Resenha: Marsha Ambrosius – Friends & Lovers

Lançamento: 15/07/2014
Gênero: R&B, Soul
Gravadora: RCA Records
Produtores: Marsha Ambrosius, Andrew “Hit Drew” Clifton, Da Internz, Dr. Dre, J.U.S.T.I.C.E. League, Eric Hudson, Dem Jointz, Jamie Scott, Seige Monstracity, Warren “Oak” Felder, Andrew “Pop” Wansel, Ronald “Flippa” Colston e Jameel Roberts.

“Friends & Lovers” é o segundo álbum de estúdio da cantora inglesa de R&B Marsha Ambrosius. Foi lançado em 15 de julho de 2014, pela gravadora RCA Records e conta com participações de Charlie Wilson, Dr. Dre, Skye Edwards e Lindsey Stirling. Em uma entrevista de março de 2014, Marsha Ambrosius falou sobre o álbum, dizendo: “Assim, o novo álbum é o meu bebê, o meu segundo bebê. Eu sinto que estou definitivamente grávida com o lançamento deste segundo álbum (…) Eu coloquei todas as coisas que eu precisei fazer com o meu último álbum. Mas, o segundo trabalho é mais concentrado e muito conceitual. Gosto de ser, absolutamente, única com os meus amigos e amantes”. “Friends & Lovers” estreou no número #12 da Billboard 200, com vendas na primeira semana de 17,2 mil cópias nos Estados Unidos. Marsha Ambrosius mora, atualmente, em Los Angeles, Califórnia, e é uma ex-membro do Floetry, juntamente com Natalie Stewart. Lançou o seu primeiro disco solo, “Late Nights & Early Mornings”, em março de 2011, e seguindo os passos do mesmo, a cantora trouxe a sensualidade de seus vocais reconhecíveis para outro nível com o “Friends & Lovers”.

É um disco muito focado em seu tema, usado para descrever momentos complicados e obscuros entre amigos e o amor. Para o sexo, também há faixas bem sedutoras e descaradamente sexual, como por exemplo, “69” e “So Good”. “Friends & Lovers” é definitivamente um passo progressivo na jornada solitária de Ambrosius em sua carreira musical. Ao contrário do seu disco de estreia solo, que foi totalmente centrado na cantora, esse registro estende-se com a participação de um seleto número de convidados. Como tal, esses artistas apresentados foram esperados para aumentar a visão artística de Ambrosius. A cantora é decididamente desgrenhada e dividida entre escolhas de gratificação física e auto-preservação de seus sentimentos. Com o “Friends & Lovers”, motivações pessoais são empurradas para a frente, juntamente com sua intimidade. É um trabalho desenvolvido a partir de desejos e regados com o brilho que a sua esperança traz. É um material com a alma necessária, uma coleção sensual e explícita, que pode aquecer até mesmo a mais fria noite de inverno. A maioria das canções aqui trazem boas parcerias, especialmente, os pesos pesados Dr. Dre e Charlie Wilson.

É um projeto refrescante que encaixa-se tematicamente ao seu antecessor, com Marsha continuando a explorar fantasia sexuais e sentimentos inevitáveis. Ambrosius proporciona um som, estimulado pelo R&B e soul, que está entre um dos mais intrigantes de 2014. “Friends & Lovers” é sincero, liso, áspero, além de dinâmico em seu conteúdo lírico e instrumentação. Três anos após o lançamento do seu álbum de estreia a cantora e compositora britânica, entrega inteiramente, um conjunto de 16 faixas no controle da dor, alegria e altos e baixos de relacionamentos com amigos e namorados. Ela escolheu abrir o repertório com uma introdução nomeada de “Friends & Lovers Intro”, de pouco mais de 70 segundos. É um início suave e humilde, com Ambrosius nos falando de um sentimento novo, uma atração sexual tão forte que não pode ser silenciada, certa ou errada. A batida apresentada flui em perfeita harmonia com a emoção crua que ela tão facilmente apresenta para nós. Como já mencionado o álbum fala sobre sexo e sedução por toda parte, e a faixa “So Good” é totalmente sobre atração sexual.

Marsha Ambrosius

“I can tell by looking at you / That thing is good”, ela canta sedutoramente no primeiro verso. Sutileza pode não ser sua especialidade, mas seu alcance vocal nessa música é incrível, com ela atingindo notas super altas. Alguns momentos cheios de alma são entregues na faixa “Night Time”, uma bela canção alimentada por um som envolvente e um refrão contagiante. Aqui, Ambrosius nos leva em uma viagem e abre nossa imaginação para pensamentos de luxúria e atração. “69”, por sua vez, não deixa nada para outra interpretação (“That’s the way we like to fuck”). O que separa uma música como “69”, de canções imaturas de outros artistas com o mesmo tema é que, apesar de ser tão explícita, é executada com vocais suaves e uma produção atmosférica que mantém o clima sexy, em vez de vulgar ou atrevido. O fluxo de Ambrosius nesta pista é impressionante, enquanto o excelente ritmo acrescenta uma grande dinâmica. Mas o álbum não é somente sobre sexo. Na verdade, a exploração de outros temas é o que adiciona ainda mais qualidade ao álbum.

