Resenha: Michelle Williams – Journey to Freedom

Lançamento: 09/09/2014
Gênero: R&B, Gospel
Gravadora: E1 Music / Light Records
Produtores: John Dee Hammond, Phil Thornton, Michelle Williams e Harmony Samuels.

“Journey to Freedom” é o título do quarto álbum de estúdio da cantora Michelle Williams, lançado em 09 de setembro de 2014 pela E1 Music e Light Records. Esse projeto marcou o seu primeiro lançamento sob outro rótulo, depois de romper seus laços profissionais com a gravadora de longa data Columbia Records e o gerente Mathew Knowles. Após um hiato em sua carreira, Michelle Williams lança um álbum em colaboração com o principal produtor Harmony Samuels, em uma fusão da música gospel com o R&B. Williams chegou à fama na última década como membro do Destiny’s Child, um dos grupos femininos mais vendidos de todos os tempos, ao lado de Beyoncé e Kelly Rowland. No Destiny’s Child, Michelle ganhou vários prêmios, incluindo um Grammy Award e uma estrela na Calçada da Fama. O projeto foi apropriadamente intitulado, apresentando uma Michelle Williams decididamente confiante, como uma pessoa que faz a música livremente, da forma como quer fazer e com mensagens da qual quer compartilhar. Isso é algo louvável, partindo do ponto de vista filosófico. A herança nigeriana do produtor Harmony Samuels forneceu um rico cenário musical de batidas e cantos afro-influenciados. Mas foi o talento de Michelle como vocalista que se sobressaiu, oferecendo vocais simples e encantadores. O álbum, como um todo, é sonoramente diversificado e realmente rico. O álbum tem 12 faixas e nele percebemos que Michelle encontrou o seu som, uma boa mistura de R&B, soul, pop e gospel.

É um registro legal, agradável e fresco, que fez Williams retornar às suas raízes gospel. Ela compartilha sua vitória contra a depressão e como a sua jornada com Deus inspirou muitas das canções presentes aqui. Isso resultou em hinos que promovem a cura e o crescimento pessoal. Do início ao fim, o álbum é como uma carta de oração e louvor a Deus. Aqui, Michelle Williams entrega-se totalmente, através de sua voz, seu verdadeiro eu e sua fé em Deus. É um material bem feito e dá uma nova perspectiva para a música gospel. A cantora falou sobre sua depressão em uma entrevista antes do lançamento e como isso a inspirou: “Eu lidei com a depressão. Eu tive que optar por sair da cama e fazer o que precisava para ser feliz. Basta ir à igreja e orar sobre isso. O Senhor vai te curar, bem como eu acredito que pessoas dotadas por Deus, como médicos e terapeutas podem te ajudar (…) A depressão não é algo bom, logo é necessário buscar ajuda”, orienta ela. “Às vezes você vai acordar do lado errado da cama ou de alguma situação que vai te deixar mal, mas você tem que escolher ser feliz. Eu estou escolhendo a vida. E estou esperando que este álbum faça as pessoas quererem escolher a vida”, finalizou. Na indústria musical não é incomum ver um artista em um hiato, como Michelle Williams. Às vezes um hiato sinaliza uma simples pausa do estresse do trabalho, uma transição imprevista devido a mudança de gravadora e gestão ou simplesmente um momento de reflexão musical e pessoal.

Em outras palavras, um hiato pode ser o começo para um sentido especial de liberdade, enquanto o cantor se prepara para subir a um novo nível artístico. E é isso que parece ser o cenário que se aplica Michelle Williams, que já estava experimentando um capítulo de gravação solo muito gratificante com relação às suas raízes musicais. Como resultado, “Journey to Freedom” serve como um marco na carreira de Michelle, tanto musicalmente como profissionalmente. A faixa que abre esse projeto, “Need Your Help”, em colaboração com Eric Dawkins, é uma mid-tempo de R&B que traz um ótimo sintetizador e uma letra sobre Deus nos conduzir no nosso caminho. Williams canta pedindo-lhe direção, orientação e compartilhando que Deus tornou-se uma grande parte da sua caminhada pela fé (“Oh how I need your help / Oh how I need you / Oh I need your guidance / Oh how I need you / I won’t make it without you beside me / Needing you everyday”). “Yes” é também muito boa, uma canção inspiradora e com uma grande produção pop e R&B. Ela começa como uma balada, com ritmo moderado e, em seguida, explode no refrão com elementos EDM. Essa também compartilha sentimentos sobre Deus e que tudo que precisa fazer é ser obediente à Sua vontade. “I’m completely yours”, ela canta. “My soul says yes. I want to know how to please you”, linda letra. “Everything”, por sua vez, é muito mais influenciada pela música pop, uma balada basicamente sobre seu amor pelo Senhor.

