Resenha: Big Sean – I Decided.

Lançamento: 03/02/2017
Gênero: Hip-Hop
Gravadora: GOOD Music / Def Jam Recordings
Produtores: Big Sean, Kanye West, Allen Ritter, Amaire Johnson, Cary Singer, Detail, DJ Dahi, DJ Khalil, DJ Mustard, FrancisGotHeat, Fuse, Gregg Rominiecki, Hey DJ, Hitmaka, Key Wane, Maximilian Jaeger, Metro Boomin, RobGotBeats, Sidney Swift, Smash David, The Track Burnaz, Travi$ Scott, The Pounds e WondaGurl.

Em 03 de fevereiro, Big Sean lançou o seu quarto álbum de estúdio, “I Decided.”, através das gravadoras G.O.O.D Music e Def Jam Recordings. Ao longo desses anos, você pode ter visto alguns debates na indústria do hip-hop sobre a legitimidade de Big Sean como artista. Este novo álbum não é totalmente desprovido de fortes bangers, mas é muito mais focado na auto-expressão do rapper de Detroit. Apenas seis anos afastam “I Decided” do seu álbum de estreia, “Finally Famous” (2011). Durante esses anos, Big Sean obteve um grande crescimento artístico. Depois de tecer através de muitas emoções em “Dark Sky Paradise” (2015), ele se mostra muito confiante em “I Decided”. Não é o seu primeiro registro pessoal, mas é provavelmente o mais polido até à data. Depois de sete anos de carreira, podemos dizer que Sean já experimentou muita coisa. Aos 28 anos de idade, ele já é um adulto na definição mais literal da palavra, que sabe exatamente quem ele é e para onde quer ir. “I Decided” enfatiza um conceito de renascimento e começar de novo. Músicas como “Bigger Than Me” e “Inspire Me” homenageiam sua família, amigos e cidade natal, Detroit, Michigan.

Neste sentido, seu quarto álbum de estúdio, é uma reminiscência de seu trabalho anterior. Para entender o conceito desse registro, comece observando a sua capa. Ela mostra dois homens em pé na frente de suas calçadas, paralelos um ao outro. Big Sean explicou que os homens representam seu eu atual e uma versão mais antiga dele, o que é adequado, dado que o álbum abre com um monólogo de um homem idoso. O homem lamenta ter permanecido no mesmo emprego toda a sua vida e pelo má relacionamento com a família. As mensagens motivacionais de Big Sean podem parecer um pouco óbvias às vezes, mas ele fala com bastante convicção. O conceito do álbum é bem executado, com ênfase na família e espiritualidade. Artistas convidados, tais como Eminem, Migos, The-Dream, Jhené Aiko e Jeremih, ajudam Big Sean neste quesito. O estilo vocal do rapper é geralmente um pouco monótono, ao passo que ele faz um bom trabalho ao variar seus tons, fluxos e padrões de rima. Ademais, há um uso hábil de vocais de fundo por toda parte, que também mantém as coisas interessantes.

Depois de uma introdução auto-reflexiva de 64 segundos, o álbum abre com “Light”. Ao lado de Jeremih, Big Sean oferece uma espiada em sua alma, dizendo: “Passei minha vida inteira tentando encontrar o que está no fim do túnel / Eu deveria ter percebido que estava dentro”. É uma canção otimista que começa com sinos e acordes relaxados de piano elétrico. Big Sean parece sugerir que seu “eu” alternativo renasceu e agora está inspirado a viver a vida de uma maneira diferente. Jeremih, por sua vez, fornece uma vibração gospel condizente com o tom da introdução. Uma das maiores forças de Sean é a sua capacidade de misturar letras expressivas com fortes batidas. “I Decided” não oferece tanto bangers quanto seus álbuns anteriores, mas faixas notáveis como “Bounce Back” e “No Favors” são suficientes. Lançada como primeiro single, “Bounce Back” é uma música trap cativante que apela para uma ampla gama de ouvintes. Produzida por WondaGurl, “No Favors” possui um verso caracteristicamente irritado de Eminem.

