Resenha: Nicky Jam – Fénix

Lançamento: 20/01/2017
Gênero: Reggaeton
Gravadora: Sony Music Latin / RCA Records
Produtores: Nicky Jam, Cristhian “Saga Whiteblack” Mena, Johnattan Gaviria e Yhoan Manuel Jiménez.

“Fénix”, o mais recente álbum de Nicky Jam, é uma demonstração de sua perseverança no mundo reggaeton. Atualmente um dos artistas mais produtivos do gênero, Nicky Jam já colaborou com uma longa lista de artistas nos últimos anos. Além disso, ele já lançou alguns discos solo, incluindo os populares “Vida Escante” (2004) e “The Black Carpet” (2007). Nascido em 17 de março de 1981, em Boston, Massachusetts, Nicky Jam mudou-se com sua família para o Porto Rico aos 11 anos de idade. Seu pai é porto-riquenho e sua mãe dominicana. Como muitos de sua geração, Jam entrou na cena reggaeton e fez um nome para si durante a década de 90. O álbum “Haciendo Escante” (2001) o estabeleceu como uma estrela do reggaeton em ascensão, mas foi “Vida Escante” (2004) que o levou para o mainstream. Apesar do sucesso inicial, Jam achou que poderia atingir novos picos e mudou-se para a Colômbia em 2010. “Fénix” prova que Jam e sua equipe escutaram atentamente os jovens artistas locais da Colômbia, bem como a tradição do país em contribuir para a inovação do dancehall e reggaeton. Mais tarde, ele lançou alguns singles populares no mercado latino como “Travesuras” e “Si no Estas”. Entretanto, foi com “El Perdon” ao lado de Enrique Iglesias, que Nicky Jam conseguiu um dos seus maiores hits até então. Essa canção tornou-se o seu primeiro single a atingir o número #1 nas paradas latinas da Billboard.

São pouquíssimas as vezes que nos deparamos com um registro tanto grande como “Fénix”. No total, o álbum possui 26 faixas, incluindo alguns remixes e versões em inglês de outras faixas. Liricamente, Nicky reuniu algumas canções de amor e auto-reflexão, com versos combinados com melodias incrivelmente cativantes. O registro começa com uma de suas canções mais forte, apropriadamente intitulada “El Ganador”. Essa música permite que Jam, de 36 anos de idade, fale sobre os obstáculos que o impediram de lançar o seu projeto. Ele menciona tudo pelo que passou, até mesmo a luta contra a dependência de drogas. “El Ganador” pisa na fronteira do hip-hop com a música latina, conforme reivindica seu espaço com um fluxo trap, um baixo pesado e batidas reggaeton. Nicky realmente sabe como trabalhar com o hip-hop, sempre mantendo sua integridade e permanecendo fiel às suas raízes. “Estrella”, “Mil Lágrimas” e “Cuando Quieras” ficam com o posto de músicas românticas do álbum, enquanto “Me Enamoras” possui uma batida e melodia bastante grudentas. A quarta faixa, “Amor Prohibido”, com Sean Paul, traz o melhor do dancehall colombiano, enquanto “El Amante” descreve uma linda história de amor. “Si Tú la Ves” explora o reggaeton ao lado do seu companheiro Wisin, da mesma forma que “Tu Hombre” apresenta Daddy Yankee numa canção bastante característica.

A ótima “No Te Vayas” deixa clara a tradição estabelecida de Nicky Jam em se desculpar pelos seus erros. “Tu Cuerpo Me Ama”, por sua vez, contém a presença da única vocalista feminina do álbum. “Despacio” equilibra seu som com astúcia, ao lado de Arcángel e seu fluxo duplo. Aqui, além do som habitual de Jam, temos alguns compassos de batidas trap. Mesmo em inglês, Nicky soa autêntico e quase sem sotaque, como nas faixas “I Can’t Forget You” e “Without You”. Ambas canções provam que o cantor não perdeu o toque para músicas latinas com influência hip-hop. Provavelmente, você já deve ter ouvido os maiores hits do álbum, “El Perdón” com Enrique Iglesias e “Hasta el Amanecer”. Ambas canções passaram inúmeras semanas no topo da Billboard Hot Latin Songs. Estes singles são a maior prova do grande sucesso e reconhecimento que Nicky Jam adquiriu. Aqui, encontramos letras que ilustram ele pedindo perdão e perseguindo as mulheres, com tons sacarinos e ritmos reggaeton incrivelmente cativantes. Tal como acontece com a carreira de Nicky Jam, “Fénix” é um álbum com altos e baixos. Ele é a prova de que uma carreira pode renascer, com a mesma intensidade que a colocou no cento das atenções. Se você não é muito fã do reggaeton tradicional de artistas como Daddy Yankee, Wisin e Don Omar, dê uma chance para o som de Nicky Jam.

Favorite Tracks: “Amor Prohibido (feat. Sean Paul & Konshens)”, “El Perdón (with Enrique Iglesias)” e “Hasta el Amanecer”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.