Review: Ludmilla – Hoje (2014)

Lançamento: 26/08/2014
Gênero: Funk, Pop
Gravadora: Warner Music
Produtores: Jefferson Junior, Umberto Tavares, Ludmilla, Jhama, André Vieira, Wallace Vianna, MC Roba Cena e Arthur Gaboardi

“Hoje” foi o primeiro álbum da Ludmilla, depois de se tornar uma das apostas da Warner Music. Entretanto, é um material irritante, maçante e vocalmente limitado.

Acarioca Ludmila Oliveira da Silva, conhecida apenas por Ludmilla e, anteriormente, como MC Beyoncé, lançou em agosto de 2014 o seu primeiro álbum de estúdio, intitulado “Hoje”. Ela chegou à fama em 2012 com a canção “Fala Mal de Mim”, quando ainda estava totalmente enraizada no funk carioca. Após assinar contrato com a Warner Music, a cantora tirou o “MC” do nome, começou a incorporar elementos de música pop e deu um ar mais profissional para suas produções. Sua carreira, assim como a de muitos outros, decolou graças ao YouTube, local onde suas músicas recebem muitos acessos. Em sua nova fase, a cantora já conseguiu dois hits: “Sem Querer”, composta por ela aos 15 anos de idade e “Hoje”, que fez parte da trilha sonora da novela “Império” da Rede Globo. Ludmilla, assim como Anitta e MC Guimê, provam que o funk vem crescendo muito e obtendo cada vez mais reconhecimento do público. Desde o ano passado, ela tornou-se uma das apostas da Warner Music, visto que aparece constantemente em programas de TV aberta e tem suas músicas entre as mais tocadas nas rádios.

Assim como Anitta, que também tem contrato com a Warner, Ludmilla apresenta nesse álbum uma mistura de funk carioca e pop. O repertório possui um total de doze faixas, sendo sete composições da própria cantora. Também conta com participação especial de dois cantores do qual Ludmilla é fã: Belo e o Buchecha. A faixa de abertura, “Sem Querer”, que também foi lançada como primeiro single, é uma canção pop conduzida por sintetizadores e batidas melhores trabalhadas de funk carioca. Na letra, Ludmilla fala que não é mulher de um cara só (“Não sou de uma pessoa só / Não curto amores”) e que gosta de virar a noite nas baladas (“Não gosto de ter hora marcada / Pra voltar pra casa / Eu gosto de virar / As noites nas baladas”). A faixa-título, “Hoje”, é com certeza a melhor do registro. Foi produzida e escrita por Jefferson Junior e Umberto Tavares, que fornecem repertório para a maioria dos artistas da Warner Brasil. “Hoje” é um pop e funk melódico com uma bateria contundente e um refrão muito chiclete (“Hoje você não escapa / Hoje vem que a nossa festa / Hoje eu tô querendo te pegar de novo”).

Escrita totalmente pela cantora, “Garota Recalcada” é menos comportada se comparada as faixas anteriores. Muito mais influenciada pelo funk, nessa música encontramos versos como: “Para com essa coisa garota recalcada / Cachorra da rua a gente pega na porrada”. Lançada como terceiro single, a faixa “Te Ensinei Certin” é a mais curta do repertório. É uma música eletropop com bons sintetizadores e fortes batidas de funk durante o refrão. A canção “Não Quero Mais” é um dueto com o cantor Belo, um dos ídolos da própria Ludmilla. É uma balada que traz uma introdução no violão e um ritmo mais urbano. Liricamente, a música tem um ar vulnerável, com ambos declarando no refrão: “Te amar demais, pra sofrer demais / Por alguém que diz que tanto faz / Eu não quero mais”Para mostrar que não se afastou completamente do funk carioca, Ludmilla apresenta faixas como “Se Eu Descobrir” e “Amor Não É Oi” (que contém um instrumental vibrante). Ambas possuem os famosos e repetitivos “tchu tcha” do funk carioca e letras que remetem ao começo de sua carreira. 

Em colaboração com Buchecha, Ludmilla interpreta a música “Tudo Vale a Pena”, produzida por André Vieira é Wallace Vianna. Essa é um funk totalmente melódico que, em alguns momentos, lembra as músicas do próprio Buchecha. Eles interagem de uma forma bacana, ao passo que a letra é bem mais romântica que as demais (“Esse amor comprove, prova que tudo é possível / Um dia você vai saber que eu amo você”). A nona faixa, “Fala Mal de Mim”, já é conhecida nos bailes funk e foi gravada, originalmente, de forma independente em 2012 com o MC Roba Cena. Posteriormente, em 29 de abril de 2014, também foi lançada num EP auto-intitulado. Em “Morrer de Viver”, percebemos uma tentativa de fornecer uma música mais elaborada, entretanto, sem sucesso, visto que Ludmilla possui um vocal muito limitado. “24 Horas por Dia”, por sua vez, é um eletropop com batidas de funk e um instrumental muito semelhante à de músicas do pop internacional. “Sem Querer (Funk Mix)” é uma versão totalmente funk do primeiro single. 

Não agregou nada de interessante ao álbum, pior do que isso, tirou todo o atrativo da outra versão. “Hoje” é um álbum com uma boa produção e devemos ressaltar que Ludmilla possui muitos créditos em sua composição. No entanto, a mesma é muito limitada vocalmente. Eu não gosto muito de funk carioca, mas ouvi e avaliei todo o material sem deixar o meu gosto pessoal influenciar. O grande problema não é com o funk, mas sim o trabalho apresentado por Ludmilla. Ela possui talento para escrever, consegue se expressar de forma convincente e não renega suas origens. Podemos perceber que ela canta sobre o que realmente é e demonstra ter personalidade. Mas seu vocal é extremamente fraco, não que cantores de funk tenham, necessariamente, ótimas vozes, mas é nítido que sua voz não vai longe. Em vários momentos, a produção do álbum consegue se sobressair. Mas em outros, é pouco dinâmico e irritante, como na inclusão das repetitivas batidas de funk e os “tchu tcha”, que são colocados exaustivamente em quase todas as músicas.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.