Resenha: Carly Pearce – Every Little Thing

Lançamento: 13/10/2017
Gênero: Country, Country-Pop
Gravadora: Big Machine Records
Produtor: busbee.

O álbum de estréia da cantora americana Carly Pearce é um sopro de ar fresco no cenário country dominado principalmente pelos homens. Ela misturou suas raízes de Kentucky com o country moderno, a fim de criar um registro emocionante e radio-friendly. Intitulado “Every Little Thing”, o projeto altamente antecipado possui treze faixas, sendo que mais da metade delas foram co-escritas por Pearce. Além da própria cantora, o álbum também possui escritas de Ashley Gorley, Luke Laird, Hillary Lindsey, Natalie Hemby, Shane McAnally, Matt Jenkins e Barry Dean. Produzido por busbee, o álbum combina uma forte vibração country com cativantes melodias pop. O tom atrevido do repertório eleva os vocais de Carly Pearce para outro nível, enquanto há uma forte influência pop que atravessa todas as canções. Seu vocal é o verdadeiro trunfo do LP, algo enfatizado pelo uso de riffs de guitarra e banjos. Os riffs que atravessam o álbum o torna inegavelmente country, enquanto as letras mostram o imenso talento de composição de Pearce. É surpreendente que o seu disco de estreia seja tão maduro, algo reminiscente do LP “The Woman in Me” (1995) de Shania Twain. Realmente há uma profundidade em suas letras, além de um poderoso vocal e gama impressionante. Sem dúvida, em sua totalidade o álbum é muito country, não no sentido tradicional, mas em seu estilo contemporâneo.

Pearce canta com bastante convicção, grande controle e de forma incrivelmente emocionante. Felizmente, não temos nenhuma menção à cerveja, caminhões, pick-up ou estradas de terra, algo tão comumente apresentado pelos cantores masculinos da música country. A faixa de abertura, “Hide the Wine”, é um número bluegrass e country-pop animado e temperamental. Destacado pelo violão de aço e voz de Pearce, esta canção possui um ritmo groove e letras baseadas num relacionamento amoroso. Em contraste, “Careless” é uma faixa sobre um garoto descuidado que brinca com o seu coração. Esta canção possui uma mistura fresca, ainda que familiar, batidas altamente infecciosas, refrão simples e uma agradável melodia. O single principal do álbum, “Every Little Thing”, catapultou a carreira de Carly Pearce. Um favorito instantâneo dos fãs, graças as lentas batidas, vocais vulneráveis e letras melancólicas. A produção aqui é mais orgânica e restrita, com a melodia carregada pela combinação inesperada de um piano, conjunto de bateria e algumas cordas ao fundo. Esta mistura cria uma atmosfera sombria cheia de tons escuros e notas que refletem as boas e más lembranças de um relacionamento. Se essa música possui um determinado ponto fraco, ele reside justamente nas letras.

Chorar por um amor destruído é provavelmente o tema mais genérico da história da música country. De qualquer forma, “Every Little Thing” é uma música sólida que mostra todo o potencial de Carly Pearce. Enquanto “Everybody Gonna Talk” é uma peça funky cheia de atitude, “I Need a Ride Home” mostra uma maior carga de vulnerabilidade e honestidade. “If My Name Was Whiskey”, por sua vez, permite um maior foco no conteúdo lírico e nos emotivos vocais da cantora. Escrita com Shane McAnally e busbee, esta faixa mostra um lado doloroso de sua escrita, bem como um inteligente jogo de palavras. Uma balada country poderosa onde você consegue conectar-se completamente com ela. Enquanto “You Know Where to Find Me” fala sobre um parceiro capaz de trazer paz para a sua vida, “Honeysuckle” fornece uma melodia percussiva intoxicante que simplesmente gruda na cabeça. Por fim, “Dare Ya” é uma ótima música para se terminar o álbum. Ao mesmo tempo que é jovial e cativante, ela possui um lado muito mais maduro do que as demais. Em suma, Carly Pearce tem potencial para se tornar uma grande vocalista country. Ela parece uma mistura de Lady Antebellum, Maren Morris, Kacey Musgraves e Miranda Lambert, enquanto sente-se pronta para ocupar o seu lugar na indústria mainstream.

Favorite Tracks: “Every Little Thing”, “Everybody Gonna Talk” e “If My Name Was Whiskey”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.