Resenha: Drake – More Life

Lançamento: 18/03/2017
Gênero: Hip-Hop, R&B, Dancehall
Gravadora: OVO Sound / Young Money / Cash Money / Republic Records
Produtores: Drake, Oliver El-Khatib, 40, Allen Ritter, Akira Woodgrain, Boi-1da, Charlie Handsome, Chef Pasquale, Cubeatz, Deejae, FrancisGotHeat, Frank Dukes, G. Ry, Hagler, iBeatz, Jazzfeezy, Kanye West, M3rge, Murda Beatz, Nabeyin, Nana Rogues, Nineteen85, Noah Goldstein, PartyNextDoor, S1, Steve Samson, Stwo, Supah Mario, T0PFLR, T-Minus, Vinylz e Wallis Lane.

Drake mudou as coisas em seu último lançamento, “More Life”, pois em vez de se referir a ele como um álbum, o rapper o chama de “playlist”. Alguns artistas chamam seus álbuns de mixtapes, mas “playlist” é realmente algo inovador. Por ser uma lista de reprodução voltada para os atuais serviços de streaming, o seu repertório com 22 músicas é justificável. Mesmo os fãs mais árduos do Drake, provavelmente estão fadados depois de ouvir tantos temas repetidos. Entre eles, incluem o de ser o maior rapper vivo, relacionamentos com namoradas, amigos e dinheiro. Infelizmente, os temas não aspiram a mesma inovação da designação “playlist”, mas ainda assim, nas mãos de Drake são músicas que tornam-se criativas e extremamente atraentes. No interior do álbum, temos uma enorme lista de produtores, escritores e colaboradores, entre eles Kanye West, 2 Chainz, Travi$ Scott, Young Thug e PARTYNEXTDOOR. “More Life” é um projeto dinâmico e muito eclético. Drake tornou-se um artista que trabalha como cantor e rapper, que sempre oferece melodias contagiosas e fluxos cativantes. Sua grande versatilidade como vocalista permite que ele execute com eficiência vários estilos musicais.

Seja no rap, R&B ou dancehall, ele consegue dar o seu melhor no “More Life”. A irresistibilidade do conteúdo de Drake deve-se em grande parte à qualidade de suas composições. O produtor executivo e colaborador de longa data, Noah “40” Shebib, entrega um som característico da OVO Sound. Enquanto Boi-1da, T-Minus e Nineteen85 são outros grandes e usuais produtores que estão na operação do “More Life”. Então, seja você ou não um fanático por Drake, esse projeto certamente vale a pena a sua atenção. A playlist abre com “Free Smoke” e “No Long Talk”, com Giggs, que soam diretamente dos discos “What a Time to Be Alive” e “If You’re Reading This It’s Too Late”. No “More Life” temos várias diss-tracks, como a própria “Free Smoke” direcionada a Kid Cudi. Além de Cudi, o rapper canadense também ataca brutalmente Tory Lanez em “Do Not Disturb” e Meek Mill em “Can’t Have Everything”. Outras canções como “Get It Together”, “Madiba Riddim” e “Blem” são mais mundanas e englobam influências jamaicanas, como o dancehall.

“Passionfruit”, por sua vez, já é uma das melhores músicas do catálogo do rapper. Uma faixa construída sobre um pano de fundo que combina dancehall com R&B, pop e vibrações tropicais. Uma das faixas mais fortes e doces encontradas no “More Life”. Sua instrumentação é composta por tambores suaves e alguns tons de trap, conforme Drake lida com as mágoas de um relacionamento a longa distância. O conteúdo lírico é simples, porém, bem profundo. Ele define com maturidade os eventuais problemas encontrados em um namoro a distância. Letras como, “Apaixonado por milhas de distância / Passivo com as coisas que você diz / Passando em minhas velhas maneiras”, são inteligente e admiráveis. Dessa vez, os tambores são macios, melódicos e emparelhados com um tom sensual. “Passionfruit” é semelhante a “Hotline Bling” e “One Dance”, porém, com uma maior carga de vulnerabilidade. A sensação tropical, batida descontraída e brisa refrescante dessa música são realmente adoráveis. Esses pontos definem com propriedade o grande interesse de Drake pelo dancehall. Ademais, o canadense sabe cantar e possui uma grande pureza em sua voz.

“More Life” também possui um rap clássico, cheio de rimas e uma combinação de fluxos, como “Gyalchester”, “KMT” e “Lose You”. Uma das vantagens de Drake é de sempre obter bons recursos para seus projetos. Quavo e Travi$ Scott, por exemplo, fazem aparições em “Portland”, canção produzida por Murda Beatz e Cubeatz. Uma música que fala sobre o caminho ao estrelato e a originalidade que os três possuem. Em “4422” a voz frágil do cantor britânico Sampha é uma verdadeira fonte de emoção. Ele lamenta a longa distância entre ele e uma garota de sua cidade natal. Sampha faz isso com ajuda de um piano ofensivo e amplas batidas eletrônicas. Uma grande parte do sucesso de Drake pode ser creditada à sua acessibilidade, versatilidade e grande crescimento musical. Além da flexibilidade e número de colaboradores desse projeto, o que faz ele ser tão bom é a forma como flui. As 22 faixas presentes aqui poderiam passar despercebidas se estivessem nas mãos de outro artista. Mas a popularidade, criatividade e vontade de Drake empurram elas para outros limites. “More Life” é outro projeto incrível e de grande qualidade do rapper mais popular da atualidade.

Favorite Tracks: “Passionfruit”, “Glow (feat. Kanye West)” e “Fake Love”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.