Best New Music: Blood Orange – Charcoal Baby

Lançamento: 26/07/2018
Gênero: R&B, Soul, Pop Psicodélico
Produtor: Devonté Hynes
Compositores: Aaron Maine e Devonté Hynes.

Blood Orange – o projeto alternativo do Dev Hynes – marca o seu retorno. Ele resolveu voltar à ativa de forma sedutora com “Charcoal Baby”, o primeiro single do seu quarto álbum de estúdio, “Negro Swan”. Hynes prometeu que este novo disco será “uma exploração dos meus e muitos tipos de depressão negra, um olhar honesto sobre os cantos da existência negra e as contínuas ansiedades de pessoas de cor”, e é exatamente para onde esta faixa nos leva. “Charcoal Baby” apresenta um trabalho de produção exclusivo e formidável. Isso inclui uma poderosa guitarra propositalmente fora de sintonia, bem como um ritmo sólido e soulful. Os vocais estão incríveis e relaxantes, como de costume. “Charcoal Baby” parece uma progressão natural para o longínquo funk do aclamado “Freetown Sound” (2016). Suas ansiosas lamentações sobre depressão e solidão foram colocados sobre sintetizadores obscuros e linhas de guitarra, que fizeram parte da vida do Prince e James Brown. Há um verso que é repetido várias vezes: “Quando você acordar / Não é a primeira coisa que você quer saber / Você ainda pode contar / De todas as razões que você não está sozinho?”. O refrão dá as boas-vindas ao sintetizador, enquanto o piano chega na segunda metade do refrão. Durante esta fantástica seção, Blood Orange canta: “Ninguém quer ser um estranho, algumas vezes / Ninguém quer ser o cisne negro / Você pode quebrar às vezes?”.

Mais tarde, após a ponte, há uma excelente pausa e uma breve mudança de ritmo. É uma faixa de R&B baseada na guitarra que encerra com um solo de saxofone matador. Os vocais do Hynes estão sonhadores e o refrão é fortemente influenciado pelo synth-pop. Embora pareça uma continuação do seu último álbum, é uma canção muito mais suave, cativante e imediata. Por mais provável que seja, Dev Hynes não está interessado em aperfeiçoar sua técnica. Sua guitarra estridente não é inerentemente mais especial do que os outros instrumentos. Felizmente, tudo nesta música parece familiar, desde os monólogos até o complexo arranjo. As letras são pungentes e, junto com os lindos vocais, diferenciam-se da discografia ocasional do Blood Orange. “Charcoal Baby” é uma faixa realmente excepcional, que carrega uma névoa igualmente ondulante e nostálgica. É impressionante como Dev Hynes consegue capturar as vibrações de uma música como essa. É interessante, também, que uma canção que se concentra em inseguranças raciais e lamentações ansiosas possa progredir com tanta confiança. Juntando-se mais uma vez com uma parceira feminina perfeitamente escolhida, “Charcoal Baby” encerra com um edificante saxofone. Ao todo, Blood Orange fez uma declaração estelar com este primeiro single. É uma música absolutamente deslumbrante!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.