Resenha: Majid Jordan – Majid Jordan

Lançamento: 05/02/2016
Gênero: R&B, PBR&B, Synthpop
Gravadora: OVO Sound / Warner Bros.
Produtores: Majid Jordan, Ilangelo, Nineteen85 e Noah “40” Shebib.

O encontro entre dois estudantes, Majid Al Maskati e Jordan Ullman, enquanto frequentavam a Universidade de Toronto, resultou em uma grande amizade devido ao amor pela música. Como um duo, eles chamaram atenção do produtor Noah “40” Shebib e assinaram um contrato com a OVO Sound. Depois de cativar a todos com “Hold On, We’re Going Home” ao lado de Drake, Majid Jordan lançou o seu primeiro auto-intitulado álbum em 2016. Todas as 12 faixas do registro foram escritas e produzidas por Majid Jordan, com funções executivas sendo prestadas por Noah “40” Shebib, Nineteen85 e Ilangelo. Ter uma equipe pequena nos bastidores, além de si mesmos, foi uma decisão inteligente. No quesito coesão, o disco funciona sem grandes problemas. O álbum é temperamental e hipnótico, graças a contagiosa química de Majid e Jordan.

O repertório é potencializado com base nos pontos fortes de cada um deles. Batidas intricadas e minimalistas de Ullman, permitem que Al Maskati coloque seus vocais a frente de tudo. Sua fusão distinta de R&B, PBR&B synthpop, synthwave e inspiração funky está presente em todo o álbum. Dito isto, em sua maior parte, o repertório apresenta uma atmosfera e produção bem sintetizada. O delicado falsete de Al Maskati fornece uma sensação de conforto em quase todos os momentos. Além da boa produção de Ullman, Al Maskati é um escritor muito competente. Enquanto o som, vocais e letras de Majid Jordan são refrescantes, eles soam um pouco parecidos com outros atos de R&B, tais como The Weeknd e PARTYNEXTDOOR. De qualquer maneira, eles conseguiram criar um som consistente que mal oscila entre as doze canções.

Desde a produção até os vocais, todo o esforço é surpreendentemente suave. Seja oferecendo um R&B relaxante, como “Make It Work”, ou um eletro-pop saltitante, tais como “Shake Shake Shake”, eles sempre trabalham sob uma manobra delicada. Seu som é soulful, mas nunca necessariamente forçado. O número de abertura, “Learn from Each Other”, traz um ritmo perfeito com uma batida e linha de baixo que mal oscilam. Ao fazer um registro tão plano, eles correm o risco de cair numa natureza monótoma, mas, felizmente, as melodias são fortes o suficiente para prender a atenção. Drake, um dos co-fundadores da OVO Sound, aparece como o único recurso do álbum durante o single “My Love”. A melhor coisa sobre a participação de Drake, é que ele não aparece simplesmente para gerar buzz para a canção.

Majid Jordan

Ele soa muito bem cantando sobre a batida fornecida pelos poderosos Illangelo, Nineteen85 e 40, e complementa Majid Jordan, em vez de ofusca-los. O duo flutua bem com Drake nesta canção, através de uma boa escrita e escura composição. Há versos sólidos em “My Love”, precisamente vindo de Drake: “Mesmo que você dorma na minha cama / Eu sei que você não é a minha oficialmente”. Em faixas como “Small Talk” e “Pacifico”, o falsete e vocais de Al Maskati estão quase idênticos ao de The Weeknd. Os macios vocais de “Small Talk” deslizam através de linhas como: “Você sempre me faz sentir bem / Por favor, não me deixe para baixo / Eu quero fazer você se sentir bem”. Contos à noite são os temas líricos aqui, embora seja algo mais doce do que propriamente sexual.

As batidas de “Pacifico” são densas, flutuantes e techno, mesmo que liricamente seja uma das canções mais escuras do disco. Durante “Shake Shake Shake” e “King City” as cintilantes batidas e sintetizadores exuberantes provocam sulcos, que nos remetem a lendas como New Order e alguns recém-chegados, tais como os escocês do CHVRCHES. “Dê-me seu coração, me dê sua mão / Eu vou te mostrar que o amor está sempre lá”, Majid canta de forma convincente na faixa “Love Is Always There”. É o exemplo perfeito de uma canção com potencial roubado, dado as suas cativantes letras. Não dá para negar que o álbum tem algumas lacunas momentâneas, tais como “Warm”. Ironicamente, essa faixa é a menos “quente” de todo o repertório, dado a sua composição industrial e linha de baixo refrigerada.

“Something About You” e “Every Step Every Way” saltam através de vocais fantasmagóricos, backing vocals, efeitos de fundo e um certo apelo sexual. Muitas vezes, os melhores momentos da dupla surgem conforme eles encarnam um lado funky. “Day and Night”, por exemplo, cria um sulco muito agradável que poderia ser tocado em qualquer pista de dança. Enganosamente, “Majid Jordan” não é um álbum que requer muitas escutas para realmente ser desfrutado. Em suma, é um disco melodicamente e liricamente simples. As coisas mais sutis presentes aqui são as que mais chamam atenção. O duo canadense, sem dúvida, conseguiu entregar um bom e coeso material de estreia. Eles encontraram seu lugar como músicos, após um exploração mais experimental em seu EP “A Place Like This”. Como resultado, o álbum é um passo evolutivo para Majid Al Maskati e Jordan Ullman.

68

Favorite Tracks: “Learn From Each Other”, “My Love (feat. Drake)”, “Love Is Always There”, “Day and Night” e “King City”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.