Resenha: Bob Dylan – Triplicate

Lançamento: 31/03/2017
Gênero: Pop Tradicional
Gravadora: Columbia Records
Produtor: Jack Frost.

Lançado em 31 de março de 2017, “Triplicate” é o título do trigésimo oitavo álbum de estúdio de Bob Dylan. Assim como os seus dois discos anteriores, ele apresenta covers de clássicas músicas americanas. Esse é o primeiro trabalho de Bob Dylan apresentado na forma de três discos. São trinta músicas divididas em três partes individualmente intituladas (“‘Til the Sun Goes Down”, “Devil Dolls” e “Comin’ Home Late”) e tematicamente organizadas. Mais uma vez, Dylan revisita canções padrões de décadas atrás. A maioria já foi interpretada por Frank Sinatra ao longo de sua carreira, assim como as músicas dos álbuns “Shadows in the Night” (2015) e “Fallen Angels” (2016). E, assim como esses discos, “Triplicate” encontra Bob Dylan muito comprometido com o seu material. Ele consegue injetar uma sensação sombria em músicas que não possuem um cenário adequado para isso. É um talento de um grande compositor e um raro desvio para um clima mais reflexivo.

“Triplicate” é um registro que torna Bob Dylan consistentemente enigmático e ocasionalmente obscuro. No entanto, ele não interpretada as músicas com tons de nostalgia. Em vez disso, as canções se mostram tão vivas como se estivessem sido escritas há pouquíssimo tempo. No geral, o álbum exala uma atmosfera antiga, porém, isso tem mais a ver com a produção em si. Dylan não regressa aos arranjos originais das músicas, mas as molda da sua maneira. Novamente, ele produziu o disco sob o nome Jack Frost, que fez sua primeira aparição como produtor em “Love and Theft” (2001). Ele usou sua banda de turnê como apoio e gravou o disco nos famosos estúdios da Capitol em Los Angeles. Enquanto isso, Charlie Sexton e Dean Parks oferecem um acompanhamento musical à voz de Dylan. Mesmo com seu status de ícone folk, ele permanece profundamente humano. Sua musica permanece poética e sua voz raspada e cheia de franqueza. Como sempre, ele é romântico, mas exalando uma tristeza em torno das músicas.

“Triplicate” é um conjunto de músicas enganosamente doces, porque possuem um ar de desgosto e tristeza. Aqui, ele reflete sobre promessas quebradas, arrependimentos e uma agonia constante, de forma cuidadosamente melancólica. Sonoramente, Dylan canaliza um som pop tradicional com uma narrativa jazzística. Ele pode não atingir todas as notas de Frank Sinatra, mas encontra uma maneira de se manter verdadeiro e sincero. A faixa de abertura, “I Guess I’ll Have to Change My Plans” oferece um som jazz, onde Bob Dylan se sente seguro e confortável. É uma das melhores faixas do repertório, ao lado de “I Could Have Told You”, “My One and Only Love”, “Stardust” e “Why Was I Born?”. Nessas canções ele utiliza um vocal aconchegante, honesto e muito rico. Com um sentimentalismo auto-reflexivo, Dylan apresenta canções como “Sentimental Journey” e “It’s Funny to Everyone But Me”. Outro destaque é “Stormy Weather”, porque apresenta uma voz muito dolorosa e sutil. Por esses e outros motivos, “Triplicate” é talvez um dos lançamento mais interessantes de Bob Dylan.

Porque ele continua explorando seus sentimentos internos em todas as músicas, uma vez que ele consegue expressar grandes emoções em uma canção como “These Foolish Things”. Como esperado, Dylan brilha principalmente nas faixas de desgosto. Poucas canções quebram esse molde, como podemos ouvir na ensolarada “The Best Is Yet to Come”. Ademais, em outros momentos, ele apresenta um desvaneio assustador em músicas como “That Old Feeling” e “When the World Was Young”. Mesmo quando é um pouco apático, você sempre espera o melhor de Bob Dylan. “Triplicate” não é o mais político, espirituoso ou trabalho mais refinado dele, mas é uma linda coleção lírica. Nós nunca devemos duvidar das habilidades artísticas de Dylan. Mais uma vez, ele conseguiu dar uma nova vida para antigas músicas clássicas. Ao lado de John Lennon, Paul McCartney, Chuck Berry e Leonard Cohen, Bob Dylan é muitas vezes considerado o melhor compositor dos tempos modernos. Dificilmente alguém vai discordar disso!

Favorite Tracks: “I Guess I’ll Have to Change My Plans”, “Stardust” e “Why Was I Born?”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.