Resenha: Drake – If You’re Reading This It’s Too Late

Lançamento: 13/02/2015
Gênero: Hip-Hop, Rap
Gravadora: Cash Money / Republic Records / OVO Sound
Produtores: Aubrey Graham, Noah “40” Shebib, Boi-1da, PartyNextDoor, OB O’Brien, Sevn Thomas, Vinylz, Seza, Syk Sense, Frank Dukes, NYLZ, Most High, Amir Obe, Wondagurl, Daxz, Eric Dingus, Jimmy Prime, Travis Scott, TM88 e Illmind.

No início de 2015, precisamente em 13 de fevereiro, o rapper Drake lançou, sem qualquer aviso prévio, uma mixtape intitulada “If You’re Reaing This It’s Too Late”. Inicialmente, ele iria lançá-la de forma gratuita, porém, a gravadora Cash Money Records interferiu e a divulgou comercialmente através de estabelecimentos de download digital, como a iTunes Store e Amazon Music. Desta forma, embora seja uma mixtape, foi contratualmente considerada como o quarto álbum de estúdio do rapper pela Cash Money Records. “If You’re Reading This It’s Too Late” estreou no número #1 da Billboard 200, com vendas de 495 mil cópias nos Estados Unidos em apenas três dias. Na época, o álbum também quebrou o recorde (que antes pertencia ao próprio Drake) de registro mais executado em sua semana de estreia no Spotify, com um total de 17,3 milhões streams. O lançamento do “If You’re Reaing This It’s Too Late” causou uma certa polêmica por estar envolvido na controvérsia causada pelas opiniões contrárias dos rappers Lil’ Wayne (fundador da Young Money) e Birdman (fundador da Cash Money). Segundo Lil’ Wayne, ele estava sentindo-se um “prisoneiro” da gravadora Cash Money, porque Birdman está se recusando a liberar o “Tha Carter V”, apesar do álbum já estar pronto. Drake, que é muito próximo de Lil’ Wayne, também faz parte dos dois rótulos e quis liberar a mixtape “If You’re Reaing This It’s Too Late” como forma de cumprir suas obrigações contratuais e se livrar da Cash Money e, consequentemente, de Birdman. Drake está, supostamente, livre agora e esse projeto serviu como uma celebração de sua libertação.

Muito parecido com o “Nothing Was the Same” (2013), “If You’re Reading This It’s Too Late” mostra o Drake afastando-se ainda mais do sentimentalismo presente no início de sua carreira, para focar-se em uma direção lírica densa, lenta e apoiada por batidas mais pesadas. A maior mudança em suas instrumentais, desta vez, transmite uma lassidão rítmica, com batidas adicionando sensações de inquietação e elementos mais melódicos. Portanto, independentemente do seu status de uma mixtape, “If You’re Reading This It’s Too Late” foi um seguimento adequado para o “Nothing Was the Same”. Liricamente, esse projeto é muito mais paranoico e menos modesto, além de gastar boa parte do seu tempo criticando mídias sociais e incluindo faixas com títulos que incorporam o “6” como número simbólico. A mixtape abre da maneira mais entusiasmada possível com a ótima faixa intitulada “Legend”. Produzida por PARTYNEXTDOOR, nessa canção Drake exibe o sucesso que conquistou: “Sou o mais novo no rap, cara / Oh meu Deus, oh meu Deus / Se eu morrer, eu sou uma lenda”. Ele sabe que chegou em um atual status que poucos artistas conseguem chegar. Mesmo soando um pouco arrogante, é difícil negar que Drake está em um caminho certeiro para futuramente se tornar uma lenda. Apesar de não ter muito substância, “Legend” estabelece as bases para o restante do repertório, abrangendo uniformemente uma linha entre o auto-elogio e a angústia. Aqui, os vocais do rapper estão lentos e deliberados, enquanto a batida noventista e instável utiliza uma amostra de “So Anxious” de Ginuwine. Na segunda faixa, “Energy”, uma das melhores de todo o registro, Drake inteligentemente canta sobre todas as questões que está lidando com a sua fama. 

