Resenha: Christina Perri – Head or Heart

Lançamento: 01/04/2014
Gênero: Pop, Pop Rock
Gravadora: Atlantic Records
Produtores: Martin Johnson, Jake Gosling, John Hill, Butch Walker e Jack Antonoff.

Christina Perri é uma cantora da Filadélfia que ganhou destaque ao apresentar a sua canção “Jar of Hearts” no programa de televisão So You Think You Can Dance em 2010. Seu álbum de estreia, “Lovestrong”, foi lançado em maio de 2011 e ela também escreveu e gravou a canção “A Thousand Years” para o filme Amanhecer (Parte 1), da saga Crepúsculo. Christina Perri conquistou o público principalmente por conta dessas canções lentas e muito bem escritas sobre diversos tipos de paixões. E agora, em 2014, ela lançou o segundo álbum de estúdio, “Head or Heart”, tendo como primeiro single a faixa “Human”, lançada no final de novembro de 2013. “Head or Heart” estreou em #4 nos Estados Unidos vendendo aproximadamente 40 mil cópias na primeira semana. A primeira canção do repertório chama-se “Trust”, uma balada calma e precisa com um violão ao fundo. Todos os instrumentos dessa faixa são lentos e sutis, com um toque emotivo e influências de new age.

A voz de Perri aparenta estar mais experiente e em um tom muito mais confiante. Foi uma boa escolha para iniciar o disco, porque já nos apresenta uma boa amostra do “Head or Heart”. Em seguida, “Burning Gold” continua alimentando o álbum com bastante emoção, uma das marcas registradas das canções de Perri. É uma das minhas músicas favoritas desse novo trabalho dela, que fala sobre tomar o controle de sua vida e do seu destino. Não é um conceito extraordinário, toda aquela coisa de auto-capacitação, mas em compensação, nos fornece uma grande inspiração, sendo embalada por um piano e uma boa percussão, o que já deixa o disco bem interessante. A terceira faixa é “Be My Forever”, uma canção muito divertida que apresenta vocais de Ed Sheeran. Uma música carismática que obteve um resultado brilhante entre a parceria dos dois, ficando boa em diversos aspectos.

Christina Perri 2

“Human”, o primeiro single, é uma canção melancólica e também a mais forte do álbum. Fala das imperfeições humanas de uma forma dramática e emocionante, onde a cantora mostra incríveis vocais sob um conjunto de lentos instrumentos. Ela continua impressionando com sua bela voz em “One Night”, uma canção poderosa que possui uma melodia crescente e versos mais rápidos que a faixa anterior, porém, tão emotivos quanto. Deixando o álbum mais animado temos “I Don’t Wanna Break”, uma daquelas canções que soam muito familiares para o ouvinte, possuindo uma melodia cativante que inicia calma e depois atinge o ápice. A sétima faixa do disco é “Sea of Lovers”, que sem dúvidas também é um grande destaque. Traz um arranjo que lembra a banda Coldplay e a que mais aproxima-se dos trabalhos anteriores da cantora. Seu refrão é grandioso, enquanto a melodia é nostálgica e encaixa-se perfeitamente aos vocais de Perri. “The Words”, faixa oito, é totalmente da natureza da cantora, sendo apresentada por um ótimo piano que introduz um tom mais obscuro ao disco.

“Lonely Child”, por sua vez, possui uma das letras mais emocionantes, uma melodia bem ritmizada e um bom refrão. No entanto, a faixa seguinte, “Run”, é particularmente a mais fraca do repertório e não acrescenta nada de novo ao registro. Dito isto, percebemos que a segunda parte do álbum é bem aquém em termos de qualidade se comparado com a primeira. “Butterfly”, por exemplo, só reafirma isto, pois sua letra falha na tentativa de ser um hino sincero e romântico. “Shot Me in the Heart” tem um instrumental muito forte, porém os vocais da cantora soam desgastados. É, possivelmente, uma das canções mais pop de Perri, com uma base eletro que consegue dar uma agitada antes do ato de encerramento do álbum. E é com a canção “I Believe” que o disco encerra, com uma sonoridade lenta e reflexiva que demonstra o que esperar de todo o álbum. Como ela afirma, no final da música: “This is not the end of me, this is the beginning“. É definitivamente um número de encerramento completamente honesto, mas que não chega a ser tão memorável.

Os fãs da cantora e de rock contemporâneo provavelmente irão gostar de desfrutar o álbum, mesmo com suas ocasionais falhas em alguns momentos. Sim, o “Head or Heart” é mais confiante e sólido do que o primeiro trabalho de Perri, a cantora conseguiu fazer grandes baladas que fazem o ouvinte se envolver. É um disco autêntico, que nos faz refletir sobre a razão e a emoção. Também é interessante pelo fato de que a sua sonoridade, mesmo apresentando um lado sombrio, frágil e melodramático, possui letras que nos dão uma força extra. Parece ter sido feito para todos os públicos, pois é simplesmente uma discussão sentimental sobre os seres humanos. Com novos escritores, produtores e colaboradores que participaram do processo de produção, podemos dizer que todo o esforço para a construção do “Head or Heart” teve um saldo positivo e que valeu a pena.

61

Favorite Tracks: “Burning Gold”, “Be My Forever (feat. Ed Sheeran)”, “Human”, “I Don’t Wanna Break” e “Sea of Lovers”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.