Resenha: Carly Rae Jepsen – Tug of War

Lançamento: 30/09/2008
Gênero: Pop Rock, Folk
Gravadora: MapleMusic Recordings / Fontana North
Produtor: Ryan Stewart.

“Ei, eu acabei de te conhecer, e isto é loucura”, já se passaram mais de quatro anos desde que ouvimos esse refrão pela primeira vez. “Call Me Maybe”, de Carly Rae Jepsen, é uma canção brilhantemente simples e incrivelmente cativante que ganhou popularidade em 2012. Foi essa canção que fez a carreira de Carly Rae Jepsen decolar. No entanto, o que muitas pessoas não sabem é que Jepsen já havia lançado um álbum antes dessa música. Em contraste com “Kiss” e “E•MO•TION”, seus álbuns mais conhecidos, “Tug of War” é um disco pop e folk muito descontraído. Carly Rae Jepsen nasceu no Canadá em 1985 e passou a estudar teatro musical, antes de participar das audições da quinta temporada do Canadian Idol em 2007.

O reality show, que é conhecido principalmente pelo versão americana, conquistou o mundo anos antes do The X-Factor e The Voice dominarem as competições musicais. Carly Rae Jepsen foi notavelmente bem como concorrente do Canadian Idol, tanto que chegou ao terceiro lugar. Mais tarde, ela começou a escrever canções para seu primeiro álbum. O disco, intitulado “Tug of War”, foi lançado em setembro de 2008 através da gravadora independente MapleMusic. As dez faixas do registro são claramente influenciadas pela música folk e o pop-rock. Enquanto “Kiss” e “E•MO•TION” dependem fortemente de sintetizadores, as guitarras dominam o “Tug of War”. Carly Rae Jepsen não é conhecida por grandes letras, ela definitivamente não tem um grande conteúdo lírico em sua discografia.

Portanto, seu debut álbum, assim como os demais, não contém versos ou temas tão profundos. Ao contrário do seu lançamento mais recente, “E•MO•TION”, o álbum está repleto de uma instrumentação mais acústica e seções rítmicas mais contemporâneas. “Tug of War” soa bem diferente dos discos posteriores, ele possui um som que ela abandonou depois que foi para o mainstream com “Call Me Maybe”. Todas as dez canções foram escritas por ela. E, além do pop e folk, encontramos alguns vibrações de country pelo repertório. A faixa de abertura do álbum, “Bucket”, foi lançada como terceiro single e conseguiu um moderado sucesso no Canadá. É uma música dance-pop otimista com influências de nu-disco e um belo fundo acústico.

As letras são bem despreocupadas, onde Jepsen usa a metáfora de construir um castelo de areia para falar de seus problemas com seu namorado. A faixa-título, “Tug of War”, é uma música pop e pop-rock cheia de um espírito indie. A letra mostra a cantora lutando para confiar em seu potencial parceiro. As próximas faixas “Money and the Ego” e “Tell Me” permanecem na mesma vibe, com alguns atraentes ganchos indie e produção acústica. Junto com “Bucket” e “Tug of War”, “Money and the Ego” ajudou Jepsen a ser nomeada como “Compositora do Ano” no Juno Awards de 2010. “Tell Me”, por sua vez, é uma pequena balada acústica com uma forte influência folk. Ela fala sobre uma ruptura amorosa, enquanto os vocais de Carly brilham com suas pequenas imperfeições.

A faixa seguinte, “Heavy Lifting”, é um número cativante com uma ótima linha de órgão em torno dos versos. Liricamente, ela descreve o primeiro amor de forma ingênua e inocente. Possui pesadas influências de country-pop e uma forte produção acústica. Uma das baixas do álbum é “Sunshine on My Shoulders”, um cover da clássica música de John Denver. É uma canção muito difícil de ser interpretada, por conta da beleza da faixa original. Infelizmente, nada pareceu funcionar em favor de Jepsen. O título da faixa “Worldly Matters” já deixa claro do que ela realmente se trata. Uma canção mid-tempo folk-influenciada, que lembra o ouvinte de desfrutar das pequenas coisas da vida. Diferentes estilos são apresentados em “Sweet Talker”, faixa que mergulha em uma marca experimental de jazz.

Essa canção contém, provavelmente, o seu mais forte desempenho vocal do álbum. “Hotel Shampoos” possui uma melancolia estranhamente alegre, que detalha um relacionamento que está chegando ao fim. A letra é um componente eficaz, pois conta uma história interessante de uma forma bem simples. Por fim, a bela, doce e acústica “Sour Candy” encerra o repertório de forma muito eficiente. “Tug of War” não foi o álbum que lançou a carreira internacional de Carly Rae Jepsen, nem mesmo o registro que a alavancou em seu país de origem. No entanto, foi um disco que permitiu-lhe entregar suas primeiras sessões de composição e campanha publicitária. Embora as músicas não possuam instrumentos, sons e estilos variados, elas formam uma coleção musical relativamente segura.

Favorite Tracks: “Tug of War”, “Worldly Matters” e “Hotel Shampoos”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.

  • Sorry Not Sorry!!!!

    Amei. A resenha e o cd é muito bom. Mostra que Carly evoluiu gradualmente a cada disco.

    • Leo

      Que bom que gostou! 😀