Resenha: Big Boi – BOOMIVERSE

Lançamento: 16/06/2017
Gênero: Hip-Hop, Trap
Gravadora: Epic Records
Produtores: Big Boi, Organized Noize, Beat Butcha, Cory Mo, Cirkut, Diego Ave, DJ Dahi, DJ Khalif, Griffin Oskar, Ian Kirkpatrick, Jake Troth, Mannie Fresh, Scott Storch, Siege Monstrosity, TM88, Young Cali of The Inkkwell.

Big Boi, nome artístico de Antwan André Patton, é um rapper mais conhecido por ser membro do duo Outkast ao lado de André 3000. O seu trabalho no Outkast produziu seis álbuns de estúdio, entre eles os aclamados “Stankonia” (2000) e “Speakerboxxx/The Love Below” (2003). Enquanto isso, sua estreia solo aconteceu com o excepcional “Sir Lucious Left Foot: The Son of Chico Dusty” (2010). “BOOMIVERSE”, por sua vez, lançado em 16 de junho de 2017 pela Epic Records, é o seu terceiro álbum de estúdio. Com este registro, Big Boi continua fazendo música com qualidade, algo que você esperaria de um herdeiro do icônico Outkast. Este álbum mostra que, ao longo dos anos, o rapper da Geórgia não perdeu suas forças. “BOOMIVERSE” têm muitos recursos, um elenco formado por estrelas de longa data, como Killer Mike, Jeezy, Gucci Mane, Pimp C, Snoop Dogg, Kurupt, Curren$y e Sleepy Brown. Uma coisa bacana sobre Big Boi é que ele não se apoia nos rappers da nova escola, embora sua performance em “Kill Jill” homenageia o estilo trap do trio Migos. A produção geral possui um uso inteligente de ad-libs vocais, além de trompas intricadas, baixos jazzísticos, guitarras sincopadas e influência do funk dos anos 70 e 80.

Sua astúcia realmente brilha em músicas como “Order of Operations” e “Freakanomics” (com Sleepy Brown), duas canções incrivelmente divertidas. O doce saxofone de “Freakanomics” prepara um caminho de destaque paras as letras atrevidas e metáforas animadas. Big Boi pode não ser a mesma coisa sem André 3000 ao seu lado, mas ele ainda sabe como construir uma grande batida. “BOOMIVERSE” é uma coleção de hip-hop realmente interessante, uma celebração entusiasmada e genuína do gênero. É um disco cheio de inteligência, piadas e até mesmo alguns conselhos. Patton é um rapper muito flexível, cômico e, felizmente, quase sempre consegue causar algum impacto. “BOOMIVERSE” pode não ser um álbum que surpreende, mas ele falha pouquíssimas vezes. É um LP confiável que deixa os ouvintes querendo mais. E, assim como “Sir Lucious Left Foot: The Son of Chico Dusty” (2010) e “Vicious Lies and Dangerous Rumors” (2012), o fantasma do Outkast ainda aparece por aqui. A cena do hip-hop de Atlanta é uma das mais lendárias da indústria, e quase ninguém personifica o som de uma cidade inteira, como Big Boi. “BOOMIVERSE” gira em torno do som de assinatura da Geórgia e, definitivamente, traz muitos golpes nostálgicos para 2017. O fluxo acelerado de Big Boi desliza incessantemente ao lado de Killer Mike e Jeezy na faixa “Kill Jill”.

Da mesma forma, “Follow Deez” possui um rascunho diretamente do sul dos Estados Unidos. Uma canção tecnicamente habilidosa, com guitarras estranhas e uma narrativa corajosa. “In the South”, com Gucci Mane e Pimp C, é um dos grandes destaques, graças ao fluxo afiado e sintetizadores sinuosos. Enquanto isso, “All Night” nos leva através de uma melodia de piano e um gancho de LunchMoney Lewis, e “Chocolate” serve como um número funky delicioso e cheio de personalidade. Em contrapartida, o álbum também possui alguns números fillers. “Made Man”, com Kurupt, por exemplo, é uma canção aleatória, estranha e, na melhor das hipóteses, audível. “Mic Jack” e “Overthunk” giram em torno dos ganchos convidados de Adam Levine e Eric Bellinger, respectivamente. Entretanto, nenhum dos dois se revelam memorável ou interessante. Quase todas as rimas do “BOOMIVERSE” são afiadas e consistentes, mas não necessariamente inesquecíveis ou diferentes, pois falta uma certa coesão. Mesmo assim, é uma grande melhoria se comparado com “Vicious Lies and Dangerous Rumors”, um esforço confuso e um tanto quanto fraco. Mesmo com letras sobre drogas, armas e gangues, não podemos negar a qualidade poética de Big Boi e o “BOOMIVERSE”. Pode não estar à altura do talento dos seus convidados, mas é um disco bom o suficiente para prosperar a cena hip-hop de Atlanta.

Favorite Tracks: “Kill Jill (feat. Killer Mike & Jeezy)”, “In the South (feat. Gucci Mane & Pimp C)” e “All Night (feat. LunchMoney Lewis)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.