Desde mulheres, até artistas rivais e questões familiares, Drake fala abertamente sobre como essas questões estão drenando sua energia. Aqui, o rapper flui sem esforço sobre um longo riff escuro de piano e alguns tambores ambientados pelo produtor Boi-1da. Em “10 Bands”, Drake mostra ao mundo do hip-hop o quão talentoso ele é como um rapper. Liricamente, ele fala sobre dinheiro e toda a riqueza que adquiriu juntamente com a fama. A batida também forneceida por Boi-1da, em consequência, é carregada de arrogância e rimas sem remorsos de Drake. “Know Yourself”, quarta faixa, é enigmática, sonoramente atraente e um retrocesso para sua insegurança pré-fama. Aqui, ele mostra o quanto foi influenciado por outros artistas e, mais uma vez, prova o quanto é talentoso e evoluiu ao longo dos últimos anos. Mesmo não oferecendo nada substancial nesta pista, ele é honesto ao falar sobre o tipo de pessoa que tornou-se. “Eu estou virando um cara que só pensa sobre / o dinheiro e as mulheres / Como 24 7, que é onde minha vida me levou / Isso é apenas como aconteceu para mim, sim e você sabe”, ele cospe no segundo verso. Na faixa seguinte, “No Tellin'”, ele é feroz em seu jogo de palavras e passa por muito cenários diferentes. Por volta dos 3 minutos a música ainda faz um pausa agradável, conforme Drake faz uma transição ao mudar sua entrega vocal. Para intensificar ainda mais o seu clima, posteriormente, um fundo com vocais obscuros são adicionados a mistura. Na faixa intitulada “Madonna” (primeira da mixtape produzida por Noah “40” Shebib), nós obtemos um pouco do sabor de suas inclinações românticas de R&B.

Sobre um agradável piano, nesta pista, Drake continua com seu roteiro escaldante sugerindo que uma garota por ser tão grande quanto a cantora Madonna (“Eu não sei se você sabe, mas eu sei quem você é / Você pode ser grandiosa como a Madonna”). “6 God”, uma das faixas lançadas anteriormente, apresenta uma fórmula pré-estabelecida pelo rapper. Embora seja repetitiva, a sua batida é muito grudenta e ainda possui uma natureza ritmicamente impulsionada que mantém as coisas estimulantes e interessantes. Além disso eu, particularmente, acho que “6 God” pode ser considerada a versão de Drake para faixas como “Rap God” (Eminem) e “I Am a God” (Kanye West). A oitava faixa, “Star67”, é outro grande acerto e eleva ainda mais o bom nível da mixtape. Essa canção baseia-se em um ambiente sombrio extremamente interessante, enquanto Drake supera a si mesmo em seu fluxo. A primeira parte da música termina com uma mensagem de telefone que diz: “Nós lamentamos de ter atingido um número que tenha sido desligado ou não está mais em serviço é”Em seguida, isto cria um colapso para a faixa que oferece um som distintamente diferente para o segundo verso, do qual é interrompido por uma esquete e um gancho antes de prosseguir com o terceiro e último verso. “Preach”, com PARTYNEXTDOOR, apresenta um gancho previsível, porém, muito apropriado para todos os meios (“Young nigga preach”). Nesta irresistível canção ambos descrevem com precisão o que se passa na vida noturna de Miami. Drake não precisou fazer todo o trabalho pesado em “Preach”, afinal, PARTYNEXTDOOR rouba a cena ao cantar o gancho principal e mudar as percussões industriais para algo mais escasso.

Logo, Drake aparece escassamente durante a canção, deixando a batida falar por si só junto com a harmonização fornecida por PARTYNEXTDOOR. Em seu final, precisamente nos últimos 30 segundos, a música ainda fica mais interessante ao tornar-se um congestionamento de house. PARTYNEXTDOOR permanece em cena e colabora novamente com seus vocais na faixa “Wednesday Night Interlude”. É uma canção mais ambiente, enigmática e semelhante às faixas mais lentas que Drake já lançou no passado. Ela também adiciona uma vibe futurista para o meio da mixtape, graças a sua produção inquietante e sombria. É uma boa faixa, só parece um pouco fora de lugar neste projeto. Em “Used to” Drake se junta a Lil’ Wayne para rimar sobre um instrumental repetitivo em loop. É uma faixa que acelera o ritmo da mixtape, entretanto, parece ser fraca para o catálogo de ambos artistas, além de estar mal posicionada na tracklist“6 Man”, por sua vez, continua com a mesma bravata oferecida na faixa “6 God”, porém, sem ser tão cativante quanto. Isto acontece, provavelmente, por ser algo previsível neste momento do repertório. Não é uma canção ruim, apenas não possui o mesmo brilho da citada e onde Drake não tirou todo proveito da produção. Mais tarde, em “Now & Forever”, Drake expande-se em um estado emocional obscuro e utiliza seus sussurros mais frágeis. “Tenho medo de que eu vá morrer antes de eu chegar onde estou indo / Eu sei eu vou ficar sozinho”, ele canta. Esse verso é mais sinistro que qualquer coisa que você poderia esperar do rapper. O tom exuberante desta música encaixa-se perfeitamente ao momento de sua carreira e ainda nos remete ao Drake que conhecemos ao longo dos últimos anos.

