Resenha: George Ezra – Wanted On Voyage

Lançamento: 30/06/2014
Gênero: Folk, Blues, Rock
Gravadora: Columbia Records
Produtores: Cam Blackwood e Joel Pott.

O jovem cantor britânico George Ezra ganhou reconhecimento após o lançamento do single “Budapest”, canção que alcançou o top 10 em vários países ao redor do mundo. Ezra cresceu em Hertford e começou sua carreira aos 17 anos quando mudou-se para Bristol e começou a estudar música. Em 30 de junho de 2014 ele lançou o álbum “Wanted on Voyage”, o seu primeiro trabalho de estúdio. O disco atingiu o número #1 no Reino Unido e acabou tornando-se o terceiro disco mais vendido de 2014 no país. Foi produzido por Cam Blackwood em Voltaire Road Studios, Londres, e mixado por Cenzo Townsend. Se você ainda não ouviu falar de George Ezra, deveria dar-lhe uma chance e escutar suas músicas, porque o cara é realmente talentoso e possui uma voz poderosa. “Wanted on Voyage” inclui 12 faixas com qualidades distintas e uma sonoridade particularmente atraente. Seu som é peculiar, singular, instigante e com boas influências de música folk e blues.

A maioria das canções do álbum são inspiradas por suas viagens solitárias durante o verão de 2013, onde a guitarra foi a sua única companheira. Ele consegue encantar com o seu vocal charmoso e parece fazer tudo com bastante sinceridade e autenticidade. Ele realmente tem uma grande voz, que não soaria fora do lugar se pertencesse a um artista de soul dos anos 1960. Musicalmente, o “Wanted on Voyage” é embalado com folk, blues dos velhos tempos, indie-pop e rock moderno, e, embora não seja inovador, tudo aqui é muito bem executado. Ezra toca teclado, guitarra, baixo e faz simples canções soarem extremamente eficazes. Ele também tem uma boa capacidade para escrever grandes melodias, assim como é de se admirar o modo como sua dicção se funde à elas. “Blame It on Me” abre o álbum energeticamente com Ezra exibindo o seu robusto barítono e sua juventude através de uma letra bem despreocupada. O dedilhado rítmico e o refrão, com instrumentos de apoio alegres, ditam esse começo de álbum alucinante.

A segunda faixa é a magnífica “Budapest”, canção que possui como principal atração o seu sensual timbre rouco. É a canção mais cativante do registro, uma verdadeira música de amor escrita após Ezra perder um trem para a cidade de Budapeste, durante o seu passeio pela Europa. Aqui, temos palmas constantes, teclado e um eficaz riff de guitarra que evoca um som sutil e encantador. “Cassy O'” segue com uma ranhura folk grudenta, que você não irá resistir e baterá seu pé junto do ritmo. “Cassy O’ / Cassy O’ / Por favor não vá”, ele canta no viciante refrão. À primeira vista, a letra parece ser sobre uma garota, mas é, na verdade, sobre a passagem inevitável do tempo. A boa letra, os acordes poderosos e o canto reflexivo, fazem de “Cassy O'” um dos destaques do álbum. A quarta faixa, “Barcelona”, é mais madura, sincera e onde ele fala sobre um relacionamento. “Toda vez que você tem que ir / Fecho meus olhos e você sabe / Eu vou estar deitado do seu lado / Em Barcelona”, ele canta.

George Ezra

É também inspirada por uma viagem que ele fez e uma óbiva homenagem a cidade espanhola. Mesmo parecendo um tema clichê, Ezra fez com que a música funcionasse perfeitamente bem. Musicalmente, é um número mais tranquilo, com pandeiros suaves e uma guitarra harmoniosa. “Listen to the Man” possui um ótimo balanço rítmico e é um pouco parecida com a faixa de abertura. Igualmente a “Blame It on Me”, ele mostra, sem soar agressivo, um grande, admirável e equilibrado controle vocal. “Você não precisa ter medo, querida / Você não precisa de um plano do que você quer fazer”, ele canta aqui. Viver a vida ao máximo é o seu lema. Outra faixa espetacular é “Leaving It Up to You”, canção poderosa que, embora seja simples, apresenta inesperados falsetes. Possui um tom mais profundo e mostra a sinceridade e vulnerabilidade do cantor ao pedir uma segunda chance a uma garota. “Did You Hear the Rain?” abre de forma enigmática, com Ezra fazendo uma introdução acapela cheia de precisão.

O resto da música é tão surpreendente quanto, pois possui uma guitarra distorcida e uma natureza misteriosa. Aqui, novamente durante o refrão, Ezra mostra o quão bom e convincente é o seu falsete. “Drawing Board” é outra boa canção otimista, onde o cantor fantasia sobre o seu plano para terminar um relacionamento. Com um balanço envolvente e um sintetizador incomum ao fundo, temos a dançante “Stand by Your Gun”. É uma música mais diversificadas do repertório, com sons e batidas viciantes e um belo refrão para cantar junto. “Breakaway” é uma pista mais lenta onde ele brilha através de uma bela e simples melodia. Baseia-se em uma guitarra inicial, seguida de suaves sons eletrônicos e um poderoso coro gospel que complementa sua voz. “Over the Creek”, penúltima faixa, começa com um bonito baixo e possui sons fortes e decididos, graças ao seu cuidadoso ritmo e boa escolha de instrumentação de apoio. Fechando o álbum temos uma pista profunda e sinistra chamada “Spectacular Rival”. É uma canção eficiente que conclui o álbum de forma muito adequada.

Ezra aparece cantando em seu barítono mais solene ao longo desse hino melancólico, que aponta para uma direção diferente e emocionante. Barítonos são realmente difíceis de se encontrar nos dias de hoje. Tudo somado, “Wanted On Voyage” é impressionante o suficiente em seus próprios termos. Mesmo com suas pequenas falhas, é certamente um álbum extremamente distinto e promissor. É um registro que assumiu um risco através da fusão de uma ampla gama de sons e mensagens que podem aparecer espalhadas. Mas, felizmente, um artista tão impressionante como George Ezra conseguiu executá-las com sofisticação e estilo. Ele destaca-se pela capacidade de incluir vários gêneros musicais sem fazer o repertório parecer desarticulado. Um artista que ainda tem muito espaço para crescer, enquanto essa encantadora estreia é uma indicação sólida que Ezra é muito mais do que apenas um jovem com uma grande voz. Se este é o tipo de música que ele oferece aos 21 anos de idade, fico imaginando o que futuramente será capaz de fazer.

75

Favorites Tracks: “Blame It on Me”, “Budapest”, “Cassy O'”, “Barcelona” e “Leaving It Up to You”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.