Best New Music: Nicki Minaj – Coco Chanel (feat. Foxy Brown)

Lançamento: 10/08/2018
Gênero: Hip-Hop, Rap, Dancehall
Produtor: J Beatzz
Compositores: Onika Maraj, Bannister, Joshua Adams e Inga Marchand.

Foxy Brown ficou conhecida por seu trabalho solo, bem como inúmeras colaborações com outros artistas na segunda metade da década de 90 e começo dos anos 2000. Ela e Nicki Minaj são de Trinidad e Tobago, mas possuem raízes fincadas em Nova York. Depois que Minaj lançou o seu novo álbum, uma das faixas que mais despertaram a atenção foi “Coco Chanel”, sua colaboração inédita com Foxy Brown. Não foi à toa que esta canção despertou o interesse do público, afinal trata-se de uma peça surpreendente. Uma ode ao seu passado caribenho com uma batida inspirada pelo dancehall e teclas pesadas. A produção possui um sabor tropical, uma entrega arrogante, letras ameaçadoras e interpolação de “Showtime Riddim”. A presença de Foxy Brown foi uma dádiva para “Coco Chanel”, uma vez que ela compartilha uma energia magnética com Nicki Minaj. Elas exibem uma química invejável em sua primeira colaboração, e o resultado foi impressionante. Com “Coco Chanel”, o álbum termina com uma nota alta, enquanto ambas trocam versos ferozes e fornecem um momento solidário entre duas rappers femininas. Não é uma surpresa que “Coco Chanel” se transformou numa peça tão desafiadora, afinal Foxy Brown é um ídolo para Nicki Minaj. Elas têm muitas características em comum, desde a herança tobaguiana até o estilo similar. Ademais, elas cresceram em bairros vizinhos de Nova York e lutaram contra o paradigma masculino estabelecido dentro da indústria do hip-hop.

Dito isto, Foxy Brown já entrou em defesa de Nicki Minaj quando ela confrontou outras duas rappers, Lil Kim e Remy Ma. Em “Coco Chanel”, as duas conseguiram encontrar um espaço perfeito para combinar seus estilos agressivos. Em um álbum tão inchado como o “Queen” (2018), é gratificante ouvir um momento de grandeza como este. “Ele me pegou como um coco, sim como um coco / Elas querem coco, e eu tampouco / Nunca confie em uma vadia quebrada / Número um, me chama Yoko”, Minaj recita no dinâmico refrão. Ela conduz a música com linhas pesadas e derruba qualquer um no seu caminho. Mesmo que tenha dificuldade para encontrar um equilíbrio em sua carreira, ninguém pode questionar o seu talento. Enquanto isso, a pesada batida, enfeitada por teclas perfurantes, enfatiza a forças de seus versos. “Se eles pegam sua cocaína, eles fazem uma rachadura / Se eles pegam a sua corrente de ouro, então eles fazem uma placa”, ela diz. O fluxo da Foxy Brown não fica para trás, e ganha o posto de melhor verso convidado do “Queen” (2018). Apoiando-se fortemente na batida, ela ameaça suas rivais: “Dê-me alguns tiros de sangue / Brooklyn, onde diabos estamos? (…) / Eu converso, volto como se eu nunca tivesse saído / Desceram quando eu cheguei, todas as vadias se curvaram”. Nicki Minaj se distanciou de sua imagem colorida, e encontrou a companheira ideal para trocar rimas. “Coco Chanel” possui uma química espetacular, se apoia em suas raízes de Trinidad e Tobago, e pode ser coroada como a melhor faixa do “Queen” (2018).

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.