Resenha: Ariel Pink – Dedicated to Bobby Jameson

Lançamento: 15/09/2017
Gênero: Hypnagogic Pop, Indie Rock
Gravadora: Mexican Summer
Produtor: Ariel Pink.

Três anos depois de lançar “pom pom” (2014), Ariel Pink compartilhou em setembro de 2017 o seu décimo primeiro álbum de estúdio. O cantor/compositor de Los Angeles estudou artes visuais, trabalhou em uma loja de discos e sempre foi um personagem extravagante. Várias dessas características definiram sua carreira ao longo dos anos. Apesar de suas tendências niilistas, polêmicas e controvérsias, Ariel Pink sempre foi um músico talentoso e intrigante. O excelente “pom pom” só foi prejudicado por alguns comentários desagradáveis do cantor. O seu novo álbum, “Dedicated to Bobby Jameson”, possui quinze faixas e algumas semelhanças com o aclamado “Before Today” (2010). Um disco hypnagogic-pop e indie-rock com uma combinação de sintetizadores dos anos 70 e som folk dos anos 60. O título faz referência a uma estrela emergente dos anos 60 que foi considerado morto por cerca de 20 anos. Bobby Jameson afastou-se da indústria da música em 1985 e só ressurgiu em 2007 com um blog e canal no YouTube. Depois que Jameson morreu em 2015 aos 70 anos de idade, Ariel Pink disse que a “vida dele ressoou comigo a tal ponto que senti a necessidade de dedicar meu último álbum para ele”.

Surpreendentemente, em algumas entrevistas promocionais do álbum, Ariel Pink disse que não sente mais vontade de lançar novos discos. Aparentemente, o conceito do álbum parece ser muito sério e obscuro. Entretanto, ele não faz referências explícitas a Bobby Jameson, as músicas mais parecem ecoar sobre provações e tribulações. O que torna “Dedicated to Bobby Jameson” tão escuro e estranho é que Ariel Pink não faz uma verdadeira homenagem ao falecido cantor. Metade do repertório é composto por músicas de amor surpreendentemente sinceras, enquanto a outra metade possui os mesmos temas que aparecem no “pom pom”. Se Bobby Jameson e Ariel Pink têm uma coisa em comum, é o interesse por coisas bizarras. Talvez por isso Pink o considera um provável herói. Ademais, “Dedicated to Bobby Jameson” possui um grande senso de nostalgia, algo que certamente agarra vários ouvintes. O registro abre com “Time to Meet Your God”, uma música estranhamente fascinante sobre renascimento. Os fãs do “Before Today” (2010), o trabalho mais venerado de Ariel Pink, devem ter ficado encantados ao notar que algumas faixas desse álbum possuem, mesmo que ligeiramente, uma direção soulful.

Algumas das canções mais notáveis é “Feels Like Heaven”, um número amoroso que lembra a faixa “Only In My Dreams” do disco “Mature Themes” (2012). Ao lado de “Feels Like Heaven”, a penúltima faixa, “Do Yourself a Favor”, é a canção mais doce e sutil do álbum. “Santa’s in the Closet”, por outro lado, possui um som ligeiramente perturbador aparentemente inspirado em David Bowie. A faixa-título, “Dedicated to Bobby Jameson”, por sua vez, emite fortes vibrações nostálgicas dos anos 60, enquanto “Time to Live” fornece incríveis ruídos psicóticos. O primeiro single, “Another Weekend”, é um favorito instantâneo com uma atmosfera fantasmagórica e triste. Com este álbum, Ariel Pink continua fornecendo canções cativantes e acessíveis. Surpreendentemente, tudo no álbum soa coeso. Pode-se dizer que “Another Weekend” e “Feels Like Heaven”, por exemplo, são algumas das melhores faixas que ele já lançou, principalmente por mostrar um lado dele que ainda não conhecíamos. Com isso em mente, “Dedicado a Bobby Jameson” é, muitas vezes, brilhante, interessante e ocasionalmente desconcertante. No momento que Ariel Pink coloca o seu lado mais suave à tona, ele soa incrivelmente interessante e refrescante. Uma mudança sóbria quando comparada ao seu trabalho como Ariel Pink’s Haunted Graffiti.

Favorite Tracks: “Feels Like Heaven”, “Another Weekend” e “Do Yourself a Favor”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.