Resenha: 2 Chainz – ColleGrove

Lançamento: 04/03/2016
Gênero: Hip-Hop, Trap
Gravadora: Def Jam Recordings
Produtores: 2 Chainz, Lil’ Wayne, Ben Billion$, Bobby Kritical, FKi, Da Honorable C.N.O.T.E., Mike Dean, Frank Dukes, Infamous, Mike Will Made It, The Mad Violinist, TM88, Zaytoven, Lil’ C, Metro Boomin, T@, London on da Track, Southside, Reignman Rich, Mannie Fresh e Mr. 2-17.

Lançado em 04 de março de 2016, “ColleGrove” é o terceiro álbum de estúdio do rapper americano 2 Chainz. Inicialmente, era um disco colaborativo entre 2 Chainz e Lil’ Wayne, entretanto, devido a alguns problemas com a gravadora, apenas 2 Chainz foi creditado como artista principal. Na produção temos a presença de nomes de alto perfil, que inclui Mike Will Made It, Infamous, Metro Boomin, Ben Billion$, London on da Track, Mike Dean e Southside. Apesar de não ser creditado no título, Lil’ Wayne também possui uma forte presença no repertório. “ColleGrove” homenageia a origem dos dois rappers, pois 2 Chainz é da cidade de College Park, Geórgia, e Wayne de Hollygrove, bairro de Nova Orleans. Os fãs estavam esperando por esse registro colaborativo desde os primeiros rumores que surgiram em 2013. E, embora não seja um disco necessariamente inovador em termos líricos, proporciona alguns momentos bem cativantes. Aqui, eles nos fornecem batidas pesadas, fluxos poderosos e falam previsivelmente sobre dinheiro, drogas e mulheres.

O álbum começa com “Dedication”, faixa onde 2 Chainz fornece um rap cativante e trabalha sozinho. Inicialmente, a canção apresenta uma esquete de uma conversa entre os dois rappers. Em seguida, ouvimos 2 Chainz agradecendo Lil’ Wayne por seu apoio na indústria: “Se não fosse por Wayne não teríamos / Um monte de caras no jogo, incluindo eu”. Apesar de não oferecer o estilo nebuloso e clássico de 2 Chainz, essa faixa tem um ritmo bem jovial. Quanto à produção, Southside e Mike Dean fizeram um bom trabalho ao criarem um descontraído cenário para 2 Chainz contar algumas histórias. Na segunda faixa, “Smell Like Money”, Lil’ Wayne aparece e contribui com um verso poderoso. A partir daqui você começa a notar a química entre os dois rappers. Wayne inicia a música com uma longa introdução, antes de 2 Chainz cooperar com um bom verso. Embora não seja uma das melhores músicas do álbum, possui uma ótima produção. Da Honorable C.N.O.T.E. leva todos os créditos pela boa batida e interessantes cordas oferecidas aqui.

A faixa seguinte, “Bounce”, foi a primeira a ter um videoclipe divulgado. É sem dúvida uma das minhas canções favoritas do álbum. Ela destaca todo o talento dos dois rappers e oferece fluxos incrivelmente ágeis. Pode-se dizer que é a música que melhor mostra a química e habilidades de Chainz e Weezy. É um número que destaca uma sonoridade única e cativante para os dois, uma vez que ambos apresentam versos incrivelmente rápidos. Enquanto a música é boa, o videoclipe também vale a pena assistir, porque é divertido e basicamente uma batalha de cinco minutos entre os dois artistas. Desta vez, a possante batida no fundo foi fornecida por Infamous. Essa batida errática é o tipo de amostra que Lil’ Wayne sempre costuma brilhar. 2 Chainz também não ficou para trás, ele foi capaz de manter-se totalmente equiparado ao fluxo de Wayne. Outro número muito bom é “Gotta Love”, faixa produzida por Mannie Fresh. Ele fez um trabalho incrível na produção, principalmente na instrumentação e melodia.

2 Chainz1

O refrão é um pouco questionável, por causa do excesso de auto-tune e tentativa de canto de Lil’ Wayne. Felizmente, ele não exagera como fez terrivelmente no álbum “Rebirth”. Não está claro se esta faixa possui amostras de “Scatman (Ski Ba Bop Ba Dop Bop)” de Scatman John, entretanto, o seu gancho principal sem dúvida lembra esse hit. A melodia, por sua vez, é muito boa e faz de tudo para surpreender. A harmonização de Wayne, por fim, acabou se saindo muito agradável, principalmente quando fica mais alta e acrescenta novos elementos à melodia. É uma canção com um fluxo menos agressivo, ao passo que 2 Chainz entrega algumas linhas clássicas. A maneira como ele flui entre as linhas é brilhante, enquanto seu rap encaixa-se facilmente à batida. “MFN Right”, segunda faixa solo de 2 Chainz, tem Mike Will Made It como um dos arquitetos por trás. É uma canção atraente e algo que 2 Chainz normalmente faz. Não há nada de especial nesta canção, mas ela não deixa de ser interessante. Aqui, além do habitual fluxo do rapper, temos algumas teclas de piano, batidas de tambor e um instrumental minimalista.

