Resenha: Enrique Iglesias – Sex and Love

Lançamento: 18/03/2014
Gênero: Pop Latino, Eletropop
Gravadora: Republic Records
Produtores: The Cataracs, Mark Taylor, Carios Paucar, Descember Bueno, RedOne, Marty James, Rome, Metrophonic, Romeo Santos, soFLY & Nius e Alex P.

Enrique Iglesias lançou em 2014 o seu décimo álbum de estúdio, intitulado “Sex and Love”. O álbum conta com participações de Jennifer Lopez, Kylie Minogue, Pitbull, Flo Rida, Romeo Santos, Marco Antonio Solís, Yandel, Descember Bueno, Gente de Zona e India Martínez. Enrique Iglesias o descreveu como divertido e obviamente sexual, ele diz que é um disco mais introspectivo, nostálgico, abrangente e fala à respeito de dois sentimentos do qual a música costuma derivar: sexo e amor. O disco estreou em #8 na Billboard 200, vendendo pouco mais de 24 mil cópias em sua primeira semana nos Estados Unidos. Pelos menos quatro, das 11 faixas do álbum, foram lançadas como single antes do seu lançamento oficial em março de 2014. Musicalmente, esse trabalho está entre o dancefloor do “Insomniac” e o sabor romântico do “Euphoria”. Como percebemos, o álbum conta com muitos colaboradores e isso não é visto com bons olhos pela maioria dos críticos internacionais. Há duas hipóteses para isso: ou ele não se sente tão confiante ou está tentando promover outros artistas.

A faixa de abertura é “I’m a Freak”, uma parceria com o onipresente Pitbull. Depois do sucesso deles em “I Like It” (2010), os dois não largaram mais um do outro. “I’m a Freak” já é a quarta colaboração entre ambos em menos de quatro anos. Produzida pelo duo The Cataracs, é uma música dancepop e eletrohouse que não tem nada de romântico ou de cavalheirismo, pois sua letra é insana e bem previsível (“Eu amo o jeito que ela dá uns amassos / Transa como um animal”). É uma faixa bem descartável, com versos fracos, sintetizadores à todo vapor e um rap bem desnecessário de Pitbull. Na segunda faixa, “There Goes My Baby”, Iglesias colabora com o rapper Flo Rida. Essa é uma música pop tingida de reggae, que apresenta melodias bem agradáveis. Embora não seja uma grande canção, é um pouco melhor que a faixa de abertura. “Bailando”, em colaboração com Descember Bueno e Gente de Zona, exala uma verdadeira autenticidade e é, sem dúvida, o ponto alto do registro.

Uma canção up-tempo natural, equilibrada, que mescla guitarras pinceladas de flamenco e ritmos latinos, com um refrão extremamente contagiante. É quase impossível não cantar junto o refrão dessa música: “Yo quiero estar contigo, vivir contigo / Bailar contigo, tener contigo / Una noche loca (una noche loca) / Ay besar tu boca (y besar tu boca)”. O dueto com Kylie Minogue acontece em “Beautiful”, uma balada bem sentimental que traz vocais suaves de ambas às partes. Em vários pontos os dois parecem robôs, mas o ótimo refrão compensa essa falha. “Heart Attack”, por sua vez, tem um som experimental para Enrique Iglesias, pois possui estridentes guitarras, uma letra sincera, elementos de rock e um escaldante dubstep no refrão. É, com certeza, a melhor faixa em inglês do álbum. A outra parceria com Pitbull acontece na faixa “Let Me Be Your Lover“, canção que soa como um retrabalho de “I’m a Freak”. É outra faixa previsível, com um ritmo meio funky e quase na bachata.

Enrique Iglesias

Mais uma vez, eles falam sobre uma diversão despreocupada. Entretanto, aqui os vocais em falsete de Iglesias (“Se você deixar eu ser o seu amante / Eu faria qualquer coisa por você”) e os populares “Na na na na na na na” conseguem deixar a faixa um pouco mais interessante. “You and I” possui um sentimento romântico e paira sobre batidas eurodance e um refrão instantaneamente melodioso e grudento. É uma boa faixa, apesar de soar bastante semelhante a uma série de outras músicas eletropop e ser, genericamente, intitulada. As duas faixas seguintes, “Still Your King” e “Only A Woman”, são muito esquecíveis. A primeira é irritante e de longe a pior do álbum, enquanto a segunda, apesar de emotiva, possui muito auto-tune nos vocais de Iglesias e não se sobressai. “Physical”, em colaboração com Jennifer Lopez, é um tanto quanto animada e empolgante. As batidas, o bom refrão e a letra sensual, conseguem cativar e entreter.

“Turn The Night Up” foi lançada como primeiro single e encerra o álbum em sua versão internacional (a tracklist americana possui outra ordem). É monótoma, têm uma letra fraca e só soa bem aos nossos ouvidos nas partes instrumentais com influências trance. Na versão deluxe do disco, temos duas canções que chamam atenção: “Loco” com Romeo Santos e/ou India Martínez e “El Perdedor” com Marco Antonio Solís. “Loco” é suave, possui ritmos tropicais debaixo de guitarras, batidas programadas e vocais bem sedutores. Enquanto “El Perdedor” é uma balada inconfundível, uma das melhores do álbum. Possui a mesma naturalidade e autenticidade de “Bailando”, porém, desta vez ao lado do competente Marco Antonio Solís. Outras duas gravações mais antigas completam a versão deluxe, o primeiro single descartado de 2011, “I Like How It Feels” (novamente com Pitbull) e a boa “Finally Found You” com o rapper Sammy Adams.

“Sex and Love” tem seus bons momentos, mas também há muita coisa genérica, não têm personalidade distinta ou uma conexão emocional. Para ser sincero, quase tudo, desde as colaborações até a composição e a produção, soam genéricos. Um dos pontos fortes de Iglesias sempre foi sua boa voz e capacidade de encantar (as faixas em espanhol são bons exemplos disso), mas, nesse álbum, o seu vocal quase não teve destaque. Por isso, o classifico apenas como um álbum bom para o objetivo que se propõe. Porque se você está procurando um disco com conteúdo original, certamente, não irá se agradar do “Sex and Love”. No entanto, se quer apenas algo para agitar uma festa ou algo parecido, estará ouvindo o disco certo. Enrique Iglesias nunca foi um artista muito consistente, mas quando ele quer consegue fazer coisas de altíssima qualidade. Esperamos que no próximo álbum ele seja corajoso para ir em direção à uma sonoridade que não seja tão cansativa como esta.

60

Favorite Tracks: “Bailando (feat. Decemer Bueno & Gente de Zona)”, “Beautiful (feat. Kylie Minogue)”, “Heart Attack”, “Let Me Be Your Lover (feat. Pitbull)” e “Loco (feat. Romeo Santos)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.