É uma canção muito sólida e com um alto valor de repetição. Como sempre polêmico, Eminem menciona Donald Trump em seu verso: “Eu sou anti, nenhum governo pode lidar com um comando / Seu homem não quer ele, Trump é uma cadela / Eu vou fazer toda a sua marca ir abaixo”. Além disso, sobre teclas de piano ele também menciona a cantora Fergie e a advogada americana Ann Coulter. Em faixas como a divertida “Jump Out the Window” e “Halfway Off the Balcony”, o rapper quebra suas emoções e oferece sua percepção de que o estilo de vida superficial, que muitos admiram, realmente tem pouco valor: “Porque na verdade, eu percebi que o tempo é o mais valioso, na verdade”. Ele sugere que o dinheiro e popularidade já não são seus desejos, algo que ele afirmou ter buscado em seu álbum de estreia “Finally Famous”. Musicalmente, os vocais de fundo de “Jump Out the Window” adicionam uma melodia muito cativante à música. Em “Halfway Off the Balcony” grandes vocais de fundo e um piano a mantém em movimento, enquanto os vocais de Sean são distorcidos e colocados num tom mais baixo.

Esse tipo de pensamento instropectivo e honesto, Sean pode ter encontrado através de sua recente colaboração com Jhené Aiko no projeto Twenty88. Da mesma forma, em “Owe Me” ele examina seus relacionamentos ou a falta deles, e como ser “finalmente famoso” afetou tudo isso. Em “Moves” o rapper mostra sua tendência em flertar com a música trap, e nos lembra de sua aptidão para músicas como “Dance (A$$)”. “Moves” não é uma canção fantástica, mas boa o suficiente para manter o álbum em grande movimento. Em seguida, sua namorada Jhené Aiko junta-se a ele no interlúdio de R&B “Same Time Pt. 1”. “Voices in My Head / Stick to the Plan” são duas canções que falam sobre o que está acontecendo dentro da cabeça de Big Sean. A primeira lida com sentimentos de decepção e explicam a constante batalha consigo mesmo. A segunda, por outro lado, é bem mais motivacional. Com uma batida calma e melancólica, Sean diz: “Vozes em minha cabeça atacando o que eu estou pensando / Bala na cabeça pode ser a maneira de liberá-la / Se eu deixar o meu corpo, eu posso libertar os espíritos”.

A produção e até mesmo o fluxo maníaco no final, complementam perfeitamente as letras. Em “Sunday Morning Jetpack”, com The-Dream, Big Sean recordas algumas boas lembranças. Muito de seu verso é direcionado para sua falecida avó. Uma breve esquete no final dessa música vê Sean finalmente respondendo a um telefonema de sua mãe, algo que nos leva para a próxima música. Ao contrário de outros rappers que lutam para compartilhar seus pensamentos mais íntimos, Big Sean não tem medo de mostrar o seu verdadeiro “eu” para o mundo. Ele está todo emocional em “Inspire Me”, uma canção dedicada à sua mãe, que sacrificou-se para garantir que seu filho tivesse a oportunidade de realizar seu sonhos. Enquanto Big Sean sempre rasgou elogios para sua mãe ao longo de sua carreira, poucas faixas anteriores mostraram os sentimentos oferecidos em “Inspire Me”. “Sacrifices” possui uma qualidade destinada à popularidade, uma vez que a batida do produtor Metrom Boomin e os versos do grupo Migos grudam facilmente na cabeça.

Essa canção também se conecta à mensagem central do álbum, conforme Big Sean e Migos descrevem os sacrifícios que tiveram que enfrentar para tornarem-se bem sucedidos na indústria da música. A canção final, “Bigger Than Me”, é um destaque do álbum. Big Sean bate sobre uma amostra vocal cativante e fala que o amor por sua família e cidade natal, Detroit, é uma maior motivação para ele do que o dinheiro. A cantora/rapper Starrah canta uma pequena parte da música, enquanto Flint Chozen Choir adiciona uma boa vibração gospel. Uma conversa entre Big Sean e sua mãe fecha a canção, e aborda o conceito do álbum pela última vez. Assim como muitos rappers da atualidade, há uma grande maturidade na forma como Big Sean fala sobre o amor, fama e relacionamentos. Em geral, “I Decided” promove uma escuta refrescante para novos e antigos ouvintes do rapper. Ele certamente sabe como inspirar o crescimento pessoal, uma vez que esse disco mostra que ele cresceu como artista. É um material com letras fortes, boa produção, conceito ambicioso e repertório coeso.

Favorite Tracks: “Bounce Back”, “No Favors (feat. Eminem)” e “Bigger Than Me (feat. The Flint Chozen Choir & Starrah)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.