Michelle pondera questões e percebe que Deus nunca nos deixa só, pois Ele sempre está aqui de braços estendidos. A terceira faixa, “Fall”, que traz participação especial de Lecrae e Tye Tribbett, é a minha favorita do disco. Uma canção muito forte, com influência clara do hip hop e versos de rap. Lecrae foi ótimo aqui, como sempre, enquanto o refrão, cantado por Williams, é bastante cativante. Possui uma batida muito bem colocada e ainda fornece uma mensagem bastante significativa e tocante à respeito da glória de Deus. Na mid-tempo “Fire” temos vocais grudentos e boas melodias, um trabalho incrível de Harmony Samuels na produção. Michelle canta sobre sua intimidade com Deus, “It all works out for my good”, e, em seguida, diz: “Don’t leave me alone”. “Fire” foi lançada como single e, musicalmente, foi apresentada como um reggae e R&B, sendo levada através de um clímax gospel. “Free” é incrível e cuidadosamente bem escrita, uma música doce e sutil que aborda a liberdade que a glória de Deus provê. Musicalmente, é construída sobre um piano e cordas soberbamente conectada com os vocais de Williams. A batida da up-tempo “Just Like You” é quase um retrocesso, no entanto, é outra faixa irresistível. O rap jogado por Chief Wakil ficou muito bem colocado e contribuiu positivamente para a música. Sua letra sugere que podemos nos espelharmos no exemplo de Jesus. Já na lenta “Beautiful” temos Michelle declarando seu amor e vida à Deus. Outra canção memorável e com um grande sabor R&B.

A letra de “Beautiful” mostra que o que podemos ter, com Deus ao nosso lado. Uma relação que pode definitivamente durar se estivermos dispostos a fazer a nossa parte. “Believe In Me” é, talvez, minha balada favorita do álbum, um R&B/soul suave que fala sobre identidade. Michelle nos aconselha a sermos quem realmente somos e não deixar que a opinião dos outros nos influencie. Essa música nos dá um olhar mais honesto sobre sua jornada e soa quase como entrada de um diário ou oração. É uma música tão introspectiva que é quase como se Michelle estivesse cantando para si mesma no espelho. “In the Morning” é uma canção feliz que mesmo impulsionada pela guitarra ainda soa inequivocamente R&B. O riff de guitarra elétrica dá uma maior energia pra essa música, que fornece outra mensagem inspiradora para o ouvinte. É absolutamente otimista e positiva, com uma percussão realmente estelar e Michelle agradecendo a Deus por ser capaz de acordar todas as manhãs. A reflexiva e melódica “If We Had Your Eyes”, lançada como primeiro single, traz participação vocal de Fantasia e influências do R&B dos anos 1990. Embora não seja um grande destaque, é uma boa balada com as vozes das duas cantoras misturando-se muito bem. O repertório encerra com “Say Yes”, um dos pontos alto do disco que fez o Destiny’s Child (Michelle Williams, Beyoncé Knowles e Kelly Rowland) se reunir novamente. É uma canção refrescante e divertida baseada em um hino da Nigéria. É definitivamente uma grande canção up-tempo, que fala sobre Deus estar no controle das coisas.

O refrão (“When Jesus says yes, nobody can say no!”) é extremamente cativante, enquanto a batida e a produção a tornaram uma canção muito acessível e comercial. “Journey to Freedom” é um disco musicalmente enriquecedor, abrangendo temas cobertos por espiritualmente e libertação, juntamente com um equilíbrio saudável de faixas enérgicas e mais lentas. Cada canção desse registro encontra Michelle Williams explorando novas sonoridades, ela expressa sua relutância em se envolver em alguns desses novos sons, mas ao mesmo tempo assumiu o risco e fez valer a pena. É um material que não só soa diferente de seus trabalhos anteriores, como possui canções singulares. É um álbum composto por mensagens edificantes, vocais crescentes e uma ótima produção. Aqui, a cantora manteve uma postura totalmente cristã, escolhendo ser fiel à sua fé, por sua vocação e à Deus. Você não precisa ser religioso para realmente gostar do “Journey to Freedom”, basta apenas ser um amante de boa música para adorá-lo. Vocalmente, Williams transmitiu uma grande segurança, sendo demonstrada em cada faixa. Ao falar sobre sua verdade com muita honestidade, ela deu ainda mais substância para esse trabalho. Ela ressurgiu como uma artista claramente viajando em seu próprio caminho artístico para a liberdade. Ao se concentrar em temas universais, como o amor, esperança e força interior, e explorar novos gêneros, Michelle Williams criou algo inclusivo e ao mesmo tempo alegremente experimental. “Journey to Freedom” realmente destaca o talento musical de Williams, mostrando que ela é uma verdadeira jóia dentro da indústria da música. Portanto, quando Jesus dizer que sim, ninguém pode dizer que não.

69

Favorite Tracks: “Need Your Help (feat. Eric Dawkins)”, “Everything”, “Fall (feat. Lecrae & Tye Tribbett)”, “Believe In Me” e “Say Yes (feat. Beyoncé & Kelly Rowland)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.