Em “Shoes”, por exemplo, vemos Marsha mudando de opinião a todo momento em relação ao seu namorado ingrato. É uma música emocionalmente descritiva, com Ambrosius perguntando após uma de noite de amor: “Where are my shoes? / Panties and toothbrush and all?”. É uma canção com uma melodia simples e vocais suaves, soando como um clássico neo-soul em seu melhor aspecto. Um interlúdio chamado “How Much More” antecede a sétima faixa, que foi lançada como segundo single do disco. A partir dele o álbum começa a explorar complexidades mais emocionais do dilema “amigos e amantes”. “Stronger”, com o rapper e empresário bilionário Dr. Dre, é um cover do clássico “Love Is Stronger Than Pride” (1988) de Sadé, que presta homenagem a uma era de ouro da música, combinando o jazz com o hip hop habilmente. Essa é uma das poucas vezes que ouvimos Dr. Dre em uma canção de amor legítimo, onde ele adota uma postura poética e termina seu rap com uma frase clássica de hip hop: “Suicide it’s a suicide… / ready to die, you down to ride or what?”.

Relacionamentos não podem, simplesmente, serem fundamentados na satisfação sexual, por isso o maravilhoso neo-soul “You & I”, com o seu tom feliz e otimista, aparece e representa o equilíbrio que estabelecemos como base para um relacionamento, mesmo que seja com um amigo. Assim como a faixa anterior, “La La La La La” oferece uma mudança de ritmo, representando uma transição de sentimentos, embora traga o sexo como foco principal. É uma música muito agradável e perfeitamente arranjada, que ainda trás sample de “Lovin’ You” de Minnie Ripperton, canção que atingiu o topo da Billboard Hot 100 em abril de 1975. O amor toma as rédeas em “Cupid (Shot Me Straight Through My Heart)”, uma trilha moderadamente baixa e exuberante. É uma das faixas que possuem letras que professam o amor e o pesar de oportunidades perdidas nos termos mais explícitos. O interlúdio “Kiss & F**k” conclui esta série de emoções, como Ambrosius nos move a partir da alegria e a dor de um amor perdido. A incorporação do violão nesse interlúdio foi uma boa jogada.

Marsha Ambrosius

A faixa 12 é o soulful “Love”, onde o refrão abre com Marsha cantando aconselhadamente sobre rejeitar o amor, enquanto outros versos mostram que ela mesma não aceita essa instrução: “When love knocks at your door / Don’t turn it away / Just let it inside and invite it to stay”. Essa música é uma verdadeira reflexão sobre o que é a aceitação do amor. O nível de dor se empolga ainda mais na faixa “Run”, lançada como primeiro single. É talvez a música mais sincera do álbum, lidando com a parte mais difícil do desgosto amoroso. Além dos lindos vocais, as letras são muito vívidas e passam o peso de emoções que mudam de tristeza para auto-realização. A faixa seguinte, “Spend All My Time”, é um poderoso dueto com Charlie Wilson, ex-The Gap Band, que expressa momentos para preencher o vazio do coração com a companhia encontrada em um verdadeiro caso de amor. Musicalmente, é beneficiada por vocais fortes, uma boa química vocal e progressões harmônicas atenciosas.

É uma canção que particularmente brilha, graças a excelente colaboração com Charlie Wilson. O áustero “OMG I Miss You”, introduzido no piano, é basicamente uma conversa íntima desconectada que conclui tematicamente o álbum. O repertório desse material veio como um círculo, muito parecido com seu antecessor, e exibe uma história requintada através de uma gama de emoções e experiências. A décima sexta e última faixa do disco é “Streets of London”, em parceria com a cantora Skye Edwards e a violinista Lindsey Stirling. É uma música saltitante que transmite boas vibrações, assim como “Butterflies Remix” do seu primeiro disco. “Streets of London” fecha fortemente com um empoeirado hip-hop e soul, e uma mensagem para a cidade de Londres. Marsha Ambrosius atualmente reside nos Estados Unidos, porém, essa faixa mostra que seu coração provavelmente está em Londres (“Home is where the heart is. Where is my heart?”).

“Friends & Lovers” mesmo quando é abastecido pelo prazer físico, é um álbum muito emotivo, apaixonado e agradável. É um registro poderoso, que faz a cantora dá um passo à frente em todos os sentidos, ao contar histórias realmente vividas. É, sem dúvida, um dos melhores álbuns de R&B de 2014, sendo impossível capturar toda sua essência em apenas uma escuta. Porque poucos artistas conseguem e/ou podem transmitir paixão, através das letras e vocais, como Marsha Ambrosius faz. Desde o sexo, angústia, coração partido, enfim, cada linha ecoa como emoção. Quando ela canta, você realmente sente isso. É por isso que o “Friends & Lovers” passa a sensação de ser um material absolutamente genuíno. Marsha Ambrosius canalizou o seu crescimento pessoal e prolificidade musical em canções que traçam onde ela está, onde esteve e onde pode estar durante um relacionamento. “Friends & Lovers” é um disco que consegue refletir a vida real.

76

Favorite Tracks: “Stronger (feat. Dr. Dre)”, “You & I”, “La La La La La”, “Love” e “Run”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.