declaração de amor: “O seu amor pra mim é tudo” / E eu não vou te perder eu juro / Preciso tanto dos seus beijos / Menina eu to querendo te encontrar”. A canção “Mau Olhado” é mais agitada e possui uma pegada pop rock, enquanto em “Te Roubar pra Mim” a banda volta para o seu bom reggae. “Uma Chance”, por sua vez, possui uma introdução bacana e uma instrumentação mais elaborada com o auxílio da guitarra, enquanto “Viver de Amor” entrega um reggae contagiante com uma maior presença dos vocais de apoio.

A penúltima faixa, “No Pagode”, é provavelmente a mais insossa e esquecível do repertório. É uma música que passa um tanto quanto despercebida, na medida que estamos quase chegando no final do álbum. É bem produzida e possui influências de outros ritmos brasileiros, como o samba, mas particularmente, não me agradou. Concluindo, temos a versão acústica de “Sem Medo de Amar”, que aparentemente foi uma inclusão desnecessária, visto que a versão original é boa o suficiente. Por fim, esse novo disco da banda Onze:20 consegue agradar com facilidade, sendo repleto de bons refrões e músicas radiofônicas. Os fãs de um reggae mais suave, provavelmente, irão ficar apaixonados por esse disco.

61

Favorite Tracks: “Sem Medo de Amar”, “Meu Amor” e “Querendo Te Encontrar”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.