Resenha: Charles Kelley – The Driver

Lançamento: 05/02/2016
Gênero: Country
Gravadora: Capitol Nashville
Produtor: Paul Worley.

Charles Kelley é um dos membros fundadores do trio Lady Antebellum ao lado de Hillary Scott e Dave Haywood. Lançado em 05 de fevereiro de 2016, “The Driver” é o seu primeiro álbum solo. Apesar da maioria dos fãs de música country não o reconhecerem pelo nome, seus vocais são imediatamente distinguíveis. Como membro do Lady Antebellum, Charles Kelley já desfrutou de muito sucesso. O trio americano possui canções conhecidas como “Need You Now”, “I Run to You” e “Just a Kiss”, e já ganharam 7 Grammy Awards. “The Driver” é um projeto que é recompensado por seu próprio compromisso. Não há nada de tão marcante ou pegajoso no álbum como os maiores sucessos do Lady Antebellum. Em vez disso, Kelley concentrou-se profundamente em suas letras.

Produzido por Paul Worley, que já trabalhou com o trio, o disco ignora a atual obsessão da música country por batidas up-tempo influenciadas pelo hip-hop e hard rock. Aqui, o cantor compilou nove canções que inclinam-se profundamente para um lado pessoal, algo apropriado para um disco solo. “The Driver” é sua primeira aventura longe do Lady Antebellum, e ele co-escreveu quatro das nove faixas do mesmo. Charles sempre foi carismático e possui uma voz marcante, consequentemente, este álbum lhe permitiu brilhar como artista solo. A faixa de abertura, “Your Love”, é um rock contemporâneo up-tempo com uma nítida percussão. Uma guitarra elétrica e riffs de piano transmitem uma sensação alegre, enquanto formam o arranjo da música. “The Driver”, com Dierks Bentley e Eric Paslay, foi lançada como primeiro single em setembro de 2015.

É uma balada pensativa e emocional, mas com uma sensação ligeiramente exagerada e pesada. Charles Kelley destacou a faixa “Dancing Around It” como uma de suas favoritas do álbum. É uma canção que injeta uma variedade no registro, por conta da sensualidade e natureza blues. Ela começa tranquila, mas, em seguida, se ergue através do violão e uma batida de tambor. É um número mid-tempo que ainda oferece um curto solo de guitarra. “Dancing Around It” é mais pesada na produção, mas o alcance vocal de Kelley ainda é o foco principal. Curiosamente, dois dos maiores destaques do álbum são duetos. O primeiro deles, “Southern Accents”, foi originalmente interpretado por Tom Petty em 1985. Aqui, Charles Kelley canta ao lado de Stevie Nicks do Fleetwood Mac. A versão de ambos é orientada pelo piano e com uma percussão adicionando algum ritmo.

Charles Kelley

O conjunto vocal e produção são bons o suficiente, à medida que eles cantam sobre ser um sulista orgulhoso. O outro dueto é realizado com Miranda Lambert durante a temperamental “I Wish You Were Here” (cover de Jedd Hughes). Essa canção fala sobre um homem que viajava a trabalho, mas que desejava ter sua parceira com ele. Com sua guitarra pedal steel e ótimas harmonias, a canção serviria bem como single. A única crítica é que Miranda Lambert não se destaca tanto quanto deveria. Ela serve apenas como um complemento para a voz de Kelley, ao cantar em sincronia com ele. “Lonely Girl” faz Kelley apresentar uma vibe R&B, com ajuda de Chris Stapleton na escrita. Ela também mostra um lado funky do cantor e uma melodia muito agradável. A abordagem de Kelley é mais grave, algo tecnicamente apropriado para as letras.

A sexta faixa, “The Only One Who Gets Me”, foi escrita para sua esposa e oferece um bom equilíbrio de sentimentalismo e doçura. Sonoramente, é uma balada country e blues, onde a guitarra conduz o arranjo em vez do piano. “Round in Circles” é um country-pop co-escrito por seu irmão mais velho, Josh Kelley. Ela soa muito parecida com os trabalhos do Lady Antebellum, embora a leve produção a diferencie. Na canção “Leaving Nashville” Kelley analisa as lutas pessoais e profissionais que um compositor enfrenta depois de provar algum sucesso. É, evidentemente, concebida como uma homenagem a perseverança deles. É uma música sobre por que nós nunca desistimos dos nossos sonhos: “Um dia você é o rei e no próximo você não é”. O ritmo lento, conduzido por um piano, conta a história de vida de um compositor de Nashville.

No “The Driver” os vocais de Charles Kelley estão previsivelmente notáveis durante as nove faixas. Entretanto, a produção geral decepciona um pouco. Em canções como “Southern Accents”, “I Wish You Were Here” e “Leaving Nashville”, em particular, a produção e vocais estão no ponto. No entanto, há outros números que são fortemente influenciados pela música country moderna e arrastada. Apesar de se separar temporariamente do Lady Antebellum, há algumas canções que soam como parte do elenco e estão apenas faltando as harmonias de Hillary Scott. Kelley disse que a liberação desse álbum permitiu-lhe trazer uma nova perspectiva para o Lady Antebellum. Talvez por isso, é seguro dizer que “The Driver” é uma base sólida para os próximos materiais do trio americano.

61

Favorite Tracks: “Dancing Around It”, “Southern Accents”, “Lonely Girl”, “I Wish You Were Here” e “Leaving Nashville”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.