Resenha: Kelsea Ballerini – Unapologetically

Lançamento: 03/11/2017
Gênero: Country Pop
Gravadora: Black River Entertainement / Sony Music Entertainment
Produtores: Jason Massey e Forest Glen Whitehead.

Kelsea Ballerini é uma das poucas artistas femininas que conseguiram ter um impacto significativo nas paradas country dos Estados Unidos nos últimos anos. Nascida no estado de Tennessee, ela estabeleceu-se na cena musical com o EP auto-intitulado de 2014 e o álbum de estreia “The First Time” (2015). Agora, com 24 anos, Ballerini retorna com o seu segundo registro, intitulado “Unapologetically”. Sem surpresa, para uma artista que mora em Nashville, a música de Ballerini possui uma grande inflexão country. Mas, enquanto “The First Time” (2015) possui uma maior ênfase em elementos country, “Unapologetically” é descaradamente mais pop. Ao longo deste LP, os seus vocais são fortes, agradáveis e, às vezes, crus e vulneráveis. Mas, mesmo quando não fornece uma performance vocal excepcional, suas letras honestas exalam um brilho invejável. Sem dúvida, “Unapologetically” é um grande passo a frente, pois é um disco mais maduro, coeso e promissor. É um álbum que mantém o seu coração na música country, no entanto, com um maior apelo pop e radio-friendly. Em poucas palavras, Kelsea Ballerini descreveu este álbum em três palavras: perda, vida e amor. Para efeito de comparação, “Unapologetically” rivaliza diretamente com a produção do “Speak Now” de Taylor Swift. É um material muito polido que mantém suas raízes firmemente plantadas na música country.

A faixa de abertura, “Graveyard”, exala algumas influências de country sobre uma guitarra acústica e algumas cordas, embora seja um completo número pop. Tanto a melodia do refrão como o próprio refrão, sentem-se extremamente familiares. Porém, apesar da sensibilidade pop familiar evocada, é uma canção bem executada e convincente. Liricamente, é uma faixa bastante vulnerável: “E eu não quero ser outro coração em seu cemitério / Na sujeira fria e dura que você joga para baixo”. Em seguida, ela suspira e reflete sobre um relacionamento na dançante “Miss Me More”. Liricamente, ela explora as conseqüências de romper com alguém e perceber que você perdeu uma parte de si mesmo durante o término. Tingida de EDM, esta canção fornece guitarras, bateria, sintetizadores mais pesados e um som que nos faz lembrar de Carrie Underwood. É uma canção confiante e atrevida que injeta um sentimento poderoso no escopo do álbum. Em seguida, “Get Over Yourself” surge em meio a letras surpreendentemente honestas. Um destaque desta canção é a bateria que não peca pelo excesso e produz o suficiente para amarrar o ouvinte. Em “Roses”, Kelsea Ballerini recorda de algumas boas lembranças, enquanto canta sobre como determinado namoro foi “lindo por um momento”. Mesmo com uma produção pop pesada, “Roses” emite um sentimento de euforia ao relembrar de acontecimentos do passado.

Depois de “Machine Heart”, onde ela fornece uma grande vulnerabilidade, temos a honesta “In Between”. A doce guitarra acústica é o instrumento ideal para a mudança de ritmo desta faixa. Uma canção que concentra-se no amadurecimento e crescimento pessoal. “High School”, por sua vez, lamenta a transição da fase adolescente para um jovem adulto. Aqui, Ballerini relembra dos tempos de escola e sua ideologia de vida naquela época. Ela pergunta se tomou a decisão certa ao deixar a escola aos 15 anos para correr atrás dos seus sonhos. Oferecendo uma mistura de country e doo-wop, “I Hate Love Songs” possui letras peculiares e irônicas sobre o quanto ela odeia músicas de amor. “Odeio músicas românticas / Sim, eu realmente odeio / Odeio músicas românticas / Mas eu te amo”, ela afirma. Possui uma boa qualidade de retrocesso e mostra um lado diferente para Kelsea Ballerini. Enquanto “Music” e “Unapologetically” são duas grandes canções country-pop, “Legends” é o fechamento perfeito para o álbum. Uma música inspiradora com teclas de piano, guitarra, tambores, sintetizadores e ritmo encantador. No geral, “Unapologetically” fornece uma montanha-russa de emoções que não deixa de ser empolgante. Uma coleção imensamente agradável que mostra um crescimento como artista. Ela está muito mais confiante e sincera. O seu talento narrativo está florescendo e não demorará muito para ela tornar-se um nome familiar.

Favorite Tracks: “High School”, “Unapologetically” e “Legends”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.