Resenha: Chris Stapleton – From A Room: Volume 1

Lançamento: 05/05/2017
Gênero: Country, Blues, Southern Rock
Gravadora: Mercury Nashville
Produtores: Dave Cobb e Chris Stapleton.

Chris Stapleton chegou ao sucesso mainstream com o seu álbum de estreia, “Traveller”. Lançado em 2015, o disco foi a primeira incursão de Stapleton no centro das atenções, depois de escrever músicas para outros artistas há mais de uma década. “Traveller” obteve muita aclamação da crítica e ganhou certificado de platina dupla nos Estados Unidos. Graças ao forte contraste com a maioria do country moderno, Stapleton conseguiu agradar os mais tradicionalistas e também atrair os fãs de country contemporâneo. Em vez de lançar apenas um álbum, ele anunciou que vai entregar dois discos ao longo de 2017. O primeiro deles, “From a Room: Volume 1”, é um registro com 9 faixas construídas sobre as bases estabelecidas pelo “Traveller”. Ele realmente possui a mesma veia das músicas do seu disco de estreia. Se houver diferença, pode ser que “From a Room: Volume 1” seja ainda mais emocional e esparso, e menos produzido que o primeiro. Mas é a voz de Chris Stapleton, um instrumento completamente orgânico, que ocupa o lugar central no álbum. Com “Traveller”, ele provou ser um artista profundamente enraizado no country tradicional. E com esse novo LP ele reafirma isso. E, além da voz poderosa, Chris Stapleton exibe suas grandes habilidades na guitarra. Em 2015, por sinal, ele ganhou o “Álbum do Ano”, “Vocalista Masculino do Ano” e o “Novo Artista do Ano” no 49º Country Music Association Awards, um dos prêmios mais importante da música country.

Consequentemente, é quase certo que ele experimentará ainda mais sucesso com os seus novos álbuns. Aqui, ele combina uma série de faixas originais com uma linda versão de “Last Thing I Needed, First Thing This Morning”, canção famosa na voz do grande Willie Nelson. Os profundos riffs de guitarra se casam perfeitamente com os tons roucos de Stapleton, e produzem um som autêntico e cru. Ocasionalmente pontuado por belas harmonias, o álbum é enraizado nos gêneros country, bluegrass, rock e blues, misturados em uma combinação única. O rock e blues é particularmente evidente em faixas como “Second One To Know”, com sua guitarra ligeiramente distorcida e clássica. É uma canção que se enquadra no território rock and roll, graças aos riffs rocantes. O arranjo se sente mais solto e os sons de sua voz guiam toda a melodia da música. Stapleton é um verdadeiro camaleão musical, que pode passear com facilidade por muitos gêneros. Ele tem uma facilidade extraordinária em transmitir emoções brutas e honestas através de sua voz. A primeira faixa, “Broken Halos”, tem uma sensação familiar com os típicos vocais soulful de Stapleton subindo pela melodia, enquanto sua esposa acrescenta uma maravilhosa harmonia. É uma canção que depende em grande parte da boa guitarra acústica do cantor e apenas o suficiente de bateria.

Assim como muitas músicas folk-rock, ela lida com os desafios e lutas da vida. Extremamente sincera e melancólica, “Broken Halos” contém uma mensagem de aceitar que não podemos saber por que tudo acontece. É uma peça emocional que, misturada com os vocais de Stapleton, dá o tom para o resto do registro. “Up to No Good Livin'” parece um aceno para o antigo estilo de Johnny Cash e os dias predominante da música country. Cada parte dessa música exala um sentimento nostálgico, enquanto Stapleton aborda a superação do passado. Em outro lugar do álbum, vibrações blues são emitidas na linda “I Was Wrong”. Essa canção empurra o som de Stapleton para um novo território. É uma música genial, que apresenta um excelente trabalho vocal ao lado de uma ótima guitarra acústica. No meio do repertório, os ouvintes encontrarão algumas outras faixas que também são mais discretas, como por exemplo “Without Your Love”. Mais tarde, o cantor também atinge os tons certos na arrepiante “Death Row”, canção que abraça o country-fora-da-lei e injeta uma pequena sensibilidade gospel. “From a Room: Volume 1” é um registro fantástico. É muito mais focado e apertado do que o “Traveller”. A voz de Chris Stapleton está incrível, suas habilidades vocais são a sua maior força. É difícil encontrar falhas nesse disco. É um projeto relativamente curto, mas Stapleton conseguiu elaborá-lo com o máximo de cuidado.

Favorite Tracks: “Broken Halos”, “Up to No Good Livin'” e “I Was Wrong”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.