Best New Music: Karol Conká – Saudade

Lançamento: 09/11/2018
Gênero: Reggae, Pop
Produtor: Boss In Drama
Compositores: Karol Conká e Péricles Martins.

Ontem, depois de cinco anos, Karol Conká finalmente lançou o seu novo disco, intitulado “Ambulante”. Um registro com letras que falam sobre sexo, amor, racismo, emponderamento, militância, superação e desapego, enquanto passeia por diferentes gêneros musicais que vão do hip hop ao synth-pop. Ela está muito mais madura e continua tão talentosa como sempre foi. Conká sabe como levar sua mensagem para o público e surpreende pelo fluxo, rimas e canto. Mesmo transitando por diferentes gêneros musicais, ela não perde a sua essência e acidez. Ao ouvir o álbum, você notará a evolução da rapper curitibana, mesmo que o seu lirismo não tenha mudado. Ela encontrou novas formas de expor sua opinião, mas os pensamentos são os mesmos. Produzido por Boss In Drama, com quem ela já havia trabalhado anteriormente, o álbum possui dez faixas no total. É o primeiro projeto da Karol em parceria com a Sony Music, gravadora com quem ela assinou contrato em agosto. Destaque para a arte da capa, que traz a artista envolta de várias fitas do senhor do Bonfim. Entre as dez faixas, pelo menos metade do repertório pode ser considerado um verdadeiro destaque. Mas uma que chamou bastante minha atenção e, provavelmente de grande parte do público, é “Saudade”. Uma música sonoramente incrível e agradável, inspirada pelo reggae.

Este gênero não é novo para Karol Conká – como ouvido anteriormente em “É o Poder” – mas ela soube explorá-lo de um novo jeito. Aqui, você pode pode perceber que, além de uma ótima rapper, ela sabe cantar. Sua voz está doce e emotiva, porém, com a mesma força que estamos acostumados a ouvir. Liricamente, ela confessa que está com saudade do seu ex-namorado, uma dor que ainda não foi superada. “E eu que sempre achei que nosso lance ia durar”, ela diz no primeiro verso. A melodia cintilante nos guia até o refrão, momento onde ela completa as linhas anteriores: “Saudade de nós em baixo dos lençóis / Que delícia nós / Vejo que não tem nós / Só queria mais / Não da para voltar atrás / E eu já não fico em paz / Saudade dói”. O violão abre a música – um pouco antes da bateria entrar abruptamente. Os riffs e os tambores acompanham os vocais da Karol, enquanto um sintetizador permanece em segundo plano e pinta o pano de fundo. No final do refrão, o trompete é usado como adorno, ao passo que ela não deixa a melancolia das letras desaparecer. Sonoramente falando, “Saudade” é uma canção nova para o repertório da Karol Conká. Há uma sensação agridoce e nostálgica que casou perfeitamente com o sentimentalismo das letras. Conká é um talento singular que com certeza merecia maior reconhecimento, ouça a música abaixo!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.