Como sempre, ele está melódico e com rimas rítmicas que antecipam perfeitamente as batidas. Em “Company”, ao lado de Travi$ Scott, Drake admite suas falhas como um pretendente, proclamando: “Ela é apenas um pouco perfeita demais / Ela é apenas tem um pouco demais de valor / Eu não a mereço, não mesmo”. Na segunda metade da música Drake sequer aparece, mas Travi$ Scott, um dos jovens produtores mais bem falados do momento, oferece boas e honestas contribuições. Enquanto isso, em “You & the 6” Drizzy vai para algo mais substancial e apresenta uma verdadeira ode à sua mãe. É uma das canções mais afetivas da carreira do rapper, uma verdadeira mensagem para sua mãe, onde ele narra algumas conversas que teve com ela. Ao ouvir essa canção você pode sentir todas as emoções de Drake, enquanto ele detalha as conversas que tem com sua mãe sobre seu pai, sua vida na indústria e seus relacionamentos. O que acaba ficando claro é que a mãe dele ainda desempenha um papel fundamental em atual vida. Aqui, curiosamente, ele termina os versos com a mesma linha: “Você e os seis me levantaram direito, essa merda salvou minha vida”. Drake sempre enche seus registros com detalhes específicos e referências à sua vida que só pessoas próximas a ele podem analisar e, nesta música, ele pinta um retrato de momentos realmente vividos por ele. A penúltima faixa, “Jungle”, é uma surpresa inesperada devido ao clima soulful e por ser uma reminiscência de R&B contemporâneo. A batida mais contundente e lenta estabelece um sulco para Drake revelar seus sentimentos e cantar sobre questões amorosas.

O ritmo, assim como todos os meios, é mais relaxado e preguiçoso, mas ritmicamente o fluxo é exatamente o que poderíamos esperar de Drake. É uma faixa um pouco fora de sintonia com o restante das canções mais agressivas da mixtape, no entanto, sem dúvida, é uma adição interessante para o projeto. E se isso não for suficiente para você, a mixtape fecha com a ótima faixa bônus intitulada “6pm In New York”. É uma canção impetuosa, com uma batida inspirada, apropriadamente, na cidade de Nova Iorque e onde Drizzy está incrivelmente confiante. Enfim, Drake é um rapper no auge de sua popularidade e talento. Quem mais além dele conseguiria colocar uma mixtape no topo da Billboard 200? Enquanto é algo impressionante para álbuns de rap manterem um alto padrão de qualidade em toda sua duração, é mais impressionante ainda quando isto acontece com uma mixtape. Claro, que até Drake não conseguiu evitar algumas quedas durante as 17 faixas, mas, sem dúvida, o “If You’re Reading This It’s Too Late” é um projeto de muita qualidade. Sendo uma liberação contratual ou não, o fato é que essa mixtape definitivamente surgiu como uma obra de transição para o rapper. Tendo construído rapidamente seu caminho ao topo, a principal preocupação aparente dele é manter seu status o maior tempo possível. E, como podemos ver, com este LP ele fez isto de uma forma extremamente interessante. Em suma, “If You’re Reading This It’s Too Late” é outro agradável e sólido projeto de Drake. É o seu melhor? Não, mas é definitivamente consistente e tem muito a oferecer. Tudo somado, esta mixtape é outro material incrível na ótima discografia de Aubrey Graham.

76

Favorite Tracks: “Legend”, “Energy”, “Know Yourself”, “Star67”, “Now & Forever”, “6pm In New York”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.