Resenha: Marilyn Manson – Heaven Upside Down

Lançamento: 06/10/2017
Gênero: Metal Industrial, Rock Gótico, Heavy Metal
Gravadora: Loma Vista Recordings / Caroline International
Produtor: Tyler Bates.

Quando paramos para pensar nas personalidades mais controversas do rock nas últimas décadas, Marilyn Manson é um dos primeiros nomes que vêm à mente. A banda, assim como o próprio indivíduo, sempre foram polêmicos e artisticamente ambiciosos. Por volta dos anos 90, Brian Hugh Warner se considerava o próprio anticristo, identificado pelas letras violentas, abuso de drogas e qualquer outra coisa que afligia a população conservadora americana. O décimo álbum de estúdio da banda, “Heaven Upside Down”, é o acompanhamento ideal para o seu último disco, “The Pale Emperor” (2015). Apesar de não possuir os mesmos elementos surpresa de seus primeiros trabalhos, “Heaven Upside Down” é um ótimo material. Um projeto eficaz que mistura vários gêneros com facilidade, como o rock-gótico, metal industrial, punk e o heavy metal. A abordagem musical do grupo mudou significativamente desde que começaram a polemizar a família americana em 1994. Seu álbum anterior possui um som incrivelmente bruto e instrumental, algo que permanece presente aqui. No entanto, “Heaven Upside Down” também contém alguns elementos digitais e eletrônicos como cortesia de Tyler Bates, co-produtor de muitos outros discos da banda. Mais uma vez conduzido pela guitarra, Marilyn Manson fornece vários elementos industriais e metálicos, e tenta reviver os dias de “Antichrist Superstar” (1996) e “Mechanical Animals” (1998).

Relevante e bem composto, “Heaven Upside Down” foca em temas líricos já conhecidos para Marilyn Manson. Aqui, ele fala sobre auto-abuso, sexo, drogas e relacionamentos tóxicos de forma extremamente nervosa e temperamental. A faixa de abertura, “Revelation #12”, compreende riffs impressionantes, vocais roucos e tons brilhantemente sombrios e melódicos. O uso de uma contagem de 1 a 10 durante o refrão, adiciona um elemento cativante à música. “Tattooed in Reverse” e o primeiro single, “WE KNOW WHERE YOU FUCKING LIVE”, exploram um metal mais sujo reminiscente de “Deep Six”, faixa do disco anterior. Enquanto “Tattooed in Reverse” possui uma escuridão atraente e guitarras confusas, a politicamente carregada “WE KNOW WHERE YOU FUCKING LIVE” é um ataque à América moderna e a hipocrisia que reina sobre ela. Assim como a segunda faixa, “Saturnalia” soa como algo reminiscente do álbum “Antichrist Superstar”. Ela possui riffs mais repetitivos e percussão reverberante, enquanto a lenta introdução retarda as coisas e rompe o ritmo antes da faixa “Je$u$ Cri$i$” surgir e fazer críticas à sociedade. Dito isto, esta canção pode ser considerada a mais escandalosa do repertório, pois Manson abraça a imagem pela qual tornou-se tão conhecido.

Igualmente poderosa, “SAY10” (o título original do álbum) enfatiza muito mais as letras e a abordagem vocal de Manson. Os elementos digitais mencionados anteriormente, tornam-se bastante visíveis aqui e na próxima canção, intitulada “KILL4ME”. A oitava faixa, “Blood Honey”, é uma balada mais lenta, escura e intensa. O seu ritmo e atmosfera casaram-se perfeitamente com a voz de Manson, e trazem a memória o brilho por trás do single “Coma White”. A faixa-título, “Heaven Upside Down”, surpreende o ouvinte ao apresentar uma guitarra acústica na mistura. Uma canção de hard-rock mais direta e leve, com um som característico de bandas como The Smashing Pumpkins. Além de ser texturizada com riffs e tambores atraentes, “Heaven Upside Down” possui um solo arrebatador reforçado pelos vocais escuros de Brian Warner. A última faixa, “Threats of Romance”, traz o som de um piano mesclado com um sintetizador na metade do caminho. Esta estranha mistura cria um timbre instrumental que funciona surpreendentemente bem. Liricamente, esta canção prova que Marilyn Manson ainda é um artista desafiante e extravagante. No geral, “Heaven Upside Down” é um álbum que atinge a sua marca e cumpre com a expectativa. Não é o melhor trabalho da banda, mas é um projeto sólido que, provavelmente, cativou os fãs mais devotos.

Favorite Tracks: “WE KNOW WHERE YOU FUCKING LIVE”, “SAY10” e “KILL4ME”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.