Resenha: 5 Seconds of Summer – 5 Seconds of Summer

Lançamento: 27/06/2014
Gênero: Pop Punk, Pop Rock
Gravadora: Capitol Records
Produtores: John Feldmann, Louis Biancaniello, Joel Chapman e Steve Robson.

5 Seconds of Summer é uma banda australiana de Pop Punk, formada em Sydney em 2011. É composta por Luke Hemmings (vocais e guitarra), Michael Clifford (guitarra e vocais), Calum Hood (baixo e vocais) e Ashton Irwin (bateria e vocais). No início, o grupo começou fazendo sucesso no YouTube onde postavam vídeos de covers de diversos artistas. Mas a fama internacional chegou quando o grupo One Direction os convidaram para abrirem sua turnê Take Me Home Tour. Em junho de 2014 eles lançaram seu primeiro álbum de estúdio, de mesmo nome da banda: “5 Seconds of Summer”. Na mídia, o grupo já foi várias vezes rotulados como uma boyband, mas eles negaram essas afirmações, porque todos eles tocam algum instrumento. O primeiro single foi a canção “She Looks So Perfect”, que liderou a primeira posição das paradas da Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido e Irlanda. A melhor estreia dos jovens garotos foi nos Estados Unidos, onde o álbum vendeu 259 mil cópias na primeira semana, estreando na primeira posição da Billboard 200.

O álbum contém 12 faixas e é bem coeso, com letras voltadas para o público mais jovem. Eles são um ato pop-punk, onde o “pop” é muito mais predominante do que o “punk”. No decorrer do repertório, temos riffs de guitarra em abundância e um estética realmente engenhosa, o que pode ser convidativo para ouvintes de ambos os gêneros musicais. Suas composições são consistentes e sagazes, enquanto a produção, dirigida por John Feldmann, é limpa e compacta. As baladas, com exceção de “Amnesia”, não funcionaram tão bem, pois não se conectam com a maturidade proposta. No geral, o disco é uma estreia agradável para a banda, que não deveria ser dita como ruim antes mesmo de receber alguma atenção. Se tem uma coisa que 5 Seconds of Summer aprendeu com o grupo One Direction, foi provavelmente a facilidade em escrever um refrão cativante. Algo que a banda e seus produtores exibiram com precisão durante a maior parte do disco. A maioria das canções entregues são repletas de melodias, imediatamente, grudentas e radiofônicas.

O single de estreia, “She Looks So Perfect”, é a melhor canção e apresenta claramente influências de bandas pop punk, como Green Day e Blink-182. Tem uma letra repleta de clichês adolescentes, mas em compensação, o seu refrão é viciante e explosivo. Possui uma combinação na medida certa entre guitarras, letras cantáveis, forte bateria e um refrão alto, ingredientes certeiros para chamar atenção no mainstream“Don’t Stop” foi lançado como segundo single e possui doces guitarras e um som bem charmoso. É um hino pop-punk encantador, com letras que são auto-confiantes e doces simultaneamente (“Everybody wants to take you home tonight / But I’m gonna find a way to make you mine”). A ponte poderia ser mais polida, no entanto, ainda consegue destacar-se. Novamente, as guitarras chamam atenção, dessa vez na faixa “Good Girls”, uma estereótipo sexual, na qual o vocalista declara: “As meninas boas são as meninas más que não foram pegas”. A letra dessa, definitivamente, não deixam alguma margem para sub-textos.

5 Seconds of Summer 3

“Kiss Me Kiss Me” possui uma boa harmonia e guitarras adoçadas ao lado de sintetizadores, mas é uma música fraca se comparada as três primeiras canções. O seu refrão há uma ligeira desaceleração, mas as harmonias ainda conseguem empurrá-la para frente. “18” é muito cativante e legitimamente engraçada à frustração da espera para a vida adulta, quando você ainda é apenas um garoto. Eles, basicamente, dizem que anseiam chegar na idade de 18 anos, apenas para que possam namorar mulheres mais velhas. “She’s got a naughty tattoo / In a place that I want to get to / But my mom still drives me to school”, são exemplos de alguns versos que eles vendem, jogados juntos com a percussão mal-humorada de Ashton Irwin. “Everything I Didn’t Say” é mais distante do humor adolescente da faixa anterior e, com certeza, é um dos destaques do álbum, onde a banda demostra mais emoção em uma letra romântica. Introduzida com uns “Ooooh Ooooh”, essa música é brilhante, em grande parte, graças à sua produção meticulosa e o seu viciante refrão.

