Best New Music: Thom Yorke – Suspirium

Lançamento: 04/09/2018
Gênero: Rock Experimental
Produtor: Nigel Godrich
Compositores: Thom Yorke e Nigel Godrich.

Thom Yorke é o responsável pela soundtrack do remake do filme de terror “Suspiria”, dirigido por Luca Guadagnino e com data de lançamento marcada para 02 de Novembro de 2018. O vocalista do Radiohead deu detalhes a respeito do álbum que terá 25 composições originais entre instrumentais, interlúdios e canções com estruturas mais tradicionais. A trilha sonora será lançada pela gravadora XL Recordings e tem data prevista para 26 de Outubro de 2018, sendo que o anúncio veio após a estreia do filme no Festival de Cinema de Veneza. Se você é um cineasta que acabou de convencer Thom Yorke para produzir a soundtrack do seu próximo filme, comemore bastante. Todos os membros merecem créditos pelo sucesso do Radiohead, mas a voz de Yorke é um dos principais elementos que ajudaram a tornar os álbuns da banda tão icônicos. “Suspirium”, uma das principais faixas da soundtrack e o nosso primeiro gostinho do filme, foi disponibilizada ontem para o público. Uma canção diferente de tudo que ele já fez antes, inspirada no cenário do filme de 1977 e com vocais em multicamadas. Para os fiéis fãs do Radiohead, isso foi um motivo para ficar animado. Afinal, há poucas pessoas tão talentosas quanto Thom Yorke. A melodia de “Suspirium” se sobressai em grande parte por causa de sua personalidade distinta. Com o seu repetido piano e um ar de arrependimento por trás, esta canção soa a princípio como uma versão mais desenvolvida de alguma Side B do Radiohead. O arranjo encorpado, por sua vez, é um sopro de ar fresco.

“Tudo está bem, contanto que continuemos girando / Aqui e agora, dançando atrás de uma parede”, ele promete aqui. A estrutura de “Suspirium” é algo que você identificaria imediatamente como um fragmento de alguma trilha sonora. “Suspiria”, a continuação de Guadagnino para o aclamado “Me Chame Pelo Seu Nome” do ano passado, é adaptada do clássico filme de terror italiano de 1977 de mesmo nome. A partitura original da banda italiana Goblin é icônica, mas tudo o que ouvimos de Yorke até agora, indica que ele não está interessado em tentar imitá-la. Baseado principalmente em um belo piano, o ritmo perfeitamente sinistro parece quase uma valsa. A maior parte da canção traz apenas Yorke e o piano, com sua voz cantando estranhamente linhas como: “A escuridão é nossa para levar? / Banhada em leveza, banhada em calor”. Enquanto os sintetizadores de fundo ajudam a criar uma atmosfera sutil ao longo da música, é apenas no último minuto que eles realmente se tornam mais predominantes. Os sintetizadores acabam construindo uma vibe ainda mais encantadora que complementa perfeitamente a canção. Enquanto isso, uma flauta entra e ajuda a reforçar os acordes barrocos. Thom Yorke conseguiu construir uma peça realmente assustadora. Sua voz foi o complemento perfeito para o que este filme trará. O resultado final é uma música cinematográfica e emocionalmente surpreendente que, apesar da escassa produção, comove e proporciona uma magia encantadora!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.