Resenha: AURORA – All My Demons Greeting Me as a Friend

Lançamento: 11/03/2016
Gênero: Eletropop, Art Pop
Gravadora: Decca Records / Glassnote Records
Produtores: AURORA, Odd Martin Skalnes, Mangus Aserud Skylstad, Michelle Leonard, Nicholas Rebscher, Jeremy Wheatley, Jonny Wright, Alf Lund Gobolt, Tom Hull, Edvard Forre Erfjord, Henrik Barman Michelsen, Royal Philharmonic Orchestra e Eden Ahbez.

Aurora Aksnes, conhecida apenas por AURORA, é uma jovem cantora e compositora norueguesa. Seu EP “Running with the Wolves”, lançado em maio de 2015, recebeu uma boa aprovação da crítica e imprensa nacional. Posteriormente, no mesmo ano, ela entregou um belo cover de “Half the World Away” da banda Oasis. A canção foi escolhida como trilha sonora da campanha publicitária de TV John Lewis Christmas. Mais tarde, em 11 de março de 2016, AURORA lançou o seu primeiro álbum de estúdio, intitulado “All My Demons Greeting Me as a Friend”. Ouvir esse álbum foi a primeira oportunidade que eu tive para apreciar a música de AURORA. Em comparação com artistas como Lykke Li e Lorde, você pode esperar tons ainda mais sombrios e escuros de AURORA. Afinal, seu repertório fornece temas maduros por toda parte. O conteúdo lírico entra numa certa justaposição com seus vocais suaves que, em algumas ocasiões, assumem uma dicção inocente e infantil. Instrumentos profundos e evocativos combinam perfeitamente com o dramatismo dos seus vocais. Para explicar o álbum, AURORA usou apenas uma frase: “Meu álbum é, principalmente, sobre o quão ruim experiências podem ser boas lembranças”. Apesar do seu pop ser escuro e explorar melancólicas composições, há um sentimento de esperança no álbum. As composições de AURORA exibem uma profundidade e sabedoria muito além de sua idade. Assim como Lorde, ela tece sobre temas como amor, escapismo, perda e esperança, enquanto uma introspectiva obscura a rodeia.

Quando precisou definir as expectativas para o lançamento do álbum, os singles fizeram o bom trabalho de gerar interesse. “Runaway” possui ecos e cliques cavernosos, assim como ritmos e letras que nos lembram artistas como Björk e Lykke Li. Os graves atmosféricos e profundos corais, por outro lado, soam semelhantes ao som da irlandesa Enya. A música também gira em torno de zumbidos harmoniosos, sólidos vocais, brilhantes sintetizadores e uma simples batida. “Runaway” possui uma beleza inquietante e dá todo o tom para o restante do álbum. O quinto single, “Conqueror”, toma uma rota mais otimista, através de uma batida percussiva, grandes tambores, palmas alegres e alguns zumbidos. Ao contrário de “Runaway”, essa canção nos transporta para um mundo de perda e redenção. A abordagem mais pop de “Conqueror”, dentro de um álbum temático, torna-se completamente adequada. “Running with the Wolves”, “Lucky” e “Winter Bird” é uma sequência muito interessante. Em “Running with the Wolves” seus vocais estão ferozes, juntamente com falsos uivos e harmonias temáticas. O clima fica mais lento novamente com as harmonias relaxantes, pulsantes batidas e vocais suaves de “Lucky”. As letras de “Winter Bird”, por sua vez, evocam imagens fantasmagóricas e selvagens. Seu som nórdico e tons automaticamente sintonizados, em alguns pontos, lembram a cantora Imogen Heap. Tristeza, amor perdido e esperança são temas que aparecem em faixas como “I Went Too Far” e “Through the Eyes of a Child”.

“I Went Too Far” abre simplesmente com o piano e doces vocais, porém, lentamente transforma-se em uma balada pop apoiada por sintetizadores. Letras obscuras contrastam bem com as melodias animadas e instrumentação esparsa. A beleza cintilante de “Through the Eyes of a Child” mostra uma jovem mulher honesta, mas com grande percepção do mundo que a cerca. Durante “Warrior”, faixa amorosamente dedicada aos seus fãs, AURORA fornece letras afiadas e batidas e ritmos sincopados. Nesta canção, em especial, suas acrobacias vocais são um destaque a parte. “Murder Song (5, 4, 3, 2, 1)” é uma canção de amor frenética e com um conteúdo lírico pesado. AURORA toca piano desde a infância e aqui ela mostra porque é tão boa nesse instrumento. Enquanto “Home” amarra harmonias e corais com graves profundos, “Under the Water” traz a escuridão de volta. A faixa de encerramento, “Black Water Lilies”, possui letras simples e emprega metáforas para invocar um sentimento de alienação. As letras sinistras, sintetizador cristalino, piano e batidas simplistas provocam um efeito bem etéreo. “All My Demons Greeting Me as a Friend” não é nada menos que um álbum incrível. O estilo vocal de Aksnes é perfeito para o tom de suas músicas, enquanto cada uma delas são escritas e produzidas com maestria. A estética do álbum é inigualável e a abordagem de AURORA, claramente, amadureceu. Em suma, “All My Demons Greeting Me as a Friend” é convincente e poderoso por si só.

78

Favorite Tracks: “Runaway”, “Conqueror”, “Running with the Wolves”, “Winter Bird” e “I Went Too Far”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.