Resenha: Jack Johnson – All the Light Above It Too

Lançamento: 08/09/2017
Gênero: Rock, Folk Rock, Surf Rock
Gravadora: Brushfire Records / Republic Records
Produtor: Robbie Lackritz.

Após o álbum “From Here to Now to You” (2013), as coisas ficaram relativamente silenciosas para Jack Johnson. Desde então, o cantor fez uma pausa na música para concentrar-se inteiramente à sua família e empreendimentos ambientalistas. Porém, este hiato durou até o início deste ano quando ele anunciou o seu retorno aos palcos. Sua contínua turnê norte-americana, juntamente com futuras idas à América do Sul e Austrália, está sendo acompanhada pelo lançamento de um novo álbum, intitulado “All the Light Above It Too”. Produzido por Robbie Lackritz, o seu sétimo álbum de estúdio apresenta uma mistura única de letras sociopolíticas mergulhadas sobre suaves guitarras e agradáveis brisas do mar. “All the Light Above It Too” fornece um claro retorno às raízes de Jack Johnson. Um material despojado sobre fortes fundamentos acústicos, com uma instrumentação manipulada, em sua maior parte, pelo próprio cantor. Além das guitarras, ele incluiu alguns tons de piano e bateria na tentativa de criar uma sensação de nostalgia e relembrar de suas primeiras gravações. No geral, “All the Light Above It Too” adere a uma instrumentação simplista, ritmos suaves e vocais acompanhados, principalmente, pela guitarra acústica. De vez em quando, Johnson ainda acrescenta alguma variação, como o bandolim na música “Sunsets for Somebody Else”.

Esta faixa contém um comentário social delicado, sob a forma de uma canção de ninar para aqueles que ficam acordados à noite incomodados pelo mundo que os rodeia. A faixa de abertura, “Subplots”, é um claro indicador de que Jack Johnson está no seu melhor quando toma uma abordagem simplificada. Um pequeno e sinuoso conto das muitas facetas que existem dentro de nós mesmos. Sobre uma suave batida e algumas linhas de baixo, “You Can’t Control It” mostra o apoio de Johnson ao movimento de sustentabilidade. “Entenda uma coisa / Se e quando você beber desse vasto oceano / Você não pode controlar”, ele canta suavemente. O primeiro single, “My Mind is for Sale”, e “Gather” expressam alguns comentários sociopolíticos sobre a recente ascensão de Donald Trump ao poder. Em particular, ele comenta sobre as proibições de imigração de Trump, o muro entre os EUA e o México, e como todos deveriam se unir para se opor a essas políticas infames. Na superfície, “My Mind is for Sale” parece uma música leve, divertida e papoula. Mas é, claramente, dirigida a Trump. Sonoramente, não soa como uma canção de protesto, mas através de suas metáforas, Jack Johnson discute sutilmente suas convicções políticas. “Gather”, por sua vez, fornece uma paisagem sonora formada por guitarras, percussão e teclados.

Ela apresenta um experimentalismo funky que prepara o cenário para a última faixa, “Fragments”. Uma peça inteligente que destaca um importante problema ambiental, a poluição dos nossos oceanos. A capa do álbum, a propósito, mostra Johnson deitado entre um lixo plástico coletado de uma praia no Havaí. Através de “Fragments”, ele tenta colocar essa realidade assustadora sobre a nossa atenção. Em “Love Song #16” ele usa uma técnica brincalhona de guitarra staccato, que também é refletida nas linhas vocais. Isto acaba encaixando-se muito bem com a natureza agradável da canção. Da mesma forma, ele flui soberbamente sobre as guitarras imperfeitas que definem o tom da pensativa “Is One Moon Enough?”. Neste álbum, Jack Johnson apresentou um conteúdo lírico muito perspicaz. Com um claro amor pela natureza e grande olhar para os problemas do mundo, ele tentou impor o seu conhecimento nas composições. Em suma, “All the Light Above It Too” é um álbum bastante seguro, suave e divertido. Em vários aspectos, é um registro previsível e familiar. Certamente, Johnson poderia ter empurrado os seus limites criativos. Entretanto, isto não tira o fato dele ser um ótimo cantor e compositor. Em última análise, “All the Light Above It Too” é um retorno atraente às suas raízes, algo que deve ter deixado os fãs mais do que satisfeitos.

Favorite Tracks: “Sunsets for Somebody Else”, “My Mind Is for Sale” e “Gather”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.