Resenha: A Great Big World – Is There Anybody Out There?

Lançamento: 21/01/2014
Gênero: Pop, Pop Rock
Gravadora: Epic Records
Produtores: Dan Romer, Chris Kuffner e John Alagía.

A Great Big World é um duo contratado da gravadora Epic Records, formado pelos membros de Nova York Ian Axel e Chad Vaccarino. Eles ganharam reconhecimento após o sucesso da canção “Say Something” com Christina Aguilera. O seu primeiro álbum, “Is There Anybody Out There?”, foi lançado em 23 de janeiro de 2014 e conta com um total de 13 faixas. Eles cantam um pop otimista, que lembra artistas como Owl City e algumas músicas dos anos 1980. Eles fizeram um trabalho decente, sem receio de expor seus sentimentos através de melodias de piano e letras profundas. É um disco pop com influências de blues, rock e muitos momentos de melancolia. As letras atingem um equilíbrio e buscam conectar o ouvinte de forma literal a todo momento. As composições são realmente um dos mais pontos fortes do álbum, pois são simples, sinceras e honestas. Durante o repertório, os caras percorrem temas de cortar o coração, ao mesmo tempo que quebram estereótipos.

Além das letras, os vocais, por muitas vezes, também chamam atenção. Ian Axel tem uma voz que é capaz de atingir notas altas e baixas com a mesma facilidade. A produção, por sua vez, foi uma agradável surpresa. Embora não tenha nada de esplêndido, consegue misturar o pop com elementos de vários outros gêneros. Como número de abertura, A Great Big World apresenta a faixa “Rockstar”, uma canção up-tempo otimista sobre o esforço que fazemos para alcançar sonhos e objetivos. Há um sentimento de juventude aqui (“Eu quero apenas ser um rockstar”), enquanto a melodia cativante e a letra são os principais pilares. Com espírito e energia de um musical da Broadway, temos a faixa “Land of Opportunity”. É uma canção que segue o mesmo padrão da faixa anterior, ao passo que fornece um tom otimista e alegres trombetas ao fundo. Como esperado, no álbum também estão presentes faixas mais sombrias, como “Already Home”. Outro belo número que apresenta calmas melodias e uma letra bastante sincera.

A performance vocal é o ponto alto dessa faixa que, liricamente, fala sobre as alegrias e armadilhas do amor na cidade de Nova York. O clima sombrio imposto pela terceira faixa muda rapidamente graças ao ritmo acelerado de “I Really Want It”, uma faixa cativante recheada de melodias que lembram os anos 1980. Aqui, a dupla pede aos fãs para deixarem sua timidez de lado, a fim de aproveitar o dia. Impulsionada por um piano, temos a maravilhosa “Say Something”, quinta faixa do disco apresentada sem o vocal de Aguilera. Uma balada emocional, comovente e muito bem-escrita, que fez por merecer todo o reconhecimento que adquiriu. É aquele tipo de canção perfeita para momentos de calmaria ou melancolia da vida. Em seguida, o duo dá aos ouvintes uma mensagem de esperança e perseverança com a faixa “You’ll Be Okay”. “Você vai ficar bem / O sol vai nascer / Para dias melhores”, eles cantam.

A Great Big World

A composição é simples, sem metáforas complicadas, apenas com uma mensagem que muitos precisam ouvir. A sétima faixa, “Everyone Is Gay”, é um ode à bissexualidade transmitida com pouca instrumentação, porém, direta em sua mensagem. O piano alegre faz a canção parecer feliz, enquanto a letra enfatiza que todos somos iguais e o verdadeiro amor é o que une todos em nossa existência comum. Logo em seguida, temos a faixa “There Is an Answer”, canção que reforça a noção de que o amor existe para todos. É uma música muito acessível e elegante que me lembrou a sonoridade da banda Fun. Sob uma batida progressiva e vocais mais fortes, a dupla canta que não há diferença entre duas pessoas, porque o amor pode existir de todos os jeitos e formas. A vibração pop desaparece um pouco na faixa “I Don’t Wanna Love Somebody Else”, uma música que detalha a dificuldade de deixar completamente uma antiga paixão.

Cordas acompanham os vocais de Chad Vaccarino e letras como, “Bem, eu não me importo se a solidão me mata / Eu não quero amar outra pessoa”, parecem ter sido feitas especialmente para pessoas deprimidas e de coração partido. A canção “This Is the New Year” foi utilizada em um episódio da série Glee, antes mesmo do sucesso de “Say Something”. Não é tão notável ou memorável como “Say Something”, porém, transmite uma boa palavra de compreensão e confiança. Com uma vibração folk, “Shorty Don’t Wait” é uma faixa que basicamente diz ao ouvinte para seguir em frente, independente dos obstáculos que possam bloquear o caminho. Aqui, os vocais estão no ponto, a composição é boa e ainda temos um ótimo coral gospel. “Cheer Up!” é um número curto e doce, embora esteja longe de ser um dos momentos mais brilhantes do registro. Possui uma melodia saltitante, mas a composição é um tanto quanto infantil, visto que faz, por exemplo, referências a dinossauros e naves espaciais.

O álbum fecha com a versão retrabalhada de “Say Something”, com os incríveis vocais de Christina Aguilera. Há um grande equilíbrio nos vocais e a inclusão de uma voz feminina na música ajudou a passar o recado de forma ainda mais clara. Foi uma boa escolha para terminar o álbum, pois é a música mais arrepiante e emocionante do material. Do início ao fim, “Is There Anybody Out There?” contém uma paixão e alegria sentida pelos próprios artistas, algo necessário para uma experiência verdadeiramente agradável para o público. No geral, as letras possuem um significado profundo, há presença de um piano hábil a todo momento e suas melodias conseguiram fazer do “Is There Anybody Out There?” um trabalho diferenciado. Terminou por ser um bom ponto de partida para a carreira de Ian Axel e Chad Vaccarino.

64

Favorite Tracks: “Already Home”, “I Really Want It”, Say Something”, “You’ll Be Okay” e “This Is the New Year”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.