A sétima faixa, “Beside You”, é uma balada mid-tempo sobre o desejo de estar ao lado de um garota.  Sua melodia é mais alta, sendo mais bem sucedida vocalmente na interpretação de Luke Hemmings. Ocasionalmente, seus tambores sente-se como se fossem alimentados através de uma máquina, mas os movimentos da música com uma propulsão consistente minimiza qualquer diferença que esses sons poderiam fornecer. A faixa seguinte, “End Up Here”, é muito divertida e lembra a sonoridade da banda All Time Low. Ela praticamente convida à todos para bater palmas e manter o ritmo em seu curso no último refrão. E realmente, as palmas no final foram muito bem colocadas ao invés dos tambores. Depois da banda fazer referências as cuecas da American Apparel em “She Looks So Perfect”, Hemmings recorda de como sua camisa do Kurt Cobain atraiu uma menina, que depois disse o quanto ama “Livin’ On a Prayer” do Bon Jovi. Seu lirismo é habilmente bem construído, ponto para os escritores.

5 Seconds of Summer (4)

O ritmo desacelera um pouco na nona faixa, “Long Way Home”, que é facilmente, uma das melhores canções de todo o álbum. Uma excelente música pop rock, que lembra um pouco o final dos anos 1990 e nos remete, imediatamente, à canções das bandas McFly e Busted. “Heartbreak Girl”, por sua vez, tem um riff de guitarra mais pesado, mas não empolga tanto, pois não tem a forte personalidade dos pontos altos do repertório. Ela faz o bom ritmo do disco diminuir um pouco, mas funciona como uma faixa de transição, falando sobre ser “stuck in the friend zone again and again”, e marcando com sua letra cheia de angústias. “Mrs. All American”, com o seu rock meio oitentisa, também encanta e traz a nossa mente, mais um vez, o som pop-punk do Blink-182. O quarteto australiano se insinua em uma faixa arrogante, sobre a atração por uma garota que “mudou-se de Nova Iorque há um mês”. Note que o grupo substituiu a música “English Love Affair”, em sua versão norte-americana do disco, para a canção “Mrs. All American”. A última faixa é a linda balada “Amnesia”, que tem um desempenho vocal surpreendente e uma ótima letra.

Uma canção que conseguiu demonstrar maturidade e uma boa versatilidade da banda. Lançada como terceiro single do álbum, aqui eles falam sobre como desejam “esquecer as coisas estúpidas” que os levaram a se apaixonar por uma ex. Após várias escutas posso afirmar que o álbum dos australianos do 5 Seconds of Summer é bem produzido e possui uma coerência. Com esse disco, eles já conseguiram uma boa fã base ao redor do mundo. Possui músicas que grudam na cabeça, entusiasmam com facilidade e está vendendo bem para um trabalho de estreia. É óbvio que suas canções apontam diretamente para o mercado adolescente, visto o conteúdo lírico apresentado, logo podemos concluir que eles estão em conformidade com o seu público alvo. Os garotos já escreveram com alguns veteranos logo no primeiro registro, como os irmãos Madden (Good Charlotte), Martin Johnson (Boys Like Girls), Alex Gaskarth (All Time Low), Tom Fletcher (McFly), John Feldmann (Goldfinger) e muitos outros. Agora, nos resta esperar para ver se eles irão evoluir no próximo trabalho e ainda manter as boas vendas em uma indústria tão competitiva como o mundo fonográfico.

63

Favorite Tracks: “She Looks So Perfect”, “Good Girls”, “Everything I Didn’t Say”, “Long Way Home” e “Amnesia”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.