Resenha: French Montana – Jungle Rules

Lançamento: 14/07/2017
Gênero: Hip-Hop, Trap
Gravadora: Coke Boys Records / Bad Boy Records / Epic Records
Produtores: Sean “Puff Daddy” Combs, French Montana, Rick Steel, Alex Lustig, Alkaline, A1, Beat Billionaire, Ben Billions, C.P Dubb, Cubeatz, DaHeala, DannyBoyStyles, Detail, DtownThaGreat, Frank Dukes, Harry Fraud, ISM, J-Holt, Jaegen, London on da Track, Masar, Murda Beatz, NGHTxNGHT, Nic Nac, Nova, Scott Storch, Shaun Lopez, Ziggyonthekeyboard, 1Mind e 2Epik.

“Jungle Rules”, o segundo álbum do rapper French Montana, é um seguimento muito melhor que “Excuse My French” (2013). Liderado pelo hit “Unforgettable”, com Swae Lee, o álbum possui dezoito faixas e participações de The Weeknd, Travi$ Scott, Pharrell Williams, Quavo, Future, T.I. e Young Thug. Este novo álbum mostra French Montana criando boas melodias e fazendo um grande uso do auto-tune. Destacado pela produção de Ben Billions, Harry Fraud, London on da Track, Murda Beatz e Nic Nac, “Jungle Rules” foi lançado através do seu próprio rótulo, a Coke Boy Records. O ano de 2016 foi muito movimento para o rapper marroquino-americano, com aparições na TV e filmes. Porém, como podemos notar, 2017 é o ano que ele escolher para concentrar-se somente na música. Depois de lançar o péssimo “Excuse My French”, é surpreendente ver que Montana lançou um álbum com alguns hits em potencial. “Jungle Rules” pode parecer um pouco inchado, devido ao seu enorme comprimento (ele possui dezoito faixas e 1 hora de duração). Entretanto, French Montana fez um bom trabalho na maioria das faixas. Ele conseguiu manter, em determinados momentos, um senso de qualidade em meio a bangers com ótimas batidas e boas melodias.

Apesar de possuírem um ritmo parecido e serem intensamente processadas, a maioria das canções têm elementos interessantes. A primeira faixa, “Whiskey Eyes”, é um número rígido com um rápido fluxo lírico. Apoiado por um sutil instrumental, French Montana mostra o seu estilo musical e habilidades como rapper. A próxima faixa é “Unforgettable”, canção que está sendo imensamente tocada nas rádios americanas e europeias. Com vocais de Swae Lee do duo Rae Sremmurd, é uma canção de hip-hop e dancehall com um excelente tambor de aço. Swae Lee contribui com um gancho incrivelmente harmonioso e ancora toda a música. “E você é inesquecível / Eu preciso ficar sozinho com você / Oooh, por que não?”, ele canta no refrão. Desde o sucesso de “Black Beatles”, Swae Lee está chamando cada vez mais atenção. Consequentemente, French Montana o recrutou e tirou vantagem do seu canto melódico. Outra canção interessante é “Bring Dem Things”, sua colaboração com Pharrell Williams. Aqui, o seu colaborador de longa data, o produtor Harry Fraud, injetou uma paisagem sonora festiva e várias amostras, a fim de construir uma pesada composição. Inesperadamente, Pharrell não ficou encarregado do refrão, em vez disso, ele entregou um dos melhores versos da música. Aproveitando-se de um ritmo old-school, Montana também beneficiou-se da produção de Fraud, especialmente da ótima percussão.

“Bag”, com Ziico Niico, é uma faixa enganosamente cativante, pois é apenas um exemplo de French Montana em seu ofício. Da mesma forma, “Too Much” vê o rapper voando sozinho e adquirindo resultados muito efetivos. Sobre um pano de fundo barulhento, Montana fornece uma de suas melhores performances líricas. O requisitado Travi$ Scott aparece ao seu lado na quinta faixa do álbum, intitulada “Jump”. Produzida por Nova, ela possui uma estrondosa bateria e uma paisagem sonora que coloca Scott no centro do palco. Do mesmo modo, French Montana junta-se à Future na batida trap e refrão cativante de “No Pressure”. Outra faixa muito agradável é o single “A Lie”, sua colaboração com The Weeknd e Max B. Aqui, Abel Tesfaye segue com a tendência de começar a música de um rapper, uma vez que lida com o adorável refrão. Enquanto isso, French Montana tenta eventualmente harmonizar com Max B e suas inflexões vocais. Com um punhado de grandes artistas apresentados no álbum, “Jungle Rules” ainda é arredondado pelos sons de Quavo em “Migo Montana”, T.I. em “Stop It”, Young Thug em “Black Out” e Alkaline em “Formula”. Embora seja altamente processado, “Jungle Rules” é um álbum com mais inspiração do que o seu primeiro disco, “Excuse My French”. É um registro que deixa muito a desejar em termos líricos, porém, possui uma produção atraente e vibrações muito cativantes.

Favorite Tracks: “Unforgettable (feat. Swae Lee)”, “A Lie (feat. The Weeknd & Max B)” e “Bring Dem Things (feat. Pharrell Williams)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.