A única faixa produzida por Mr. 2-17 é “Blue C-Note”, uma canção totalmente infame. É um tipo de música facilmente encontrada em álbuns de hip-hop, mas que não deixa de ser incrivelmente cativante. Apesar da presença de Wayne, ela soa como uma faixa solo de Chainz em vez de uma canção conjunta. Ela apresenta menos do rap estelar de 2 Chainz, entretanto, em contrapartida, possui um gancho incrivelmente cativante. Além de efeitos sonoros, como o de vidros se quebrando, temos sintetizadores de perfuração, bons vocais de apoio e uma potente linha de baixo. Na terceira faixa solo de Chainz, “Not Invited”, ele tenta mostrar o quanto conhece as mulheres. Sua atmosfera noturna é complementada por um fluxo bastante energético. A subestimada equipe 808 Mafia está por trás da produção desta canção. Eles fizeram justiça ao álbum e forneceram um ritmo narcótico para o rap de 2 Chainz. Em seguida, Metro Boomin e Frank Dukes fornecem o pano de fundo para a canção “Bentley Truck”. Boomin é um produtor bem abstrato, porém, extremamente talentoso e criativo.

2 Chainz

Essa faixa é um tanto quanto infecciosa, e onde 2 Chainz entrega um dos seus melhores ganchos no álbum. A lentidão hipnótica do ritmo leva o ouvinte para a mensagem geral do refrão, enquanto a metade da canção é interrompida por um rap de Lil’ Wayne. Até esse momento, “ColleGroove” tem se mostrado muito divertido e agradável. A última faixa exclusiva de 2 Chainz chama-se “100 Joints”. Aqui, ouvimos ele se gabar da enorme quantidade de maconha que fuma por dia. “Não importa o que eles dizem sobre eu fumar 100 baseados por dia”, ele cospe no gancho principal. Novamente, ele manda bem sozinho, embora o principal destaque seja a batida produzida por Bobby Kritical. Nessa altura do álbum, o fluxo de 2 Chainz começa a soar um pouco repetitivo, mas, felizmente, ele sabe como fazer um rap adequado sobre uma batida tão expressiva como esta. O segundo verso, por exemplo, é o ponto alto da música. “Rolls Royce Weather Everyday”, por sua vez, possui um ritmo lento que permite todos ouvirem com propriedade o que eles estão dizendo.

Não é um banger feito para clubes ou boates, mas sim uma daquelas canções cativantes em linha reta. Desta vez, foi Lil’ C quem deu o cenário para ambos rappers exibirem seus versos. Eles fluem sem grandes esforços, enquanto são acompanhados por hipnotizantes violinos. Em “What Happened” temos Lil’ Wayne conduzindo o gancho principal e fornecendo o primeiro verso. Ele arrisca-se no canto, embora na maior parte do tempo aproveita para exibir o seu rap. Rappers também tem sentimentos e, embora seja de uma forma tipicamente grosseira, eles tentam provar isso. “Pensei que não estava transando comigo não mais / Menina, o que aconteceu?”, Wayne pergunta no refrão. Algumas linhas são tão explícitas e sexualmente sugestivas que chegam a ser engraçadas. Nesta faixa, você consegue ouvir a alegria nas vozes de ambos artistas. É também uma das poucas músicas que realmente parecem fazer parte de um álbum conjunto. A produção, fornecida por Ben Billion$, é totalmente universal. Além de uma típica batida trap, ele fez uso de uma agradável guitarra acústica em sua composição.

A faixa “Section”, produzida por London on da Track, encerra a versão padrão do álbum. Assim como a grande maioria das recentes produções de London on da Track, essa canção nos remete aos singles de Young Thug. Felizmente, 2 Chainz e Lil’ Wayne injetam suas próprias personalidades e eliminam essa breve sensação. “Section” não é uma faixa ruim, no entanto, eles poderiam encerrar o álbum com uma nota melhor. Afinal, ela não possui nenhuma particularidade ou alguma coisa de interessante. “ColleGrove” sente-se mais como um álbum de 2 Chainz do que de Lil’ Wayne. As batidas, o conceito e a natureza das canções favorecem muito mais o rapper da Geórgia. Ele segue a tendência da maioria dos álbuns de hip-hop colaborativos, onde um artista acaba ofuscando o outro. E, neste ponto, 2 Chainz se saiu melhor. No entanto, obviamente, não podemos tirar as contribuições e créditos de Lil’ Wayne no álbum. Em última análise, embora não seja o melhor trabalho de ambos, o registro possui pontos brilhantes e uma produção muito boa.

63

Favorite Tracks: “Bounce”, “Gotta Lotta”, “Blue C-Note”, “100 Joints” e “What Happened”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.